Arquivo para categoria Hagiografia

BEM-AVENTURADO PADRE JOÃO SCHIAVO

Pe. João Schiavo

Padre João Schiavo – bem-aventurado

É motivo de alegria para a Igreja a proclamação de santos e bem-aventurados. Eles são a elite da comunidade cristã, tendo sido sua vida fiel e radical seguimento de Jesus proposta a todos os cristãos.

No próximo dia 28 de outubro, em Caxias do Sul o Cardeal Angelo Amato representará o papa Francisco na proclamação do Padre João Schiavo como bem-aventurado.

João Schiavo nasceu na Itália, em Sant’Urbano de Montecchio Maggiore, em 8 de julho de 1903. Desde criança desejava ser padre. Quando lhe foi oferecida colocação no serviço público rejeitou-a com firmeza, pois seu caminho era ser padre e ser missionário. Entrou na Congregação dos Josefinos de Murialdo e, em 10 de julho de l927, apenas completados 24 anos, foi ordenado sacerdote.

Leia o resto deste post »

Anúncios

1 comentário

FRANCISCO DE ASSIS, O POBREZINHO DE DEUS

Francisco consola Jesus

Há 800 anos Francisco impele o Cristianismo a retornar às fontes: ao Jesus em Belém e a Jesus no Calvário. E deixou-nos, para lembrança contínua, o Presépio e a Via-sacra.

Sua herança não é uma doutrina, mas um espírito, um jeito de ser. A melhor palavra que expressa a mensagem vital de Francisco foi dada pelo primeiro biógrafo, Tomás de Celano: “Francisco foi enviado por Deus num momento em que a doutrina evangélica estava quase esquecida por toda a parte, para mostrar a loucura da sabedoria humana e, com a sua loucura, reconduzir os homens à sabedoria de Deus”.

Este jovem nascido em Assis em 1182, formou seu caráter até o íntimo, mediante a liberdade do cristão, que não é dominador e sim servidor e irmão de tudo, também dos animais, das plantas, das rochas, da água, do sol e da lua. Suas atitudes mostram uma face comovente de sua personalidade e vida, a ponto de parecer incompreensível que quisesse ser um palhaço neste e por este mundo, pois compreendeu que não pode existir um Cristianismo que ao mesmo tempo não seja um escândalo.

Ele é um milagre: não existiu na história cristã – nem em toda a história humana – uma personalidade cuja rica vida espiritual seja construída até o último sobre uma experiência pessoal interior. Nunca existiu tal gênio humano em que, por um instante, o “eu” tenha prevalecido sobre o puro serviço.

Era dotado de enorme bom senso, sabedoria e bom humor. Não era um infantil, era um homem livre desde a juventude, tão livre que podia se dar ao direito de ser criança, falar com os animais, com o fogo, tomar atitudes que pareciam tolice, mas eram fruto dessa liberdade interior que se irradiava pelo exterior. Leia o resto deste post »

1 comentário

PRIMEIROS MÁRTIRES BRASILEIROS

Os Mártires de Cunhaú e Uruaçu

Dia 15 de outubro, na Praça de São Pedro, em Roma, Francisco canonizará o grupo de 30 mártires brasileiros, que foram declarados bem-aventurados por São João Paulo II no ano 2000.  São dois sacerdotes, jovens, pais e mãe de família, crianças e adultos. Foram trucidados e mortos pela fidelidade à fé católica e pela defesa da Eucaristia.

Em 16 de junho de 1645, o Pe. André de Soveral e outros 70 fiéis foram cruelmente mortos por 200 soldados holandeses e índios potiguares. Os fiéis estavam participando da missa dominical, na Capela de Nossa Senhora das Candeias, no Engenho Cunhaú – no município de Canguaretama (RN). O que motivou a chacina? A intolerância calvinista dos invasores que não admitiam a prática da religião católica: isso custou-lhes a própria vida.

A chacina de Cunhaú

O movimento de insurreição contra o domínio holandês já começara em Pernambuco, mas, na capitania do Rio Grande do Norte, tudo parecia normal. Bastou, porém, a presença de uma só pessoa para que o clima se tornasse tenso: Jacó Rabe, um alemão a serviço dos holandeses. Ele chegara a Cunhaú no dia 15 de julho de 1645.

Rabe era um personagem por demais conhecido dos moradores de Cunhaú. Suas passagens por aquelas paragens eram frequentes, sempre acompanhado dos ferozes tapuias, semeando por toda parte ódio e destruição. A simples presença de Rabe e dos tapuias era motivo para suspeitas e temores.

Leia o resto deste post »

,

2 Comentários

SANTA EDITH STEIN – A TEOLOGIA DA CRUZ

Edith Stein

“o que vale a pena possuir, vale a pena esperar”

Edith nasceu em Breslau, então Alemanha, hoje Polônia, em 12 de outubro de 1891, numa família de judeus praticantes, última e predileta de 11 irmãos. Foi Uma criança dotada e sensibilíssima e muito cedo pressentiu ser chamada a um grande futuro, mas não sabia qual.

A sua era uma família piedosa e praticante da fé judaica.

Pelos 14 anos, mergulhou numa crise existencial e negou-se a continuar os estudos: “Foi o período no qual perdi a fé de minha infância e comecei, como pessoa autônoma, a rejeitar qualquer orientação, com plena consciência e por livre escolha; e perdi o hábito de rezar”.

Em 1911, foi uma das primeiras mulheres a se inscrever na Universidade de Breslávia. Era uma apaixonada pesquisadora da verdade. Não admitia verdade que não pudesse ser demonstrada.

Seguindo para Göttingen, tornou-se predileta discípula de Edmund Husserl, o grande filósofo alemão da época. Frequentou o curso de fenomenologia: aprende o método de por-se objetivamente diante dos Fenômenos. Deu grandes passos em sua busca da verdade do ser. Leia o resto deste post »

1 comentário

SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

Jesus revela seu Coração a Santa Margarida

O Filho de Deus veio ao mundo para revelar o amor de Deus Pai por todas as criaturas, sem perder nenhuma. Veio trazer-nos a mensagem da paternidade divina em sua infinita bondade e compaixão. É essa a mensagem central da Sagrada Escritura: Deus é amor.

Houve períodos da história cristã em que o acento da fé e da vida recaíram no medo de Deus, na justiça divina mais como vingança por nossos erros do que como justiça que nos faz justos gratuitamente.

Nessas horas o Senhor desperta homens e mulheres e lhes dá a graça de sentirem sua misericórdia, anunciando-a pela vida e pela palavra. No século 20 conhecemos a mensagem extraordinária da Divina Misericórdia através de Santa Faustina, que trouxe para a Igreja uma poderosa corrente de confiança no Senhor que nos salva. Também conhecemos a vida de São Padre Pio, que fez do confessionário sua tribuna. Leia o resto deste post »

3 Comentários

OS PROTOMÁRTIRES DO BRASIL – SERÃO CANONIZADOS

Prot – Forte dos Reis Magos, onde se refugiaram os Mártires de Uruaçu

São estes os sentimentos que invadem o nosso coração, ao evocarmos a significativa lembrança da celebração dos 500 Anos da Evangelização do Brasil, que acontece neste ano. Naquele imenso País, não foram poucas as dificuldades de implantação do Evangelho. A presença da Igreja foi-se afirmando lentamente, mediante a obra missionária de várias Ordens e Congregações religiosas e de Sacerdotes do clero diocesano. Os mártires que hoje são beatificados saíram, no fim do século XVII, das comunidades de Cunhaú e Uruaçu, no Rio Grande do Norte. André de Soveral, Ambrósio Francisco Ferro, Presbíteros, e 28 Companheiros leigos pertencem a essa geração de mártires que regou o solo pátrio, tornando-o fértil para a geração dos novos cristãos. Eles são as primícias do trabalho missionário, os Protomártires do Brasil. A um deles, Mateus Moreira, estando ainda vivo, foi-lhe arrancado o coração pelas costas, mas ele ainda teve forças para proclamar a sua fé na Eucaristia, dizendo: “Louvado seja o Santíssimo Sacramento”.

Hoje, uma vez mais, ressoam aquelas palavras de Cristo, evocadas no Evangelho: “Não temais aqueles que matam o corpo, mas não podem matar a alma” (Mt 10, 28). O sangue de católicos indefesos, muitos deles anônimos crianças, velhos e famílias inteiras servirá de estímulo para fortalecer a fé das novas gerações de brasileiros, lembrando sobretudo o valor da família como autêntica e insubstituível formadora da fé e geradora de valores morais. (HOMILIA DO PAPA JOÃO PAULO II – NA MISSA DE BEATIFICAÇÃO DOS PROTOMÁRTIRES DO BRASIL – Domingo, 5 de Março de 2000).

OS MÁRTIRES DE CUNHAÚ E URUAÇU

Leia o resto deste post »

Deixe um comentário

TERESINHA – A PEQUENA GRANDE MISSIONÁRIA

Santa Teresinha e seus pais São Luís e Santa Zélia

Santa Teresinha e seus pais São Luís e Santa Zélia

Teresa pertencia a uma família de classe média-alta da época. Morava numa mansão, tinha escola e até professora particular. Uma menina mimada e apaixonada pelo pai, o senhor Martin, que a chamava de “minha rainhazinha”. Teresa tinha tudo para se tornar uma dama rica da sociedade francesa do fim do século XIX.

No entanto, seu coração humilde bem cedo sente o desejo de se entregar única e exclusivamente a Deus. Teresa está convencida que o “Deus vingador” que lhe é apresentado na catequese não corresponde à imagem de Pai misericordioso que tem no coração. Partindo dessa convicção, ela sente a necessidade de buscar outros caminhos. Quer ser “santa, grande santa”, mas não como certos santos antigos…

Teresa oferece ao futuro um novo estilo de santidade, uma nova forma de amar: o pequeno caminho.  O único caminho para o amor é a confiança, a perseverança, a aceitação: “Agora compreendo que a caridade perfeita consiste em suportar os defeitos dos outros, em não estranhar suas fraquezas, em edificar-se com os menores atos de virtude que a gente vê praticar.”

Naquela época já havia elevador nas casas ricas, fato que levou Teresinha a fazer esta comparação: “Nas casas muito altas, as pessoas se esforçam por chegar até em cima usando o elevador. Eu encontrei o meu elevador, ele me leva até o Pai… são os braços de Jesus.”

Na vida comunitária do Carmelo, Teresinha não quer ficar perdendo tempo com as mesquinharias do dia-a-dia. Ela intui que o que conta é o amor, só o amor.  Entende que amar é acolher o outro; é saber dar ao outro a liberdade de amá-la ou mesmo de não amá-la; é contemplar no outro a pessoa de Jesus: “É a Santa Face de Cristo que amamos, impressa em cada pessoa.”

Teresinha sente-se missionária, como os que tinham a coragem de partir rumo às terras distantes. Mas, como sê-lo ficando parada, enclausurada? Teresinha supera essa dificuldade: “Sinto em mim todas as vocações: de apóstolo, de missionário, de sacerdote, de mártir, de doutor… Considerando, porém, que não posso vivê-las todas, na Igreja eu serei o amor”.

Assim Teresa nos ensina que todos, mesmo permanecendo onde estamos, poderemos chegar lá onde o coração quer ir. A missionariedade não é questão de geografia, é questão de amor.

Santa Teresinha é uma santa para nossos dias, para todos os dias, para a eternidade: “Sinto que minha missão vai começar, minha missão de fazer amar o Bom Deus, como eu o amo; de indicar às almas meu pequeno caminho. Se o Bom Deus atender meus desejos, meu céu se passará na terra…, até  o fim do mundo. Sim, quero passar meu céu fazendo o bem sobre a terra.”

Breves informações:

Santa Teresinha aos 8 anos

Santa Teresinha aos 8 anos

1873 – Teresinha nasceu em Alençon, pequena cidade da França. Era a última de 5 irmãs. Em 1877, Teresinha ficou órfã de sua mamãe, morta por um câncer no seio. Toda a família se transferiu a Lisieux para estar mais perto dos tios.

Paulina, que, para Teresinha, ocupava o lugar da mãe, entra no Convento das Carmelitas de Lisieux em 1882.

Em 1886, Maria, outra irmã, também se tornou Carmelita em Lisieux. Teresinha vive um momento de tremenda solidão e crise. Mas, na noite de Natal, encontrou forças para reagir a suas fraquezas de criança.

Teresinha confidencia a seu pai que quer ser carmelita. Viaja a Roma para pedir ao Papa Leão XIII a licença para entrar no Carmelo com 15 anos, e ingressou em 1888.

1890 – Com a Profissão religiosa, tornou-se carmelita. Papai, o seu “rei”, está junto dela, feliz. Em 1894, morreu Luís, o querido papai. Celina junta-se à irmã no Carmelo.

Teresinha descobriu estar gravemente doente de tuberculose, em 1896. Naquele tempo a doença era incurável.

Em 30 de setembro de 1897, morreu Teresinha aos 24 anos e 8 meses dizendo, ao contemplar o Crucifixo: “Oh, meu Deus, eu vos amo”.

O Papa Pio XI a proclama Santa em 1925, e mais de 500 mil peregrinos estavam em Roma para aclamá-la. Em 1997, o mundo inteiro celebrou o Centenário de sua morte e o Papa João Paulo II a declara  Doutora da Igreja”.

Em 18 de outubro de 2015, Francisco celebra a canonização dos pais: São Luís e Santa Zélia.

RECORDAÇÕES DE MAMÃE ZÉLIA

“Minha filha caçula, Teresinha, logo me impressionou pela sua inteligência, caráter decidido e por sua vontade de ser boa. Eu a apelidava de meu “pequeno furacão” e, desde quando a amamentava, sentia sua força e determinação. Quando pequenina, gostava sempre de dizer “não” e, mesmo que a prendesse o dia inteiro num quarto, passaria também a noite, mas não diria um “sim”.

Percebi que era orgulhosa quando, num dia, por brincadeira, lhe disse: – Teresinha, se beijas o chão, eu te dou uma moeda. Para uma criança, uma moeda era muito dinheiro e, abaixar-se para beijar o chão, era muito fácil para ela, que tinha uma estatura pequena. Com determinação, a pequerrucha respondeu: “Obrigada, mamãe, prefiro não ganhar a moeda”.

Quando pequena, Teresinha tinha um costume muito especial: ao subir a escada, parava a cada degrau e gritava “mamãe!”. Se eu não respondesse logo: “Oi, minha pequena”, parava no degrau, sem subir e nem descer.

Teresinha gostava muito que eu lhe falasse sempre do céu e, uma vez, me disse: “Mamãe, se fosse para eu ir para o inferno, fugiria para junto de ti no paraíso, então tu me esconderias juntinho de ti e Deus não iria separar a mamãe de sua filhinha, não é verdade?”

O   EVANGELHO DE TERESINHA

“Tenho sede!” Escreveu: “Este trecho do Evangelho de João (19,28) começou a martelar-me no mês de março de 1887 quando, na França, o único assunto era Pranzini, um delinqüente perigoso que tinha assassinado três pessoas com a finalidade de roubar.

Pranzini foi condenado à guilhotina. Nunca o tinha visto, mas, diante deste fato, recordei-me das palavras de Jesus na Cruz: “Tenho sede”.  Tinham me ensinado na catequese que Jesus tem sede de almas. Esta alma tinha abandonado o amor de Deus e eu deveria trazê-la de volta a qualquer custo. Pranzini não era somente um criminoso: era também uma alma para ser salva.

Naquele tempo eu tinha apenas 14 anos e decidi assumir a responsabilidade espiritual por aquele homem. Somente com a oração e a penitência poderia impedir que fosse para o inferno. De vez em quando dava uma olhadela nas notícias do jornal de papai: Pranzini continuava arrogante, endurecido em seu pecado. Não desanimei. Continuei a rezar, até encomendei uma Missa por ele e pedi a Celina que me ajudasse a salvar aquela criatura de Deus. Queria entregá-la nas mãos do Pai, que lava todo o pecado com o sangue de seu Filho Jesus.

No dia 13 de julho foi decidida a condenação à morte de Pranzini, com execução marcada para o dia 31 de agosto. Eu escutava os comentários da redondeza. Impressionavam-me a raiva do povo e os julgamentos inflexíveis das pessoas. Se tivessem oportunidade, o matariam dez vezes. Estavam esquecidos de que aquela alma custara a morte de Jesus na Cruz.

Intensifiquei minhas orações e, no dia 1º de setembro, dei uma olhada no jornal La Croix; Pranzini tinha subido à guilhotina sem se confessar mas, no último momento pediu um crucifixo e beijou as chagas de Jesus. Meu Deus! Estava salvo! Venceu tua misericórdia!” 

O   PEQUENO CAMINHO

Santa Teresinha com suas irmãs

Santa Teresinha com suas irmãs

No Carmelo, Teresinha adoeceu gravemente e viveu a doença com a serenidade que lhe era própria. O extraordinário em Teresinha foi ter realizado coisas normais com tanto amor.

Rezou, serviu, calou, pintou, escreveu, sofreu: somente por amor.

Num dia em que sentia a vontade de salvar o mundo e se via prisioneira numa pequena cela, exclamou: “A minha vocação é o amor. No coração da Igreja, minha Mãe, eu serei o amor, e assim serei tudo”. Neste amor estendido ao mundo e oferecido a Deus pelo mundo, Teresinha partiu em 30 de setembro de 1897.

O Pequeno Caminho de Teresinha compõe-se de dois valores:

a misericórdia do Pai,

– a necessidade de permanecer criança para sempre permanecer em seu amor.

É um caminho que todos podem percorrer sem medo, sem angústia, porque Ele faz tudo: “Quero ir para o céu através de um pequeno caminho, bem reto, muito curto, um pequeno caminho bem novo.

Estamos num século de invenções. Nas casas dos ricos um elevador tira o cansaço das escadas. Eu também quero encontrar um elevador que me leve a Jesus, porque sou pequena demais para subir a dura escada da perfeição”. “O elevador que me deve levar até ao céu são os vossos braços, Jesus, por isso não preciso ficar grande, pelo contrário, devo permanecer pequena”. Andei lendo: “Se alguém é pequeníssimo, venha a mim”. Então, Senhor, penso ter encontrado aquilo que procurava: “Como uma mãe acaricia o filho, assim eu vos consolarei, vos carregarei no meu coração e vos apoiarei nos meus joelhos” (Is 66,12-13). 

A   GRANDE MISSIONÁRIA

Santa Teresinha, padroeira das Missões

Santa Teresinha, padroeira das Missões

Teresinha nasceu missionária. Desde pequena, pegava suas economias e oferecia uma moeda para as Missões. Foi uma missionária infatigável entre as quatro paredes de sua cela. Sua oração, seu sacrifício, o amor que punha em todas as pequenas coisas do dia-a-dia, eram oferecidos pelos sacerdotes e para a missão deles. Era a força que impelia os apóstolos.

O anúncio do Evangelho no mundo inteiro não deixava de preocupá-la a ponto de desejar partir em missão para a Indochina, onde havia sido fundado um Carmelo, mas a saúde frágil não lhe permitiria. Santa Teresinha, já em seus últimos dias de vida terrena, profetizará que seria missionária sempre ao dizer que “passaria o seu tempo no céu fazendo o bem sobre a terra”.

Em 1927, o Papa Pio XI a declarou “Padroeira Universal das Missões e dos missionários, como São Francisco Xavier.” Suas intervenções em favor dos missionários se fizeram sentir em todo o mundo. Em 1917, o missionário Pe. Charlebois, que há cinco anos lutava pela evangelização dos esquimós na baía de Hudson, sem qualquer resultado, certo dia jogou sobre eles um pouco de terra que havia sido recolhida do túmulo de Teresa. Os esquimós, sentindo-se tocados interiormente, pediram o batismo. Teresa ensinou que evangelizar não é só pregar, ensinar… mas sim, como Cristo fez, amar e doar a própria vida. O amor é sempre um meio de evangelização mais eficaz e mais eloqüente que as palavras.

PENSAMENTOS

“Para mim, a oração é um impulso do coração, um simples olhar, dirigido aos céus, um grito de gratidão ou de amor em meio a provações ou alegrias. É algo, enfim, muito grande, sobrenatural que me dilata a alma e une a Jesus”.

“Eu fiz a experiência: quando não sinto nada, quando não sou capaz de rezar, é então o momento de procurar as pequeninas ocasiões, os nadas que dão prazer…

Quando não tenho ocasião, quero pelo menos dizer muitas vezes a Jesus que eu O amo…”

“Tudo o que fiz –  até apanhar uma agulha – era para dar prazer a Deus, para salvar almas.

Caminho em lugar de um missionário. Penso, que muito longe, um deles se encontra cansado, em suas andanças apostólicas. E, para diminuir suas fadigas, ofereço as minhas a Deus”.

Sua última oração, escrita com mão trêmula: “Ó Maria, se eu fosse a Rainha do Céu e vós fôsseis Teresinha, eu queria ser Teresinha a fim de que fôsseis a Rainha do Céu”.

Pe. José Artulino Besen

1 comentário

SANTA MARIA MADALENA – apóstola dos apóstolos – 22 de julho

maria-madalena

Não me segures – Jesus e Maria Madalena – Giotto

Assinado em 3 de junho de 2016 por decisão de Francisco, um decreto da Sagrada Congregação do Culto elevou a memória de Santa Maria Madalena ao grau de Festa, como a devida aos outros apóstolos. A decisão está inserida no novo contexto eclesial que pede profunda reflexão sobre a dignidade da mulher, a nova evangelização e a grandeza do mistério da misericórdia divina.

São João Paulo II já tinha se referido à missão peculiar de Maria de Mágdala como primeira testemunha que viu o Ressuscitado e primeira mensageira que anunciou aos apóstolos a ressurreição do Senhor.

Santa Maria Madalena é apresentada como um exemplo de “verdadeira e autêntica evangelizadora”, que anuncia a alegre mensagem central da Páscoa. Francisco tomou essa decisão para significar a importância desta mulher que demonstrou um grande amor a Cristo e que tão profundamente foi amada por ele.

O papa São Gregório Magno definiu-a como “a primeira testemunha da ressurreição”, e Santo Tomás de Aquino chamou-a de “apóstola dos apóstolos” porque foi ela que anunciou aos discípulos amedrontados e trancados no cenáculo o que eles deverão, por sua vez, anunciar a todo o mundo. João evangelista a descreve em lágrimas por não ter encontrado no túmulo o corpo do Senhor. Jesus teve compaixão dela fazendo-se reconhecer como Mestre e transformando suas lágrimas em alegria pascal. Tudo isso motivou a decisão papal de que sua festa litúrgica de 22 de julho tenha o mesmo grau das celebrações dos apóstolos no Calendário Romano Geral.

Segundo os biblistas, Santa Maria Madalena não foi a prostituta de que Lucas fala e que ungiu os pés do Senhor (Lc 7, 36-50), uma anônima pecadora conhecida na cidade. Também não é a outra Maria, irmã de Marta e Lázaro, a Maria de Betânia (Jo 12, 1-8). Esse engano deu origem a intensa devoção e inspirou grandes artistas.

Maria Madalena é o que diz seu nome: era de Mágdala, povoado de pescadores à margem do Lago de Tiberíades, mercado de peixes, cujas escavações nos anos 70 do século XX revelaram o desenho urbano da antiga vila. E escavações em 2009 possibilitaram a descoberta da antiga sinagoga, uma das mais antigas dentre as descobertas em Israel: sua posição na estrada que liga Nazaré a Cafarnaum indicaria como aquela frequentada por Jesus.

Maria Madalena aparece pela primeira vez no capítulo 7 de Lucas, quando se narra que Jesus passou por cidades e povoados proclamando a Boa-nova do Reino de Deus, e com ele estavam os Doze a algumas mulheres que tinham sido libertadas de espíritos malignos e de enfermidades e que lhe serviam com seus bens. Entre elas estava “Maria, chamada Madalena, da qual tinham saído sete demônios”. Como escreveu o cardeal Gianfranco Ravasi, “em si mesma, a expressão [sete demônios] pode indicar um grave mal (sete é o número de plenitude) físico ou moral que afligiu a mulher de que Jesus tinha libertado.

Sofrendo um mal grave, de natureza desconhecida, Maria Madalena pertencia, assim, ao povo de homens, mulheres e crianças feridas em muitos aspectos que Jesus liberta do desespero para devolvê-los à vida e aos seus entes queridos. Jesus, em nome de Deus, só faz gestos de libertação do mal e de resgate da esperança perdida. O desejo humano de uma vida boa e feliz pertence à intenção de Deus, que é o Deus da cura, nunca cúmplice do mal.

Maria Madalena reaparece nos Evangelhos na hora mais terrível e dramática da vida de Jesus: em seu fiel apego ao Mestre acompanha-o ao Calvário juntamente com outras mulheres, para observá-lo de longe. Em seguida, se apresenta quando José de Arimatéia deposita o corpo de Jesus no túmulo, que é fechado com uma pedra. Depois, no sábado, na manhã do primeiro dia da semana volta ao túmulo e descobre que a pedra fora retirada e corre para contar o fato a Pedro e João, que, por sua vez, correm ao sepulcro para conferir a ausência do corpo do Senhor.

O encontro com o Ressuscitado  

Enquanto os dois discípulos voltam para casa, ela permanece ali, chorando. Inclinando-se no túmulo vê dois anjos e lhes pergunta se não sabiam onde colocaram o corpo do Senhor. Então, olhando para trás, ela vê Jesus, mas não o reconhece, acha que é o jardineiro. Quando Ele pergunta a razão de suas lágrimas e o que procurava, ela respondeu: “Senhor, se tu o levaste, diz-me onde o puseste, e eu vou buscá-lo”.  Jesus disse-lhe, então: “Maria!” (Jo 20,15-16). Citando-lhe o nome, Jesus se revela como o seu Senhor, aquele que ela procura.

O diálogo continua e Maria Madalena diz em hebraico: “Rabuni”, o que significa “Mestre”. Jesus diz: “Não me segures, pois ainda não subi para o Pai; mas vai dizer a meus irmãos: “Eu subo para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus”. Maria Madalena foi e anunciou aos discípulos: “Eu vi o Senhor!”. E também narrou o que ele tinha dito “(Jo 20, 16-18).

Maria expressa a maternidade na fé e da fé. Com ela tem início a longa série das mães que, através dos séculos, se dedicam à geração de filhos e filhas de Deus. A decisão de Francisco é um dom belo, expressão de uma revolução antropológica que se refere à mulher e atinge toda a vida eclesial: entender que homem e mulher, numa dualidade encarnada, podem tornar-se anunciadores luminosos do Ressuscitado.

Pe. José Artulino Besen

4 Comentários

DOM OSCAR ROMERO, MARTÍRIO E MEMÓRIA

romero

Pe. Oscar Romero

Era segunda-feira, 24 de março de 1980. Às 18 horas, Dom Oscar Arnulfo Romero iniciou a celebração da Missa na capela do hospital da Divina Providência na colônia Miramonte de San Salvador, para onde se tinha mudado. Ele percebeu que alguém se postou à porta de entrada da igreja, ergueu o fuzil e disparou um tiro certeiro que lhe perfurou o coração. Caiu fulminado, e morreu pouco depois no hospital, aos 62 anos de idade. Somente 31 anos depois, por imposição de organismos internacionais, soube-se quem foi o assassino e quem foram os mandantes: foi Marino Samayor Acosta, sub-sargento da seção II da Guarda Nacional, membro da equipe de segurança do presidente da república, por ordem do major Roberto d’Aubuisson, criador dos esquadrões da morte e do coronel Arturo Armando Molina. Preço do serviço para assassinar Dom Romero: 114 dólares.

Na véspera, domingo, dia 23 de março, preocupado com a violência dos esquadrões da morte e das guerrilhas, lançara um pedido dramático:

“Eu gostaria de fazer um apelo muito especial aos homens do Exército e, concretamente, às bases da Guarda Nacional, da polícia, dos quartéis. Irmãos, vocês são do nosso próprio povo, vocês matam os seus próprios irmãos camponeses, e, diante de uma ordem de matar dada por um homem, deve prevalecer a Lei de Deus, que disse: ‘Não matar’. Nenhum soldado é obrigado a obedecer a uma ordem contra a Lei de Deus. Uma lei imoral, ninguém precisa cumprir. Já é hora de recuperarem a consciência e obedecerem antes à sua consciência que à ordem do pecado. A Igreja, defensora dos direitos de Deus, da Lei de Deus, da dignidade humana, da pessoa, não pode ficar calada diante de tanta abominação. Queremos que o Governo leve a sério que para nada servem as reformas se forem manchadas com tanto sangue. Em nome de Deus, pois, e em nome deste sofrido povo, cujos lamentos sobem ao céu cada dia mais tumultuosos, lhes suplico, lhes rogo, lhes ordeno, em nome de Deus: cesse a repressão!”

A repressão era sempre mais intensa naquele pequeno país de 22.000 km2. Entre 1979 e 1992, ano do acordo de paz, foram assassinados 85.000 salvadorenhos, 80% deles civis. Eram jovens, camponeses, 13 sacerdotes, 3 religiosas. De um lado estavam as forças da repressão, financiadas pelos Estados Unidos e pelos proprietários das melhores terras, de outro, os camponeses vítimas da miséria, da exploração de sua mão de obra, seduzidos pelo movimento de guerrilha de inspiração marxista.

Foto de arquivo do arcebispo Oscar Arnulfo Romero (Foto: A)

Foto de arquivo do arcebispo Oscar Arnulfo Romero (Foto: A)

Sacerdote e bispo à imagem de Cristo

Oscar Arnulfo Romero nasceu em 15 de agosto de 1917 em El Salvador, segundo de sete irmãos. Desde a infância manifestou profunda piedade, cujo centro era a oração noturna diária e a veneração ao Imaculado Coração de Maria. Aos 13 anos, em 1930, ingressou no seminário de San Miguel. Em 1937 dirigiu-se ao Seminário São José de San Salvador e, no mesmo ano, foi enviado a Roma, onde residiu no Pontifício Colégio Pio Latino e estudou na Universidade Gregoriana.

Foi ordenado padre em Roma aos 24 anos, em 4 de abril de 1942. Retornou à pátria em 1943, recebido com entusiasmo pelo seu povo, que muito o estimava. Foi pároco de Anamorós e, depois, de Nossa Senhora da Paz e, ao mesmo tempo, secretário do Bispo diocesano.

Em 1968 foi nomeado secretário da Conferência episcopal, acompanhando todo o processo da Conferência de Medellín e sua opção pelos pobres. Em 21 de abril de 1970, foi nomeado bispo auxiliar de San Salvador, sendo ordenado em 21 de junho. O próximo passo foi a nomeação de bispo diocesano de Santiago de Maria em 15 de outubro de 1974, vivendo ali seus mais felizes anos. Finalmente, em 3 de fevereiro de 1977, o papa Paulo VI o elegeu arcebispo de San Salvador, assumindo em 22 de fevereiro. O clero não recebeu essa nomeação com entusiasmo, pois o tinha como bispo conservador e preferia o auxiliar Dom Artur Rivera y Damas (que depois foi o sucessor).

Pe. Rutílio Grande, mártir

Pe. Rutílio Grande, mártir

Pouco depois, em 12 de março de 1977, um acontecimento mexeu com todos os sentimentos humanos, espirituais e pastorais de Dom Romero: o assassinato de seu íntimo amigo, o jesuíta Pe. Rutílio Grande, pároco de Aguilares, com dois camponeses que o acompanhavam. Pe. Rutílio encarnara em seu ministério a opção pelos pobres de Medellín e se dedicava à formação de Comunidades Eclesiais de Base. Não concordava com seus colegas da Universidade Católica, pois via sua teologia muito comprometida ideologicamente. A teologia da libertação de Pe. Rutílio era essencialmente fruto da reflexão do Evangelho junto aos camponeses, que se alegravam por descobrirem sua dignidade e capacidade de organização para fazerem frente aos latifundiários que tomavam as melhores terras e exploravam sua força de trabalho.

O martírio do amigo, cujo processo de canonização foi aberto em 2015, iluminou sua vida cristã e episcopal: após a noite inteira em vigília junto ao corpo de Rutílio Grande, entendeu que os camponeses tinham ficado órfãos de pai. Era necessário assumir o lado dos pobres, dos camponeses, o trabalho de reconciliação nacional e lhe tocava essa missão. Tinha consciência dos perigos que lhe estavam reservados, mas não tinha mais nenhum medo. Arriscando a vida, procurou as partes no conflito, governo e guerrilha. Conhecendo pessoalmente o presidente Arturo Molina, foi-lhe ao encontro, exigindo que investigasse o assassinato de Pe. Rutílio. Com riso de deboche, Molina apresentou-lhe os pêsames e disse que investigaria. Nada acontecendo, Dom Romero decidiu e comunicou que não participaria mais de nenhuma cerimônia oficial do Estado. E decidiu que, aos domingos, haveria somente uma Missa na catedral, para que ricos e pobres se encontrassem e escutassem sua mensagem em defesa dos camponeses.

Ao se reunir com o presidente Arturo Molina este lhe apresentou uma lista com os nomes de 30 sacerdotes que deveriam deixar o país, ao que o arcebispo respondeu: “Os sacerdotes são intocáveis”.

Vida oferecida pelo povo

A partir dessa hora, as homilias do arcebispo são sempre mais claras e proféticas. Num dia, seu irmão Gaspar pediu que ele amaciasse o tom, pois corria perigo e recebeu a reposta: “Alguém deve falar que essa tragédia não pode continuar. De uma parte, o exército mata e incendeia povoados inteiros, de outra, a guerrilha… Devo intervir e dizer a minha verdade”.

De Roma, através do núncio de Costa Rica, lhe chega a comunicação que queriam assassiná-lo. Paulo VI, paternalmente, lhe propõe um caminho: se a situação se tornasse muito perigosa, alegando doença poderia pedir transferência. Dom Romero respondeu: “Escolho viver aqui, porque é aqui que devo concluir meu apostolado. Se me matarem, já os perdoei a todos. Em todo caso, é aqui que devo morrer porque devo ressuscitar no meio de meu povo”.

O Arcebispo redobrou seu empenho pessoal pelo povo que o procurava: gente influente pedia sua mediação pela libertação de um filho seqüestrado pela guerrilha, camponeses que pediam que encontrasse os filhos seqüestrados pelo exército, pobres que pediam pão e esmola e ele procurava um modo de atender a todos.

A perseguição desencadeada pelo governo contra ele se intensifica: ameaças a seus familiares, desmoralização através de campanhas que diziam que ele escrevia as homilias sob o efeito do álcool, que tinha sido diagnosticado doente mental. Uma delegação de católicos de direita foi a Roma para denunciá-lo e pedir sua remoção. Roma envia um representante que, lendo suas homilias, aprovou sua ação. Com toda essa campanha de difamação e ameaça, aumentava sempre mais a coragem e o amor pelo seu povo. Se transfigurava a cada dia, o que podia ser constatado na simplicidade amorosa com que reunia as famílias, comia de sua feijoada, explicava o Evangelho. Ao mesmo tempo, no mesmo dia participava de reunião no Ministério do Exterior, recebia delegação da ONU e se transformava: falava com firmeza e com capacidade de líder experimentado.

As ameaças fazem sofrer seus familiares que quase se sentiam na necessidade de negar que fossem seus parentes. Recebe cartas sempre mais ameaçadoras.

Dom Romero sofre a noite escura dentro de sua Igreja: os irmãos no episcopado o abandonam, acusando-o de ser responsável pelo recrudescimento da violência; Dom Lopes Trujillo, arcebispo de Medellín é porta-vos das acusações que chegam a Roma. Dentro do Vaticano se encontram seus maiores opositores e difamadores, num primeiro momento levando João Paulo II a crer nas acusações. Chegavam a Roma quilos de cartas contra ele, acusando-o de envolver-se na política, de seguir a teologia da libertação, de desequilíbrios de caráter. Numa viagem a Roma, o Papa o recebeu friamente, deixando-o muito sofrido, mas, Dom Romero não podia voltar atrás: seguia o caminho do Evangelho, o Vaticano II, Medellín e Puebla, era um arcebispo fiel às orientações católicas no tocante à defesa dos pobres. Como poderia abandonar a palavra da Igreja e seu povo?

Sua perseverança em meio a tantos conflitos preparou o tapete que lhe foi estendido naquela tarde de segunda-feira, 24 de março de 1980, pelas 18 horas, quando a tirania cobrou o preço: uma bala de fuzil furou-lhe o coração. Não mataram Dom Oscar Romero na rua, num atentado: quiseram assassiná-lo dentro da Igreja, quiseram calar a Igreja.

Religiosa beija a fronte de Dom Romero

O povo sofreu dolorosamente a morte de seu pastor. Seu corpo ficou exposto na catedral durante quatro dias, visitado por mais de 250 mil pessoas. O mundo chorou o ato violento contra um homem frágil, suja única força era o amor a Cristo e aos pobres. O Vaticano fez-se representar pelo Cardeal arcebispo do México, Ernesto Corrípio y Arrumada. O povo que chorava seu bispo tentou organizar uma grande procissão e, nessa hora, o exército mostrou sua face cruel: fez explodir uma bomba em meio à multidão e 42 pessoas morreram.

A verdade liberta e triunfa

romero1

Papa João Paulo II, rezando diante do túmulo do arcebispo Romero

A maioria dos bispos de El Salvador negou-lhe qualquer sinal de gratidão pelo trabalho heróico. Quando, em março de 1983, João Paulo II visitou o país, não estava prevista nenhum visita a seu túmulo, mas o Papa fez questão de ir lá para rezar. Teve que esperar bons minutos até que se encontrasse a chave da Catedral. Na preparação da celebração das Testemunhas da Fé, em Pentecostes do ano 2000, os bispos fizeram chegar o pedido de evitar citar o nome de Dom Romero. João Paulo II, num de seus grandes gestos, acrescentou de próprio punho do nome de Romero no Oremus final.

Nesses anos operava em Roma um influente grupo de prelados que faziam o possível para resistir à canonização do arcebispo. No mesmo ano 2000, o Cardeal vietnamita Van Thuan orientou os exercícios espirituais ao Papa e à Cúria romana e foi severamente criticado por ter incluído Dom Romero entre as grandes testemunhas da fé de nosso tempo e citado esse nome diante do Papa. Meses depois, quando as meditações foram publicadas em livro de grande repercussão, o nome de Dom Romero não apareceu em nenhuma citação.

Quando Bento XVI viajava para o Brasil, em maio de 2007, durante o vôo alguém lhe perguntou sobre Romero e o papa respondeu com uma pequena apologia do arcebispo assassinado, descrevendo-o como “uma grande testemunha da fé”, recordando sua morte incrível diante do altar e que era digno de ser beatificado. Novamente aconteceu o inusitado: mesmo tendo falado diante de tele câmeras, dezenas de gravadores, essas palavras foram apagadas nas versões oficiais da entrevista publicada nas mídia do Vaticano.

Menos mal, em 2012 Bento XVI desbloqueou o processo, trancado em Roma havia 17 anos. Dom Romero não foi assassinado por questões políticas, como quiseram impor seus acusadores dentro e fora da Igreja. Foi martirizado in odium fidei, por ódio à fé cristã, e disso dá testemunho o tiro disparado dentro de uma igreja, com mensagem clara: atingir um cristão. A acusação de comunismo era uma “acusação fácil” que se fazia contra quem estava perto dos pobres e foi morto durante a Missa e não em casa ou na rua. “Queriam matá-lo no altar”.

Dom Oscar Arnulfo Romero repousa em sua Catedral, vizinho à cátedra onde anunciou a justiça e denunciou a injustiça e ali ressuscitou no meio de seu povo. Seu túmulo é meta de peregrinação de ricos e pobres, dos fortes e dos fracos do mundo. Quatro anjos ladeiam seu túmulo, simbolizando os quatro Evangelhos que anunciou ao povo. A catedral anglicana de Westminster, em Londres, ergueu uma estátua sua como homenagem aos que deram a vida em defesa dos direitos humanos. A Assembléia Geral das Nações Unidas – ONU, proclamou o dia 24 de março – data da sua morte – como o “Dia Internacional pelo Direito à Verdade, em relação a graves violações e a dignidade das vítimas”, em honra ao mártir salvadorenho.

E chegou a vez da Igreja: reconhecendo-lhe o martírio em 3 de fevereiro de 2015, Francisco, o primeiro Papa latino-americano, marcou sua beatificação para o dia 23 de maio de 2015, véspera de Pentecostes. O povo cristão poderá invocá-lo como São Romero da América. O arcebispo salvadorenho vai ser declarado bem-aventurado pelo primeiro papa sul-americano da história, que pede “uma Igreja pobre para os pobres”, centro da ação de Dom Oscar Romero e causa de seu martírio.

Pe. José Artulino Besen

2 Comentários

OS 21 TRABALHADORES EGÍPCIOS MÁRTIRES

O Senhor coroa os 21 mártires egípcios - Ícone de Tony Rezk

O Senhor coroa os 21 mártires egípcios – Ícone de Tony Rezk

A Igreja Ortodoxa Copta do Egito, antiqüíssima comunidade cristã fundada por São Marcos, tem a coragem e o testemunho de fidelidade provados por quase dois milênios. Nos primeiros séculos, foi perseguida pelo Império romano e, em seguida, pelo Império bizantino, mas não cedeu na fidelidade à pregação apostólica. E a grande provação continuou a partir do século VIII, com a dominação árabe e muçulmana, mas permanece fiel. Ela corresponde, hoje, ao antigo Patriarcado de Alexandria, onde vicejaram milhares de mártires e vicejou a grande Escola Teológica de Clemente e Orígenes, de Cirilo e de Atanásio. O nome “copta” é corruptela da palavra grega “eguipto”.

Foi nos desertos e oásis do Egito que, a partir do século III, Santo Antão deu impulso à vida monástica cristã nas suas formas de eremita e anacoreta: homens e mulheres deixavam tudo, família, bens, livros, para penetrarem nos desertos e ali combaterem o diabo face a face e se aprofundarem na contemplação de Deus: os Pais e Mães do deserto teciam cestos enquanto “ruminavam” a Palavra de Deus. Para não caírem na tentação do intelectualismo, preferiam ser analfabetos memorizando os textos bíblicos, especialmente os Salmos, rezados sem cessar.

Muitos desses mosteiros foram esvaziados pelo tempo, comodismo, pela perseguição. E foi no século XX que um jovem farmacêutico do Cairo, vendeu tudo, deu-o aos pobres e foi para o deserto: Matta El Meskin (1909-2006). Seguindo seus passos, milhares de jovens mergulharam no deserto e repovoaram dezenas dos antigos mosteiros. A perseverança dos cristãos coptas gerou comunidades fortes, decididas, corajosas frente às oposições. São 10% da população do Egito, 8 milhões de cristãos.

Foi nessa Igreja que, no dia 15 de fevereiro de 2015, 21 homens de El Minya, na maioria entre 20 e 30 anos, testemunharam a fé derramando seu sangue: Milad, Abanub, Maged, Yusuf, Kirollos, Bishoy e seu irmão Somaily, Malak, Tawadros, Girgis, Mina, Hany, Bishoy, Samuel, Ezat, Loqa, Gaber, Esam, Malak, Sameh e um operário do povoado de Awr.

Para ajudarem no sustento da família, imigraram numa cidade da vizinha Líbia, onde trabalhavam. Ali foram presos por integrantes do Estado Islâmico (EI) e levados para a provação final. Esses fanáticos aprendem a arte de degolar degolando cabras, pois o ódio deve manifestar também competência. Revestem seus prisioneiros com túnicas alaranjadas e eles vestem túnicas e capuzes negros. Filmam o rito de suas execuções para que sejam difundidas pela Internet: um pequeno discurso atacando o Ocidente e os cristãos, postam-se atrás da vítima, com uma mão erguem o queixo e com a outra cortam-lhe a garganta.

Os 21 mártires cristãos coptas

Trabalhador, sereno na hora do martírio

Trabalhador, sereno na hora do martírio

Os coptas que assistiram ao vídeo da execução ouviram com clareza que esses jovens pronunciaram o Nome de Jesus antes que a navalha lhes roubasse a voz. O Nome de Jesus salva e foi esse Nome que lhes tirou o medo. Suas faces conservam a serenidade e ocultam a dor de deixarem suas famílias. Nenhum deles apostatou, na tradição de fidelidade própria dos coptas que aprenderam a alegria de viver e morrer como cristãos. Para que não paire dúvidas a respeito da fidelidade à fé cristã até o final, no momento do Batismo o copta recebe no pulso a tatuagem de uma cruz para que, se não puder falar ou expressar a fé, o sinal da cruz é a garantia de sua perseverança.

Beshir Kamel, irmão de dois egípcios decapitados – Bishoy, 25 anos, e seu irmão Somaily, 23 anos –, explicou que esta violência do EI “ajudou a reforçar a fé” dos coptas no Egito. Também comentou que sua mãe, uma sexagenária sem instrução, perdoou o assassino de seus filhos: “Minha mãe disse que ela suplicará a Deus para que a deixe entrar em Sua Casa, pois ele permitiu a seus filhos entrar nas Mansões eternas”.

Tawadros II, Papa da Igreja copta, ao ver que os jovens invocaram o Nome de Jesus antes da morte, incluiu os 21 nomes no Synaxarium, equivalente ao Martirológio romano, significando sua canonização, com a festa fixada para o dia 15 de fevereiro de cada ano. Por que logo canonizar? Aqueles simples trabalhadores, no momento em que iam sendo trucidados invocaram o nome de Jesus Cristo e a ele se confiaram.

Com sua morte, os 21 trabalhadores foram causa de unidade entre as grandes Igrejas: de Moscou a Kiev, de Constantinopla a Canterbury, os arcebispos e patriarcas manifestaram os mais fraternos sentimentos de dor e edificação a Tawadros II.

E Francisco, o Papa de Roma, abriu o coração e, sem perguntas doutrinais, fez um gesto nunca ouvido ou visto: comemorou numa Eucaristia católica cristãos de outra confissão: “Ofereçamos esta Missa pelos nossos 21 irmãos coptas, decapitados pelo único motivo de serem cristãos … rezemos por eles, que o Senhor os acolha como mártires, rezemos por suas famílias, pelo meu irmão [o patriarca copta] Tawadros que está sofrendo muito”. Foram palavras de grande intensidade espiritual, e a evocação da palavra “martírio” não é casual: aqueles simples operários a Jesus se entregaram, não renegaram sua fé, que foi o único motivo da morte violenta. Os algozes não perguntaram o nome de sua Igreja, quais suas crenças, doutrinas, ritos, mas apenas o objeto de sua fé: Jesus Cristo.

Papa Francisco concretizou o gesto do ecumenismo do sangue, do martírio. Aqueles homens eram simplesmente “cristãos”, discípulos de Cristo, por quem deram a vida. Chamando-os de mártires, Francisco canonizou-os com a Igreja Copta.

Lembro aqui um outro acontecimento da Igreja, a Celebração Ecumênica das Testemunhas da Fé no Pentecostes do Ano 2000. João Paulo II desejou celebrar os mártires de todas as confissões cristãs e o fez numa emocionante celebração diante do Coliseu em 7 de maio de 2000. Seu desejo era que fosse a Celebração dos Mártires da Fé cristã, mas o Cardeal Ratzinger fez-lhe chegar a observação de que, usando a palavra “mártir”, estaria canonizando a todos. Pelo bem da exatidão, optou-se pela palavra “Testemunhas”. Mas, em outro ponto manteve-se firme: os 11 bispos de El Salvador fizeram-lhe chegar o pedido para que não incluísse o nome do mártir Dom Oscar Romero, pois ele tinha sido uma das causas da violência em El Salvador. João Paulo II não perdeu tempo: incluiu o nome de Dom Romero e citou-o na oração da Coleta…

Francisco é um homem que vive a liberdade cristã: como não fazer seus os mártires das Igrejas cristãs, como não invocar aqueles, não católicos romanos, que morreram por serem cristãos?

Jesus acompanha os 21 trabalhadores coptas - WAL MORIES

Jesus acompanha os 21 trabalhadores coptas – WAL MORIES

O Espírito fala pelos artistas

Pela rapidez dos meios eletrônicos de comunicação, correu e corre mundo um desenho do jovem artista egípcio, Wael Mories: os trabalhadores vestindo a túnica alaranjada caminhando junto com os algozes e, à frente, Jesus caindo por terra carregando a cruz, também ele com a túnica alaranjada. Os trabalhadores caminham firmes, e somente Jesus cai por terra: faz sua a dor de todos eles que morrerão por ele, e sofre intensamente o sofrimento deles. Solidário, não resiste e, quem sabe, pergunta: “Onde estás, ó homem? Onde está tua humanidade?” Foi a mesma pergunta que Francisco fez no Yad Vashem, em Jerusalém, recordando as vítimas do Holocausto judeu.

E outro artista egípcio, Tony Rezk, desenhou o ícone dos Mártires e que será a imagem a ser contemplada na Liturgia copta. Rezk desenhou os 21 homens com túnicas alaranjadas e estola vermelha, os Anjos e o Senhor também com a estola vermelha. A partir do Reino da glória Jesus lança as 21 coroas com que os dois Anjos coroam os mártires. Todos têm o mesmo rosto de Cristo, mas há um de cor diferente: é o trabalhador sudanês, de rosto mais escuro.

Quando a força do mal parece proferir a última palavra, a graça continua o caminho da vitória, pois o sangue dos mártires é semente de novos cristãos.

Pe. José Artulino Besen

, ,

Deixe um comentário

SÃO JOÃO XXIII – O DULCÍSSIMO PAPA CAMPONÊS

papa-joao-xxiii-2

No dia 28 de outubro de 1958, o Cardeal Patriarca de Veneza Ângelo Giuseppe Roncalli foi eleito papa. Após as homenagens dos cardeais, da Cúria romana, da apresentação ao povo reunido na Praça de São Pedro, dos cumprimentos de familiares e amigos, a noite já ia avançada. Então o fidelíssimo secretário Loris Capovilla lhe pergunta: “Ocorre-lhe mais alguma coisa, enviar algum telegrama?”, e João XXIII responde singelamente: “Agora, façamos a coisa mais simples, meus filho. Tomemos o Breviário e recitemos Vésperas e Completas . Assim foi a vida do Papa canonizado em 27 de abril de 2014. Ocupou os mais altos e significativos postos nos serviços da Igreja, mas nunca perdeu a unidade interior. Em nenhum momento achou que merecesse alguma honraria, pois elas eram sempre fruto da bondade da Igreja. O importante, para ele, era cultivar a alma, a santidade, cumprir seus propósitos de vida formulados durante os Exercíos Espirituais em 1895, no Seminário de Bérgamo e escritos nos cadernos do DIÁRIO DA ALMA . A última anotação no DIÁRIO foi em 20 de maio de 1963. Morreu no 3 de junho seguinte.

Filho de camponeses pobres e de sólida formação cristã, duas pessoas ficaram em sua memória espiritual e humana: o vigário Francisco Rebuzzini e o tio Savério que lhe ensinou as primeiras orações e princípios de vida cristã. Dava-lhe muita alegria observar os dois homens conversando e rezando enquanto caminhavam perto da casa paroquial de Sotto il Monte, o humilde povoado onde nasceu em 25 de novembro de 1881.

João XXIII conservou sempre a fé simples e profunda dos camponeses bergamascos. Suas missões diplomáticas na Bulgária, Grécia, Turquia e Paris, o cardinalato e o supremo Pontificado não complicaram em nada essa fé que o comprometia diariamente e era a causa de sua felicidade e, nela, a humildade e o silêncio tinham lugar privilegiado.

Foi Píer Paolo Pasolini, o famoso poeta e cineasta italiano, que o apelidou de “Dulcíssimo Papa Camponês”. Pasolini estava em Assis em 4 de outubro de 1962, quando lá esteve João XXIII, que tinha empreendido a peregrinação ao Santuário de Loreto e a Assis a fim de colocar sob a proteção de Nossa Senhora e de São Francisco o Concílio Ecumênico que seria inaugurado no dia 6 seguinte. Na verdade, Pasolini estava em Assis para confirmar seu anticlericalismo, sua rejeição ao Papado, queria olhar nos olhos aquele Papa que olhou nos olhos os presidiários romanos, armado apenas de imensa e arguta piedade. Estava no hotel quando, ao som dos sinos, o Papa ia passar. Teve o desejo de levantar-se e o olha-lo, mas venceu e, inexplicavelmente, tomou o livro dos Evangelhos que estava no quarto e leu do início ao fim o Evangelho de Mateus. Quando João XXIII ia se retirando, Pasolini tinha pronto seu filme, o “O Evangelho segundo Mateus”, dedicado ao Papa . O filme é a reprodução literal do Evangelho de Mateus, o Evangelho das Bem-aventuranças.

Na história do mundo a vida de papa Roncalli confirmou o valor atraente da bondade evangélica, que conserva sempre um lugar de honra no Sermão da Montanha: bem-aventurados os pobres, os mansos, os pacíficos, os misericordiosos, os sedentos de justiça, o puros de coração, os atribulados, os perseguidos.

João XXIII não apreciava muitos os livros e artigos a seu respeito, que julgava exagerados, equivocados: “Somente o olhar do Senhor nos vê como somos, e é somente isso o que conta”, respondeu a Indro Montanelli, jornalista que teve o privilégio de entrevista-lo em 1959 .

O que é ser santo?

João XXIII morreu após a primeira Sessão do Concílio, em 3 de junho de 1963. Seria fidelidade à tradição canonizar o Papa que morresse durante um Concílio. E, ao final do Vaticano II, um bispo polonês se levantou para pedir que fosse canonizado ao final da Assembléia conciliar. Em seguida, mais dois arcebispos fizeram o mesmo: o cardeal Stefan Wyszynski e Karol Wojtyla, que foi canonizado no mesmo dia como São João Paulo II. Um, o Santo que veio do mundo camponês e, o outro, o Santo que veio da opressão do Leste europeu. Evidente que poderosos Cardeais da Cúria se opuseram a esse anseio, pois, canonizar João XXIII seria canonizar um modo demasiado humano de ser papa, e isso não seria conveniente.

Com apenas 26 anos, Ângelo Roncalli definiu o que é ser santo: saber anular-se constantemente, destruindo dentro e ao redor de si aquilo que o mundo elogia como causa de louvor; conservar viva no coração a chama de um amor puríssimo para com Deus, acima dos lânguidos amores da terra; dar tudo, sacrificar-se pelo bem dos próprios irmãos, e, na humilhação, na caridade de Deus e do próximo seguir fielmente os caminhos indicados pela Providência que conduz as almas eleitas no cumprimento da própria missão: está aqui toda a santidade. Roncalli foi fiel a esses princípios por toda a longa e movimentada existência. Vida pública e privada. Antes e depois de ser eleito papa. Eleito bispo e papa, escolheu como seu o lema do Cardeal César Barônio: “Obediência e Paz”, duas virtudes que lhe permitiram viver na alegria e na simplicidade e que tanto atraem os estudiosos de sua vida: “a nossa paz é a vontade de Deus”.

O padre Ângelo Giuseppe Roncalli

Em 10 de agosto de 1904 foi ordenado sacerdote, um padre à moda antiga, mas ancorado no terreno sólido da revelação cristã. Quis sempre ser um padre marcado com fogo pela familiaridade com Cristo, preocupado com nada além do nome, do reino e da vontade de Deus, sua alegria.

No dia 24 de maio de 1915 partiu para o serviço militar em Saúde. Estava vivendo o horror da primeira grande guerra. Na véspera escreveu em seu DIÁRIO: “O Senhor dispôs a minha última hora para o campo de batalha? Nada sei; a única coisa que quero é a vontade de Deus em tudo e sempre e a sua glória no sacrifício completo do meu ser”.

Todo o ministério era causa de alegria: recitava a Liturgia das Horas com grande alegria interior, celebrava cada Missa como que mergulhado dentro dela, em êxtase. Era no altar o que era fora do altar: “a pessoa do sacerdote é sagrada”, falou ao clero romano já como papa em 26 de janeiro de 1960. De sua vida de oração brotavam as palavras que dirigia ao povo. Para ele era claríssimo que a autenticidade e a fecundidade de seu sacerdócio dependiam essencialmente de sua santificação pessoal, de sua vida de comunhão íntima com Deus.

Alimentava profunda espiritualidade missionária, o ardente desejo de que todos os povos cohecessem a Jesus. Teve a alegria de trabalhar em Roma na Obra pela Propagação da Fé, entre 1921 e 1925. Mais tarde, escreveu que a “Obra da Propagação da Fé é a respiração de minha alma e de minha vida” . Em 3 de março de 1958, recordando a entrega do Crucifixo para um grupo de missionários no distante 1910, escreveu: “nas conversas e confidências com alguns dos anciãos que retornavam dos campos da evangelização, me sentia como que preso por uma edificação e ternura inefável, que ainda não despertava em mim uma vocação missionária, mas educava meu espírito à admiração por quem se sentia chamado e respondia correndo àquele caminho corajoso e misterioso”.

Após anos de serviço diplomático, entre 1925-1953, comentou que tinha sido um trabalho importante, mas sem comparação com a saborosa e serena alegria da ação missionária, do contato com almas e ambientes diversificados e interessantes que me introduziram num conhecimento mais profundo com o que se refere às orientações e esperanças do Reino de Cristo no mundo.

João XXIII em seu escritório

João XXIII em seu escritório

Os caminhos de Deus

Ordenado padre para o serviço direto com o povo, em 1925 foi chamado pelo Papa Pio XI ao trabalho diplomático, primeiro na Bulgária, depois na Grécia e Turquia e, enfim, na sofisticada Paris marcada pela humilhação da Guerra. Em 19 de março de 1925 foi ordenado bispo. Em comum, essas nações passavam pelas provações da política que humilha os pobres e busca dominá-los.

Até aqui, Roncalli tinha sido um culto e estimado sacerdote, secretário pessoal de Radini Tedeschi, bispo de Bérgamo, com doutorado em Roma, professor de história eclesiástica e de apologética. Descobriu, comentou, traduziu e iniciou a publicação dos 5 volumes das Atas da visita apostólica de São Carlos Borromeu a Bérgamo, em 1575.. Brilhante “carreira eclesiástica”, pode-se dizer.

Agora, sua missão primordial era atender às comunidades católicas búlgaras, gregas e turcas. Procurou ser bispo com coração de padre para seus sacerdotes, participando de seus Exercícios Espirituais, de sua pobreza.

Como bispo e delegado apostólico continuou sua vida sacerdotal e inicia um caminho que o levou à Nunciatura de Paris e ao Patriarcado de Veneza. Seu DIÁRIO DA ALMA não descreve recepções, encargos recebidos, publicações e honrarias: está preocupado com sua alma, com sua santificação, em participar com o proveito do Retiro Espiritual. O cuidado com os pobres, todos os pobres, toma boa parte de seu tempo. Os católicos eram exígua minoria em países ortodoxos e na muçulmana Turquia. O campo de apostolado germinou nele a consciência ecumênica e de diálogo religioso. Concretamente, quase nada conhecia do mundo ortodoxo, menosprezado e esquecido pelo Ocidente católico. A formação sacerdotal não tinha em conta essas comunidades. Isso foi nele contrabançado pela capacidade de encontrar cada pessoa, de conviver com todos. A unidade humana e cristã prevalecia: “Sentia-me irmão deles. Possuem a sucessão apostólica, recebi-os como bispos irmãos. É uma dor não poder ainda celebrar a eucaristia juntos, mas existe a amizade. Abençoamo-nos uns aos outros, um irmão abençoa o outro”, confessou anos depois. Atenágoras, Patriarca ecumênico de Constantinopla, aplicou a João XXIII a passagem evangélica “houve um homem enviado por Deus, cujo nome era João”.

Alargou os braços da Igreja, reunindo-os num sentimento comum, primeiro de estima, depois de veneração. Fortalecidos por esse afeto, durante o pontificado de João XXIII, os bispos ortodoxos visitavam-no nos tempos de opressão dos regimes comunistas, vinham com a confiança de filhos, filhos de uma Igreja irmã, a pedir socorro. Suas viagens a Roma era verdadeiras visitas ad limina Petri . Também como a irmãos foi seu relacionamento com o povo turco, muçulmano. Eram irmãos. Sua espiritualidade fez com que entendesse sempre mais o diálogo ecumênico e religioso como via pacis, via charitatis, via veritatis: paz-caridade-verdade.

A experiência deplomática e sacerdotal abriu-lhe os horizontes que levaram ao Concílio Ecumênico do Vaticano II. Acrescente-se a isso seu estar próximo das pessoas e o encontro com os mais pobres: ele nasceu de uma família pobre. Nos anos que vão de 1939 a 1945 fez o possível para socorrer as vítimas da guerra, de modo todo especial se empenhando na salvação de milhares de judeus ameaçados de extermínio. Era Núncio em Paris quando, em 1953, Pio XII o escolheu para Cardeal e Patriarca de Veneza. Estivera 28 anos fora de sua Itália e agora, para sua felicidade, era padre e bispo, podendo dedicar-se exclusivamente ao bem das almas. Por cinco anos foi o vigário de Veneza, abraçando a todos, católicos, não católicos, não-crentes. Estava feliz nessa missão, a cada dia se preparando espiritualmente para uma boa morte quando, em 28 de outubro de 1958, foi eleito Papa, escolhendo João como nome, e a missão de preparar os caminhos do Senhor.

Dia 27 de abril de 2014 - Com a presença de Bento XVI, Francisco canoniza João XXIII e João Paulo II

Dia 27 de abril de 2014 – Com a presença de Bento XVI, Francisco canoniza João XXIII e João Paulo II

Um Anjo com o nome de João

João XXIII continuou sendo o mesmo seminarista que seguia os propósitos escritos em 1895 nos Caderninhos que lia com freqüência para seus exames de consciência. As grandes recepções, o afeto que o mundo lhe consagrava, a fama, o Concílio, nada podia distraí-lo do cuidado com sua alma. Continuava a viver a devoção a Nossa Senhora, São José, São Francisco Xavier, recitando as orações diárias de sua juventude. Pode ser incluído entre as almas eleitas nas quais o pecado não conseguiu ter nenhuma influência.

Nunca, em nenhum dia, mesmo como Papa, esqueceu suas origens humildes, seu tio Savério, o povo de Sotto il Monte. Loris Capovilla, quase centenário e agora Cardeal, afirma : “Ângelo Giuseppe Roncalli, da infância ao final de sua vida terrena, foi sempre a mesma pessoa: um cristão que levou a sério as promessas batismais; um cristão que sacerdote primeiro, depois bispo, cardeal e Pontífice, viveu sempre no altar entre um livro, o da divina revelação, e o cálice que é compêndio celeste que nos faz filhos de Deus”.

O Cardeal Capovilla, agora residindo em Sotto il Monte, não aprecia que se identifique João XXIII com o apelativo “Papa BOM”, porque muitos o entendem em sentido até pejorativo como Papa Bonachão, que não enxergava a realidade, o mal presente no mundo, o mestre do bom humor. Não se pode folclorizar esse homem, o Papa do diálogo, do Concílio, do Ecumenismo, da Mater et Magistra e da Pacem in terris.

Papa Roncalli foi homem de princípios, de clara visão da realidade, rigoroso no seguir as normas, príncipe da paz nos conflitos da Guerra fria. Um Papa que introduziu na visão eclesial os “sinais dos tempos”, isto é, ser fiel à Igreja mas enxergando sempre os novos horizontes históricos, um homem alimentado pela esperança e não agindo com pessimismo, que conhecia as dificuldades e os obstáculos.

Para o cristão, a fé é anúncio de salvação, de conversão do homem às coisas de Deus e a missão do sacerdote é encorajar as pessoas a medir-se com as situações, a empenhar-se, a trabalhar. Era uma pessoa firmíssima que sabia que sem clareza não se realiza o diálogo e que falar com todos não significa ceder.

No final de setembro de 1962, menos de 15 dias antes da abertura do Concílio, os médicos diagnosticaram a doença que o levaria à morte alguns meses depois: um câncer que lhe provocava muitas dores. Em 11 de outubro, após a abertura do Vaticano II, confidencia ao secretário: “Durante a leitura do discurso olhava os que me estavam vizinhos e pedia ao Senhor que ele falasse a cada um dos presentes”. E à pergunta “Como se sente?”, respondeu “Com aquilo que hoje o Senhor me concedeu devo sentir-me bem”.

Alma de criança e de gigante, de camponês provado pelas glórias humanas, repreendeu Loris Capovilla que chorava seu fim de vida: “Por que chorar? Esse é um momento de alegria, um momento de glória”. Tinha vivido 82 anos a espera do encontro com o Senhor.

E o mundo inteiro chorou no dia 3 de junho de 1963, quando morreu João XXIII, a quem a Igreja venera e invoca com o nome de São João XXIII.

Pe. José Artulino Besen

NOTAS

  1. Saverio Gaeta. Giovanni XXIII – uma vita di santità. Milano: Mondadori, 2000, p. 200ss.
  2. Foi publicada nova edição em português pela Editora Paulus, em 2000. O DIÁRIO é o relato de seu caminho de santidade, da busca incessante de fazer a vontade de Deus. Ele mesmo escreveu: “A minha alma está mais nestas folhas do que em qualquer outro escrito meu”.
  3. Zizola, G. Giovanni XXIII. Sotto il Monte: Servitium Editrice 1998, , p.142-144.
  4. Montanelli descreveu suas impressões no Corriere della Sera de 29 de março de 1959.
  5. Nutria grande ternura pelo Pontifício Instituto das Missões-PIME e pela memória de seu fundador Dom Ângelo Ramazzotti, que gostaria de ver canonizado. Hoje, os padres do PIME conservam e alimentam a memória de João XXIII em Sotto il Monte.
  6. Kiril Plamen Kartaloff. La sollecitudine ecclesiale di monsignor Roncalli in Bulgária. 2014: Città del Vaticano. Entrevista com o autor por Antonella Pilia , em 28 de março de 2014.
  7. LUOGHI DELL’INFINITO, 7 di aprile 2014 – numero speciale.

1 comentário

%d blogueiros gostam disto: