DOM JOAQUIM DOMINGUES DE OLIVEIRA

Segundo Bispo e primeiro Arcebispo de Florianópolis

Dom Joaquim Domingues de Oliveira em 1914

Dom Joaquim Domingues de Oliveira em 1914 - Segundo Bispo e primeiro Arcebispo de Florianópolis

Dom Joaquim é o nome que praticamente se confunde com o da Diocese e depois Arquidiocese de Florianópolis. Vamos encontrá-lo pastoreando o rebanho de 1914 a 1967. Atravessou a Ia. Guer­ra Mundial, a crise nacional pré-getulista,o Estado Novo, a 2a. Guerra, a redemocratização, o Golpe militar de 1964, o Concílio Ecumênico. Encontrou um Estado catarinense rural e viu-o paulatinamente se industrializar. Entravam e saíam governantes, entravam e saíam Vigários, o povo crescia e mor­ria, e Dom Joaquim continuava. Acolheu seminaristas que depois ordenou sacerdotes, bispos, viu-os envelhecendo, morrendo, e o Pastor continuava a “presidir com solicitude”, seu lema Episcopal.

Encontrou uma Diocese nascente, viu nascerem as Dioceses de Joinville, Lages, Chapecó, Tubarão, para cuja criação deu os passos exigidos e viu a Diocese ser Arquidiocese em 1927. Criou Paróquias, desativou outras, aumentou consideravelmente o número de Capelas que viu serem fundadas, crescerem e serem elevadas a Paróquias. E o Pastor continuava.

Foram 53 anos de ininterrupto pastoreio à frente da grei que conhecia como a mãe conhece os filhos. Deu-lhe o ensinamento, o caminho a seguir e, para sua surpresa, viu que caminhava adiante, fugindo das lições aprendidas. É que os tempos avançavam, a História não parava e, quem sabe, o Pastor não conseguira acompanhar as ovelhas nas novas estradas. Sofria com o que lhe parecia rebeldia, padecia com o que lhe dava impressão de ser um corte na própria instituição eclesiástica. Ele estava ficando fora do tempo: quase nonagenário, não conseguia mais acelerar os passos de uma caminhada histórica cada vez mais frenética.

E falece, a 18 de maio de maio de 1967, Dom Joaquim Domingos de Oliveira, sepultado’ na Igreja Catedral que reformara em 1922, para os festejos do Centenário da Independência, Igreja-Mãe onde por mais de meio século celebrara Eucaristia, ministrara a Crisma, proferira inúmeros sermões, carinhosamente  preparados, estudados, no mais lídimo portu­guês setecentista. Sermões antes pesquisados, meditados, esquematizados, depois datilogra­fados na sua velha máquina, de pé mesmo, da­quela sua grande altura sacerdotal, intelec­tual, pastoral, mas pequena fisicamente. De pé mesmo, para não se cansar na cadeira, pa­ra não ficar corcunda. Sempre erguido fisicamente, desconhecendo doenças. Mantendo uma saúde invejável à custa de exercícios físicos, encostado à parede, capinando a pequena horta e belo jardim , diariamente espanando aquele Palácio que era a sua residência familiar, sempre vestido com um avental agora guardado no Museu de Azambuja, que inaugura­ra em 1960, avental sobreposto às vestes episcopais, “monitum et praesidium do Bispo”, assim corno a batina era o “sinal e a proteção” do padre, que nunca deveria abandoná-la, como que identificando-a com o próprio sacerdócio. Vestes episcopais solenes, mas pobres, cobrindo calças, camisas e meias remendadas, vestes vistosas mas humildes, velhas, ciosamente conservadas assim corno conservara o patrimônio religioso e cultural de sua Igreja, ela, a única porta e casa de salvação para a humanidade, resposta única e imutável para todos os problemas da humanidade.

Vestes e aparências solenes que encobriam extrema pobreza, que ignorava a infla­ção, que não sabia mais o custo das coisas, mantidas com frugais refeições, costumes só­brios. Solenidade que podia dar a aparência de ostentação, de riqueza, num homem que morre praticamente sem nada, num Palácio solene mas com ameaças à própria segurança, que dormia com uma mesa cobrindo a cama, ameaçado por pedaços de estuque que caíam do solene teto. Uma riqueza presumida mas resumida à alguns velhos cru­zeiros e velhas notas provisórias vencidas.

Uma solenidade que se manifestava .na exigência inconteste de respeito, de honra primeira e total à autoridade eclesiástica, sem concorrente no mundo político. Tudo num homem que considera­va o Episcopado superável apenas pela Maternida­de divina de Maria e pela Encarnação do Verbo: “Deve o Bispo ser pobre, mas que haja toda uma realidade exterior para engrandecer-lhe a honra e o poder.”

Os que foram aos seus funerais, coroados solenemente pelos acordes infinitas vezes ouvidos do “De cristãos esta Coorte”, o Hino da “sua” Arquidiocese, recordaram aquela figura baixinha ~ mas exigente e intransigente, que por 53 anos  transpusera os limites da Capital para as Visi­tas Pastorais, primeiro a todo o Estado, depois ao de sua Arquidioce. Andara a cavalo, de char­rete, de barco, de automóvel, de avião. Milhares de quilômetros percorridos para visitar o rebanho, para ministrar-lhes a Crisma, dar-lhes a Eucaristia, proferir-lhe o Sermão, já levado pronto. Sermão tão importante e tão acariciado que não hesitara em mandar o motorista retornar de Angelina à Capital para apanhá-lo. Era aquele o Sermão que deveria proferir, sem ser possível outro, sem poder improvisar. Pregar era missão por demais séria para um Arcebispo improvisar. Nem to dos – talvez a maioria – conseguiam compreende-lo. Era uma linguagem muito alta para um reba­nho tão humilde! Era, porém, a doutrina da Iqreja, explicação da Escritura tão prezada nos infatigáveis e contínuos estudos.

As Visitas Pastorais: Epopéia, sempre nova, mesmo que repetida ao longo de meio século.A conversa com o povo, a visita aos Livros Paroquiais, a inspeção na administração, olhando, sem transigir em nada do lhe que parecia transgressão à Lei da Igreja. Conselhos ao povo, ao Vigário.

Nada permitia que escapasse ao seu controle, mesmo humanamente sabendo que isso acontecia. Podia-se recordar sua exigência de respeito ao patrimônio eclesiástico, de respeito à língua vernácula, de nacionalismo alegre e cooperador, que tantas confusões lhe arrumara com os Padres alemães e italianos, com os imigrantes e seus descendentes, que às vezes se esqueciam de que estavam no Brasil e que deveriam ser brasileiros, começando pela língua e pelo apredizado do hino nacional. Como sofrera daquela vez, numa Capela do Sul , quando as crianças lhe cantam, no dia 7 de setembro, o Hino da Itália, e lhe declamam versos em italiano. Dom Joa­quim assumira plenamente a nacionalização, necessária sim, mas conduzida por meios talvez nem sempre humanamente compreensíveis: ­Por esta “nacionalização” não hesitou em depor todos os diretores estrangeiros de Escolas e Colégios religiosos, em 1917. Não poupara controvérsias, e mesmo intrigas, com os padres alemães e italianos, que para cá vieram como novos Apóstolos.

Mas ali estava o velho Arcebispo, ali estava o jovem rebanho. Participando de uma Igreja arquidiocesana que organizara em três sínodos Diocesanos (1919, 1925, 1951) que tinham, os primeiros, a finalidade de reestruturar a pastoral de acordo com o no­vo Código publicado em 1917. O terceiro fa­zia parte das solenes comemorações dos seus 50 anos de sacerdócio. Um sacerdócio que frutificara, que se multiplicara. Para sua formação fundara dois seminários: em 1927 o de Azambuja e em 1941 o de São Ludgero. Chegavam tarde, mas antes não tinha sido possível. Azambuja dele recebe todo o carinho, é a sua obra mais importante.Uma Azambuja  que não se restringe ao Seminário: é o Hospital (que recebe novo prédio), é o Santuário (novo e imponente), é a Gruta, o Morro do Rosário, o Al­moxarifado, o Asilo, a Fazenda, é o novo Seminá­rio que ele inaugurou em 1964, no 7 de setembro que celebrava os 50 anos da posse em Florianópo­lis.

Um Seminário que conduz no maior rigor e seriedade. Uma casa cuja pedagogia não conhece panos quentes, tergiversações. A Igreja existia há dois mil anos: não precisava perguntar a ninguém se devia mudar. Tudo já estava estabelecido. Bastava ler, para conhecer os caminhos. O seminarista era preparado para ser homem de Igreja. Longe os ares da renovação conciliar:

O Concílio: participou da primeira sessão de 1962. Não retornaria. Escandalizava-o a discussão. Achava até blasfêmia o questionamento de afirmações que ele aprendera e repetira, na prática eclesiástica, por cinqüenta anos.  Chegou a pensar que o tinha ultrapassado.

Velho, mas não cansado, precisava o povo que ele recebesse um auxiliar. Algo que ele pensava ser desnecessário. Mas vem, primeiramente, Dom Felício César da Cunha Vasconcellos OFM em 1957. Não lhe foi fácil ser ajudado, ele, o Pastor incansável no trabalho. Não lhe era compreensível alguma coisa ser decidida fora dele, acostumado a tudo centralizar. Mas aceitou. Também ele deveria praticar a obediência que sempre exigia como a grande virtude do cristão.

Dom Felício vai para Ribeirão Preto em 1965, nomeado arcebispo metropolitano e ali falece em 1972 com fama de santidade.

Dom Joaquim acha que pode continuar sozinho, pois a doença não o atinge. Assim não pensam a Santa Sé e o Clero, ansioso este por uma urgente re­novação nos moldes pedidos pelo Concílio. Muita coisa tem que ser feita longe do Arcebispo. Experiências são realizadas a partir do Estreito, longe da Ilha onde habitava o Arcebispo, ilha­do ele mesmo num mundo que não mais existia, num mundo novo que desconhecia. Era o mundo da JOC, da JEC, da JUC, da Ação Católica, que ele abominava na suspeita do comunismo infiltrando se por qualquer fresta que o Pastor, num momento de distração, pudesse deixar surgir. Presidir com solicitude já era estar atento para que ne­nhuma mudança acontecesse.

Mas, a arquidiocese precisava de alguém que o ajudasse na renovação. E este veio na pessoa de Dom Afonso Niehues, que em 1927 ele acolhera no recém-fundado Seminário de Azambuja , que em 1959 ordenara Bispo Coadjutor de Lages. Dom Joaquim aceitou, mas com dor. O velho Arcebis­po não se dava conta de que envelhecera no tempo, na História, no físico.

Memorável o 30 de dezembro de 1965: Dom Joaquim entrega o Governo efetivo da Diocese  a Dom Afonso, Arcebispo Coadjutor e Administrador Apostólico “sede plena”. Praticamente mantinha o título. No Ginásio “Charles Edgar Moritz”, lotado pelo Clero, Religiosas, Autoridades e o Povo, faz um minucioso relato de seus já 51 anos de pastoreio. Enumera as obras pastorais, administrativas, materiais. Um grande elenco a demonstrar o infatigável empenho com que desenvolveu o Ministério Episcopal, assumido de coração no dia 26 de março de 1914,  dia de sua eleição.

Neste momento Dom Joaquim recordava     a singela cerimônia de ordenação episcopal na Capela do Pio Latino, em Roma, no longínquo 31 de maio de 1914. Na mesma Cidade Eterna onde cursara Direito Canônico, obtendo o Grau de Doutor. Eram os Cânones sua grande paixão inte lectual. Conhecer bem a Lei da Igreja para fiel sempre lhe ser.

O ancião, resignado mas não abatido, cheio de trabalhos mas não cansado, recordava a infância em São Paulo, sua cidade após seus pais, Domingos de Oliveira Beleza e Joaquina da Silva Mota, terem emigrado da terra nata1, Vila Nova de Gaia, em Portugal. Lá nascera a 4 de dezembro I 1878.

Brasileiro por adoção, foi no Brasil que recebeu sua formação: estudos primários em escolas públicas, secundários no Liceu Sagrado Coração de Jesus, dos padres salesianos. Por ultimo, no Ginásio Paulista. Terminados os estudos se­cundários, fez os exames preparatórios no Curso da Faculdade de Direito de São Paulo e matricu­lou-se na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro. Mais por vontade do pai. Sua vocação era outra. E vai segui-la matricu1ando-se em 1898 no Seminário Episcopal de São Pau1o. Aí mesmo recebeu a ordenação sacerdota1 em 21 de dezembro de 1901. Em seguida é nomeado Professor do Seminário e Cape­lão. Terminados os estudos em Roma, retornou ao Seminário Episcopal, sendo simu1taneamente Diretor Espiritual no Colégio Arquidiocesano. Em 1910 é Cônego da Catedra1, assumindo o cargo de Secretário do Cabido. No ano seguinte, Secretário do Arcebispado. Sacerdote é conhecido como estudioso, pregador e apo1ogeta, defensor acér­rimo da Igreja.

Foi neste ministério que a Santa Sé o elegeu Bispo de Florianópolis.

Recorda o 7 de setembro de 1914, dia de sua posse. As autoridades, o povo carinhoso, o Clero. Era um Bispo decidido, jovem em seus 35 anos. Viera para trabalhar, e traba1hara.

Ao relatar seu vasto e rico pastoreio tem a consciência do dever cumprido. Presidira com solicitude. Deseja que Dom Afonso seja feliz na Arquidiocese.

Terminadas as cerimônias, vai ao Palácio. Ali, na oração e no estudo, relendo e organizando materiais de seu Arquivo, prepara-se para a despedida, ocorrida a 18 de maio de 1967. No sábado anterior assistira a um casa­mento. No domingo, fora à Trindade. O homem de trabalho trabalhou até os últimos dias.

Servo bom e fiel, podia estar feliz e tranqüilo de ter desempenhado a missão que a Igreja lhe confiara. Ali estava a Arquidiocese (desde 1927, as quatro outras Dioceses catarinenses. A semente crescera na unidade. A messe aumentara. Surgia uma Igreja pujante, pouco a pouco renovando-se para acompanhar os novos tempos. Não foi esta a sua missão. Outros a completam.

Nestes 100 anos do Bispado de Florianópolis, nada mais justo que a Arquidiocese recorde Dom Joaquim Domingues Beleza de Oliveira. Recordá-lo é retornar às raízes, é rever sua própria História.

Anúncios
  1. #1 por Geralda Feitosa em 26 de agosto de 2011 - 09:11

    Agradeço pela vida e pastoreio de DOM JOAQUIM DOMINGUES DE OLIVEIRA, por viver o apostolado, testemunhando o Evangelho no seu dia-a-dia, presidindo com solicitude essa Arquidiocese, num trabalho incansável, sua fidelidade a DEUS com amor filial a MARIA SANTÍSSIMA, o fiel seguidor de JESUS, tudo fez pelo bem da Igreja e da Humanidade. – Que NOSSA SENHORA, MÃE E RAINHA DO CLERO, preserve sua Santa Alma. Amém! – Grande abraço.
    Geralda Feitosa – Fortaleza-CE
    geralda.feitosa@yahoo.com.br

  2. #2 por Geralda Feitosa em 26 de agosto de 2011 - 09:15

    DEUS UNO E TRINO DE AMOR, obrigada pela vida sacerdotal e toda ação apostólica de DOM JOAQUIM DOMINGUES e que NOSSA SENHORA – MÃE E RAINHA DO CLERO, preserve sua Santa Alma. Amém!

  3. #3 por Ricardo Becker Maçaneiro em 19 de dezembro de 2011 - 08:05

    Estamos as vésperas do Centenário da ordenação presbiteral de Dom Joaquim.
    Que esta comemoração sirva para reflexão de nossos cérigos e seminaristas sobre a importância do sacerdócio e quem “quem é chamado a presidir (o povo) que presida com solicitude” (Rm 12,8).

  4. #4 por Sergio Belleza Filho em 23 de maio de 2017 - 13:39

    Quero agradecer ao Pe. José Artulino Besen por este maravilhoso texto que me trouxe muitas informações novas sobre a heróica história de meu tio-bisavô, D. Joaquim Domingues de Oliveira Belleza. Tive o prazer de conhecê-lo quando esteve algumas vezes em São Paulo, onde era ciceroneado por meu Pai, Sérgio D.O. Belleza que também nos levou, a mim, minha mãe Odette e meus irmãos à Florianópolis por ocasião das comemorações dos seus 50 anos de dedicação á comunidade católica de Santa Catarina. Sâo Paulo, 23 de maio de 2017 – Sérgio Domingues de Oliveira Belleza Filho

  5. #5 por Dolores Domingues em 17 de junho de 2017 - 22:55

    Fico muito feliz em conhecer a história de Dom Joaquim Domingues, um grande sacerdote que cumpriu sua missão, bom e fiel. Será sempre respeitado e reconhecido pelo seu amor ao próximo e sua fé em Deus.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: