SÃO SEBASTIÃO, SOLDADO DO IMPÉRIO

São Sebastião – Gerrit Van Honthorst

O lugar de nascimento de Sebastião foi Narbonne ou, como seus pais, a cidade de Milão, onde já era venerado no tempo de Santo Ambrósio, no século IV. Esta veneração, menos de um século após seu martírio, é a grande prova de sua existência, martírio e importância nas comunidades cristãs. Ambrósio, antes de ser bispo de Milão, tinha sido prefeito: venera em Sebastião um representante do Império ao qual tinha servido como soldado: Sebastião no tempo da perseguição, Ambrósio, no tempo da liberdade.

No Império romano, uma das carreiras mais importantes era a militar e isso tanto do ponto de vista econômico como de prestígio. Ganhava-se o sustento e a fama da coragem. Sebastião iniciou o serviço militar na Gália, importante província do Império. Ali havia uma pequena, mas corajosa comunidade cristã e nela o jovem soldado foi instruído e batizado.

Roma era o sonho de todo o cidadão do Império, era a Capital, quase divina, onde residiam os deuses, a cultura, o Senado e o Imperador. A cidade imperial foi o destino do soldado Sebastião, por volta do ano 283.

Aproveita a residência em Roma para confortar os cristãos duramente perseguidos e animar a perseverarem na fé aqueles que, sendo interrogados e ameaçados, estavam por fraquejar.

Marcos e Marceliano

Sebastião assistiu ao interrogatório e à condenação dos irmãos Marcelino e Marcos. Os dois jovens, diante dos apelos dos amigos e parentes, estavam por ceder ao culto aos ídolos. Sua fraqueza aumentou quando ouve os gritos de sua mãe e de seu pai. A pobre mãe, não entendendo a atitude dos filhos que aceitam a morte, rasgando as vestes e desnudando os seios, gemia:

Ó queridos e doces filhos, sou presa de uma miséria inaudita e de uma dor intolerável. Ah, que desgraçada sou! Perco meus filhos, que correm por vontade própria para a morte! Se os inimigos os tomassem de mim, eu perseguiria esses raptores no meio de seus batalhões; se uma sentença os condenasse à masmorra, eu iria quebrar a prisão, ainda que morresse por isso. Mas hoje aparece uma nova maneira de perecer: eles mesmos rogam ao verdugo que vibre seu golpe, desejam a vida apenas para perdê-la, convidam a morte a vir. Novo luto, nova miséria! Filhos ainda jovens entregam-se à morte, e pais infortunados, já velhos, são forçados a tudo presenciar.

Falava ainda a mãe desesperada quando chega o velho pai, carregado pelos empregados e, gemendo, gritava:

Meus filhos entregam-se à morte; vim lhes dar adeus, e tudo que havia preparado para me sepultar, ó desgraçado que sou!, empregarei para a sepultura de meus filhos. Ó meus filhos! Bengala de minha velhice, dupla chama do meu coração, por que amar a morte assim? Jovens que vêem tudo isso, venham aqui chorar meus filhos. Pais que assistem a esta cena, aproximem-se, impeçam-nos, não aceitem semelhante perversidade! Olhos meus, chorem até se apagar, para que eu não veja meus filhos decepados pela espada[1].

Marcelino e Marcos estavam com o coração dividido: de um lado, o amor a Jesus Cristo a quem tinham entregado a vida e, de outro, a dor de seus pais e amigos. Não há cena mais dolorosa do que ver os pais entre lágrimas e gemidos suplicando um favor!

Neste momento interveio Sebastião. Sabia ele muito bem o quão forte era a tentação dos jovens. Mas sabia melhor ainda que não valia a pena uma vida traindo-se o Salvador e Deus. Aproxima-se deles, lembra-lhes o que aprenderam, a graça do batismo, o único sentido da vida que é caminhar para a Vida eterna.

Saindo do meio da multidão, falou aos pais:

Nada temam, vocês não serão separados; eles vão para o céu preparar para vocês moradas de deslumbrante beleza. Desde a origem do mundo esta vida não para de enganar os que esperam algo dela. Ela engana os que a buscam, ela ilude os que contam com ela, ela mente a todos. Esta vida ensina ao ladrão suas rapinas, ao colérico suas violências, ao mentiroso suas espertezas. É ela que comanda os crimes, que ordena as perversidades, que aconselha as injustiças. Mas os contratempos são efêmeros, e essa perseguição que agora sofremos, se é violenta hoje, amanhã terá desaparecido: uma hora a trouxe, uma hora vai levá-la. Mas as penas eternas renovam-se sem cessar, a vivacidade de suas chamas nunca diminui, para sempre punir. Estimulemos nosso amor ao martírio. Quando ele ocorre, o diabo acredita obter uma vitória, mas não: quando captura, ele próprio é capturado; quando prende, ele é atado; quando vence, é vencido; quando tortura, é torturado; quando degola, é morto; quando insulta, é maldito”.

Neste momento a graça começa a agir através das palavras de Sebastião: Zoé, esposa do arquivista-mor Nicóstrato, muda há seis anos, arrependida caiu aos pés de Sebastião e logo recuperou a fala (também os mudos que Jesus curava recebiam, com a fé, a capacidade de falar). A força da palavra de um cristão desencadeia uma corrente de graças: o carcereiro Cláudio e 16 outros prisioneiros, entre os quais os pais de Marcelino e Marcos, manifestaram o interesse de conhecer o motivo da fé e da coragem de Sebastião.

Os dois irmãos não queriam a liberdade, pois desejavam antes a libertação total do martírio, irem logo contemplar a Deus face a face. Mas foram libertados e todos foram acolhidos na casa de Nicóstrato e ali foram instruídos e batizados pelo sacerdote Policarpo.

O triunfo da graça de Deus

Afligido por grandes enfermidades, Cromácio, governador de Roma quis pessoalmente conhecer o soldado Sebastião. Sebastião pediu-lhe para quebrar os ídolos, ao que Cromácio respondeu: Não faça isso. Deixe esse trabalho para meus escravos!. Sebastião discordou, pois via nisso uma possível tentação e disse: As pessoas tímidas temem quebrar seus deuses, e se o fizerem e forem feridas pelo diabo, dirão que é castigo porque quebravam seus deuses. Deste modo, ele mesmo quebrou as dezenas de ídolos.

Mas Sebastião percebeu que a conversão não era ainda sincera e que alguns ídolos estavam escondidos, o que foi confirmado por Cromácio. Tocado por suas palavras, converteu-se à fé cristã e, com a cura espiritual, recebeu também a graça da cura física. Para viver sua fé, renunciou ao importante posto de prefeito de Roma.

Fabiano, o novo prefeito da capital imperial, enfureceu-se pelo modo como respeitáveis cidadãos estavam abandonando os deuses do Império e decretou uma nova perseguição. O filho de Cromácio, Tibúrcio, também tinha recebido o batismo e pouco tempo depois foi decapitado, dando sua vida para obter a Vida eterna.

A ira caiu sobre os irmãos Marcelino e Marcos, novamente levados ao tribunal. Fabiano mandou que fossem amarrados a uma estaca, mas os irmãos, em vez de perderem a coragem cantaram: “Vejam como é bom e agradável irmãos ficarem juntos!”. Sentiam-se mais irmãos do que nunca. O prefeito pediu-lhes que renunciassem às suas loucuras cristãs, ao que responderam: Nunca fomos mais bem tratados!. Então Fabiano ordenou que enfiassem lanças em seus flancos e assim consumaram seu martírio após um dia de grande sofrimento.

Sebastião, soldado de confiança

Sebastião – mosaico do século VII, São Pedro in vincolis

O que fazia Sebastião em Roma? Era catequista, encorajador dos cristãos em momentos de dificuldade, mas era também homem do glorioso e invencível exército romano.

No exército romano, a legião de infantaria era composta de 6 mil homens e estava dividida em 10 coortes. Sebastião recebera o comando da primeira coorte, que era a que ficava mais à direita na primeira linha. O posto significava um sinal de confiança da parte das autoridades romanas e, além disso, indicava que havia cristãos em todas as esferas da vida romana, não sendo mais verdade a afirmação de que o cristianismo era a religião de gente “sem eira nem beira”, na afirmação de um escritor inimigo da fé cristã.

Era imperador Diocleciano (284-305), homem de grande autoridade e capacidade administrativa. Foi no seu tempo que o Império romano mais estendeu as fronteiras e, ao mesmo tempo, anunciava um período de problemas internos e externos. Tentando segurar a inevitável crise do Império, Diocleciano encetara diversas reformas administrativas e econômicas. Queria também reformar as consciências restaurando o culto imperial e dos deuses romanos. Decidido a pôr fim ao crescimento do cristianismo, em 24 de fevereiro de 303 publicou o primeiro Edito de perseguição, ao qual seguiram-se outros. Foi o mais feroz ataque do Império ao cristianismo, e também o último. Em 313 o cristianismo ganharia a liberdade, sob o imperador Constantino.

Ignorando a fé cristã de Sebastião, nomeou-o centurião de uma companhia de guardas pretorianos, grande honra, pois significava guardar o palácio imperial e a própria pessoa do imperador. Ali Sebastião não foi considerado tão estranho, pois se sabe que dentro do palácio havia cristãos, inclusive a mulher de Diocleciano Prisca e a filha Valéria. Numa população de 50 milhões de habitantes, pode-se calcular que os cristãos somavam de 7 a 10 milhões, entre eles contando-se as melhores forças morais do Império.

Prevendo tempos tempestuosos, o convertido ex-prefeito de Roma, Cromácio, decidiu transferir-se para a região italiana da Campânia, levando consigo um grupo de cristãos. Sebastião e Policarpo discutiram qual dos dois acompanharia o grupo, a fim de completar-lhe a instrução na fé cristã. O papa Caio (ou Gaio) decidiu que era melhor para a Igreja que Sebastião permanecesse em Roma.

Continua a perseguição aos cristãos

Diocleciano sempre atribuiu aos cristãos a culpa pelos problemas do Império sendo assim hostil a essa fé religiosa à qual atribuía as crises no mundo romano. Vimos que desencadeou nova onda de perseguições, a mais terrível e geral. Tanto o papa Caio como Zoé e Tranqüilino, pai de Marcelino e Marcos, esconderam-se no palácio imperial, nos aposentos do oficial cristão Cástulo. Descobertos, foram condenados à morte. Zoé foi pendurada pelos calcanhares sobre o fogo, morrendo sufocada pela fumaça e Tranqüilino foi apedrejado até a morte. Os outros cristãos, após longa tortura, foram lançados ao mar. Cástulo foi enterrado vivo.

Sebastião – Marco Zoppo – século XV

Sebastião foi acusado diante do imperador, que se queixou amargamente por ter-se sentido traído na confiança depositada. Sempre quis que você ocupasse postos elevados no meu palácio, mas você agiu em segredo contra meus interesses e insulta os deuses, queixou-se o imperador, ao que lhe respondeu Sebastião: Foi para sua salvação que honrei Cristo, e é pela conservação do Império Romano que sempre adorei o Deus que está nos céus.

Foi Sebastião entregue a um grupo de arqueiros da Mauritânia, para que se divertissem atirando flechas mirando em seu corpo. Amarrado a um tronco foi crivado de flechas e depois abandonado como morto para ser devorado pelos abutres, conforme o costume. Uma cristã, Irene, em segredo foi retirar o corpo de Sebastião a fim de dar-lhe sepultura digna e, para surpresa sua, viu que estava vivo! Recolhido, teve as feridas tratadas.

Poderíamos pensar que o ex-centurião da guarda pretoriana fugisse para lugares mais seguros, mas não foi o que aconteceu. Sebastião, livre agora de outros trabalhos, pôs-se a confirmar os cristãos na coragem de viver em tempo difíceis e levar outros a crerem em Jesus. Tendo recebido notícia de que Sebastião estava vivo e continuando a provocar os deuses, Diocleciano ordenou que o aprisionassem e condenou-o a ser espancado até a morte, decapitado e seu corpo lançado numa fossa.

Sabendo do ocorrido através de uma visão, a cristã Lucina descobriu onde estava o corpo, foi buscá-lo e sepultou-o no lugar chamado de “ad catacumbas”, na Via Ápia. Nessas Catacumbas, fora dos muros da cidade de Roma, em 288 tinham sido exumadas as relíquias dos apóstolos Pedro e Paulo. E ali, o apóstolo dos mártires foi também sepultado. Corriam os primeiros anos do século IV, talvez o ano 303-304, quando São Sebastião deu a vida por Nosso Senhor e tornou-se definitivamente soldado de Cristo.

Seu túmulo tornou-se local de culto cristão e, em 367, o Papa Dâmaso fez construir sobre ele uma igreja, até hoje local de muitas peregrinações.

Pe. José Artulino Besen


[1] VARAZZE, JACOPO DE: Legenda Áurea. Tradução de Hilário Franco Júnior. Cia. das Letras, 2003, pp. 178-182.

1 comentário

A LUZ QUE ILUMINOU A NOITE – NASCEU JESUS

Em Belém de Judá nasce o Salvador

Naqueles tempos apareceu um decreto de César Augusto, ordenando o recenseamento de toda a terra. Todos iam alistar-se, cada um na sua cidade. Também José subiu da Galileia, da cidade de Nazaré, à Judeia, à cidade de Davi, chamada Belém, porque era da casa e família de Davi, para se alistar com a sua esposa Maria, que estava grávida. Estando eles ali, completaram-se os dias dela. E deu à luz seu filho primogênito e, envolvendo-o em faixas, reclinou-o num presépio; porque não havia lugar para eles na hospedaria” (Lc 2,1-7).

Sinta a simplicidade desta cena acompanhando a descrição da vidente Teresa Neumann (†1962): vencendo as barreiras do tempo, teve a graça de poder contemplar estes dias decisivos da história humana, agora história divina pela presença real do próprio Filho de Deus: “José fala a Maria que, por ordem de César Augusto, deve partir para Belém, para o recenseamento do Império. Como deveria ser na cidade natal, partiria logo. Maria esperava o parto para os próximos dias, por isso a ordem era dolorosa. José achou que seria muito pesado para Maria e propôs ir sozinho. Maria respondeu que Deus ajudaria e se deveria obedecer às autoridades. Prepararam-se para a viagem.

Como animal de transporte e ao mesmo tempo cavalgadura pegaram uma asna, pois assim teriam leite. Colocou-se sobre ela a tenda cinzenta, juntamente com um cobertor cinzento de lã. O resto da bagagem foi pendurado no lado da asna, à esquerda um pacote que continha um cobertor de lã para José e, dentro dele, pão, frutas e um vestido quente para Maria. À direita havia dois pacotes: um menor, com uma coberta de lã que poderia ser cortada em pedaços para fazer paninhos; dentro dela, havia também blusinhas e paninhos para o bebê que estava para nascer. O outro pacote continha uma roupa quente para Maria e mais alimento. Horizontalmente, estavam fixados os três paus da tenda

Partiram pelas 6 da manhã de 22 de dezembro.  Maria montou no jumento, com os pés para a esquerda. José ia à frente puxando o animal pelas rédeas e tendo às mãos um bastão. Usava uma veste amarela e um manto marrom. Maria vestia um quente manto azul escuro, uma veste marrom avermelhado e um xale de lã amarelo sob o manto. O tempo era frio e chuvoso e as estradas estavam ruins e lamacentas. O dia de viagem foi bom. Pela noite, José armou a tenda e ali dormiram sobre as cobertas que tinham trazido.

23 de dezembro: Maria e José partiram pelas 5 da manhã. Viajaram sem parar até ao meio-dia. Para não cansar o animal, de vez em quando Maria andava um pouco a pé. Pelo meio-dia, Maria estava cansada. Ficaram felizes quando ao longe avistaram uma casa. Foram muito bem acolhidos por um casal idoso. Viram o estado de Maria, pálida, mas muito sã e lhes ofereceram comida quente. Seguindo adiante, dormiram a segunda noite num pequeno abrigo, pagando o alojamento.

24 de dezembro: pelas seis da manhã, a viagem prosseguiu. Pelo meio-dia o jumento, cansado, andava com dificuldade e numa pequena propriedade receberam pasto para ele. O tempo continuava chuvoso e frio. Ao anoitecer estavam às portas de Belém, que tinha então aproximadamente 1.100 habitantes. Já estavam acesas fogueiras pela estrada. Grandes pedras serviam de calçamento, e eram escorregadias. José entrou numa casa e Maria ficou segurando o jumento. José logo saiu, comunicando a Maria que não havia alojamento. Na próxima casa, a mesma resposta. José foi adiante e chegou à casa onde tinha nascido e na qual deveria se recensear. Muita gente, e por isso José deixou para o dia seguinte.

Maria pediu que José se apressasse pois sua hora estava chegando. Escureceu totalmente. A um homem gentil, José perguntou onde poderia se abrigar com Maria. Com pesar respondeu que não adiantaria procurar na cidade, mas disse-lhes para se dirigirem ao setor sul da cidade e, saindo dela, encontrariam uma estrebaria dele, onde consentiria que se instalassem. José acendeu o candeeiro para poderem caminhar e, finalmente, entraram na estrebaria, quando era oito da noite. Era construída junto a uma colina, junto a uma caverna que se abria na rocha. O teto era de madeira e igualmente as paredes laterais. Na parede direita, uma pequena janela. José amarrou o jumento num pau e mais tarde num outro pau perto do menino, para que o aquecesse. Pendurou a lâmpada no centro do teto. Em seguida preparou o leito para Maria e para si. Para Maria estendeu sobre a palha a tela da tenda e a coberta cinza de lã. Para si, uma coberta de lã e palha. Maria dormiria à direita do estábulo e ele à esquerda. O céu estava coberto de nuvens.

– 24-25 de dezembro: o nascimento de Jesus foi pela meia-noite do dia 24 para o dia 25. Pelas 23h Maria entra em êxtase. Permanece ajoelhada e com os braços cruzados sobre o peito. Pela meia-noite o Menino divino deixa o ventre materno que imediatamente se fecha. José tinha enchido uma manjedoura de palha: embaixo, palhas de trigo e encima juncos macios. Tinha um metro de comprimento e nela Maria colocou o neném, depois de enxugá-lo, envolvê-lo em paninhos, coberto com uma blusinha de manga comprida e de um coberta de lã. Depois rezaram, ajoelhados, cada um num lado. José com as mãos juntas e Maria com os braços em cruz. Quando Jesus nasceu o céu ficou limpo e cheio de estrelas”.

Um filho em Israel

Os judeus sempre consideraram os filhos como uma bênção: “Herança do Senhor são os filhos; o fruto do ventre sua recompensa”. O nascimento era o mais feliz de todos os acontecimentos. Toda a vizinhança era avisada e se preparava uma festa. O mais humilde dos casais sentia a alegria de proclamar com Isaías: “Um menino nos nasceu, um filho nos foi dado”. O primogênito era ainda mais motivo de festa pois seria o futuro da família e o herdeiro dos deveres e direitos, recebendo a herança em dobro.

As mulheres de Israel davam à luz com facilidade, rindo das egípcias que, para elas, faziam muita complicação. Havia parteiras, mas a mulher judia sabia se arranjar perfeitamente sem elas, como Maria o fez no estábulo. Maria deu à luz o menino, amarrou o cordão umbilical e o cortou.

O primogênito de Maria e José não teve a festa da vizinhança, dos parentes e amigos, das crianças de Nazaré. Estavam sozinhos, na noite de Belém, a mais luminosa de todas as noites. De jeito nenhum, o pai podia assistir ao parto. Ficava fora até que alguém lhe comunicasse a notícia. Então entrava e o colocava sobre os joelhos, reconhecendo oficialmente sua legitimidade.

Maria seguiu a tradição de seu povo: apenas a criança estava com o cordão umbilical amarrado e cortado, chamou a José que entrou, sentou-se e colocou o bebê em seus joelhos: o filho de Maria era também seu filho.

Transfigurada pelo momento que estava vivendo, emocionada ao ver José com aquela criaturinha indefesa, chorando, coberta pelos líquidos da placenta, Maria lhe fala: “José, meu Filho único, que será adorado por todos os anjos e por todos os homens, seria por todos desprezado como ilegítimo se não soubessem que tu és seu pai. Tu és meu esposo, tu és o pai de quem acabei de dar à luz. Nós viveremos seguros à sombra de tua proteção”.

Em seguida o menino foi lavado, esfregado com sal para endurecer a pele e enrolado em panos. Fazia frio em Belém.

O anúncio dos anjos aos pastores

“Havia nos arredores uns pastores, que vigiavam e guardavam o seu rebanho nos campos durante as vigílias da noite. Um anjo do Senhor apareceu-lhes e a glória do Senhor refulgiu ao redor deles, e tiveram grande temor. O anjo disse-lhes: ‘Não temais, eis que vos anuncio uma boa nova que será alegria para todo o povo: hoje vos nasceu na cidade de Davi um Salvador, que é o Cristo Senhor. Isto vos servirá de sinal: achareis um recém-nascido envolto em faixas e posto numa manjedoura.’ E subitamente ao anjo se juntou uma multidão do exército celeste, que louvava a Deus e dizia: ‘Glória a Deus no mais alto dos céus e na terra paz aos homens por ele amados!’

Depois que os anjos os deixaram e voltaram para o céu, falaram os pastores uns para os outros: ‘Vamos até Belém, e vejamos o que se realizou e o que o Senhor nos manifestou’. Foram com grande pressa e acharam Maria e José, e o Menino deitado na manjedoura. Vendo-o, contaram o que se lhes havia dito a respeito deste Menino. Todos os que os ouviam admiravam-se das coisas que lhes contavam os pastores” (Lc 2,8-18).

Nessa noite, num profundo silêncio, um menino nos foi dado, o Cristo Senhor. Quando o dia amanheceu, nova luz apagava as trevas, resplandecia o dia eterno.


Pe. José Artulino Besen

 

 

Deixe um comentário

DOM PIERRE CLAVERIE E OS 18 MÁRTIRES DA ARGÉLIA

Dom Pierre Claverie e os 18 Mártires da Argélia

No dia 8 de dezembro de 2018 a Igreja celebrará o martírio de 19 cristãos e os declarará bem-aventurados. A grande liturgia acontecerá na basílica de Santa Cruz em Oran, donde era bispo Dom Pierre Claverie. Pela primeira vez uma beatificação acontecerá num país 99% muçulmano, um grupo de mártires que incluirá Dom Claverie, os 7 monges trapistas de Tibhirine, 6 religiosas e 5 religiosos.

Na década da 1990, a Argélia foi mergulhada numa guerra com motivação religiosa: um movimento armado de islamitas se levantou contra o regime vigente para instaurar uma república islâmica, uma teocracia.  São contados 150.000 assassinatos entre os islâmicos e numerosos cristãos entre bispo, padres, religiosos e religiosas, que eram estrangeiros e tinham recebido ordens de deixar o país. Eram estrangeiros, sim, mas estavam bem integrados no mundo argelino.

Eram religiosas consagradas ao atendimento dos mais pobres, crianças, doentes inválidos, um trabalho de amor e dedicação sem nada pedir do que poder amá-los.

Durante os anos da guerra civil na Argélia, “o sangue cristão e o sangue muçulmano se misturaram, fazendo crescer a fraternidade”. Tornou-se um só sangue o dos adoradores de Deus/Alá.

Os grupos terroristas islâmicos lançaram campanha contra os estrangeiros residentes no país, especialmente contra os de nacionalidade francesa, e os lugares cristãos foram um dos seus principais alvos.

A comunidade monástica trapista da Ordem cisterciense de estrita observância

Apesar disso, os monges trapistas do mosteiro de Tibhirine decidiram permanecer devido ao forte vínculo de afeto que tinham com a população local. Na madrugada do dia 27 março de 1996, terroristas do Grupo Islâmico Armado (GIA) assaltaram o mosteiro e sequestraram 7 dos 9 monges que havia naquele momento, todos de nacionalidade francesa.

As negociações para trocar os monges pelos prisioneiros do GIA não funcionaram e, em 21 de maio de 1996, os terroristas anunciaram que tinham-nos decapitado. Suas cabeças foram localizadas em 30 de maio, mas seus corpos nunca foram encontrados.

Como surgiram esses monges? No ano de 1938 um grupo de monges trapistas franceses fundou a comunidade monástica de Nossa Senhora do Monte Atlas, em Tibhirine, Argélia. Situados num país muçulmano ocupado pela França, sem permissão de realizar conversões, esses homens de Deus tinham como sentido de sua presença estar junto dos muçulmanos, acolhê-los, conversar, colocar em comum os dons. E praticar a oração comunitária, tanto na intimidade monástica como com os irmãos que invocavam Alá.

Tudo isso não encontra explicações aos olhos do mundo, e nem de muitos cristãos. O martírio dos missionários, porém, é um dom, é uma experiência concreta do projeto de amor que Deus tem pela humanidade. O sangue que penetrou a terra argelina dela fará brotarem flores de paz. O sangue dos missionários é esperança de paz para o mundo.

Dois anos antes, em abril de 1994, o Irmão Lucas, monge médico, escrevera a um amigo, também médico, em Lyon: “É através da pobreza, do fracasso e da morte que caminhamos ao encontro de Deus”. O sete mártires do Monte Atlas, tão antigos e tão modernos, estavam disponíveis para condividir até a morte todas as alegrias e dores, angústias e esperanças, e a doar inteiramente a vida a Deus e aos irmãos da Argélia.

Dom Pierre Claverie, bispo de Oran

Dom Pierre Claverie, bispo de Oran

Em 1º de agosto de 1996, coube a Dom Pierre Claverie, bispo de Oran, também na Argélia, sofrer o martírio. Após celebrar missa pelos monges martirizados retornava à sua residência, no carro conduzido pelo motorista muçulmano Mohammed, quando uma bomba colocada na garagem explodiu, estraçalhando a tal ponto os dois corpos que tornou impossível distinguir-lhes o sangue. Entusiasta do diálogo cristão-muçulmano, Dom Pierre fecundou o amado solo argelino com sangue cristão e muçulmano, na demonstração de que o amor é forte, mais forte que a morte, que discussões religiosas.

As missões da Igreja obedecem à palavra do Senhor: “Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (Mc 16,15). O Evangelho, como tão evidente era para Paulo, não é uma doutrina, uma estrutura, concentrações, organizações: o Evangelho é uma pessoa, Jesus. Jesus que nos trouxe a Boa Notícia de que seu Pai é nosso Pai, e é Pai dos humildes, dos doentes, dos pecadores, dos perseguidos e perseguidores. Jesus é o narrador do Pai, o missionário é outro Jesus narrando o Pai. Aqueles missionários frágeis e fragilizados pelo ambiente eram a narração viva do Evangelho para os muçulmanos: “Querem conhecer aquele em quem nós cremos? Olhem nossa vida!”. A um repórter que perguntou aos cristãos argelinos a razão de sua missão, foi respondido: somos simplesmente cristãos.

Jesus, o pobre da Galileia, não pode ser anunciado coerentemente com meios ricos. Sua vida que narra o Pai somente é compreendida através dos meios pobres que são marcados pela cruz: a dor, o joelho dobrado em adoração, o silêncio, a oração, a contemplação, o jejum, a obediência, o sofrimento. Não permitem medições estatísticas, não dão manchetes, são marcados pelo silêncio humilde; são os meios preferidos de Deus, são os meios que tocam o coração de Deus (cf. J. Maritain, Filosofia da História, 1957).

Há sete séculos, afirmava Santo Tomás de Aquino: “O fruto da vida ativa é proporcional à plenitude da vida contemplativa”. Em outras palavras: sem a retaguarda da oração, a mais pobre dos meios pobres, a ação pastoral e evangelizadora nos deixará felizes, com a sensação do dever cumprido, mas não implantará no mundo o Reino de Deus.

Se a missão da Igreja se apoiar nos meios ricos da persuasão, da palavra bem falada, da autoridade impositiva, como já foi em outros tempos, causará impressão, será motivo de congratulações aos olhos do mundo, mas estará ocultando o Pobre de Nazaré, estará ocultando o Pobre Deus. Será inútil.

Talvez o Senhor não nos tenha concedido a graça da missão, do testemunho em terras distantes, mas nos dá sempre uma graça imensa: viver o Evangelho, ser Jesus em meio aos estrangeiros, revelar a face do Pai aos que nos cercam, aceitar a violência do desprezo, do ódio, da concorrência do sucesso.

Testamento do Irmão Christian de Chergé

Irmão Christian de Chergé

Como cristãos e cidadãos, viver a missão da paz e da reconciliação. Retornando ao Mosteiro do Monte Atlas, uma palavra escrita pelo Irmão Lucas às vésperas do sequestro: “Não penso que a violência possa extirpar a violência. Não podemos existir como homens a não ser aceitando fazer-nos imagem do amor como foi manifestado no Cristo que, justo, quis sofrer a sorte do injusto. A morte injusta de Cristo rompe a espiral infernal do ódio e dá vida a uma nova humanidade, animada pelo sopro do Espírito”.

São páginas de intensa vida mística o Testamento espiritual do Irmão Christian de Chergé, prior do mosteiro de Tibhirine, escrito em dois momentos:  em Argel, no dia 1º de dezembro de 1993, e em Tibhirine, no dia 1º de janeiro de 1994. Transcrevemos dois momentos: a aceitação do martírio e a oração por aquele que lhe provocasse a morte, a quem chama “amigo do último instante”.

Se algum dia me acontecesse – e isso poderia acontecer hoje – ser vítima do terrorismo que parece querer abarcar agora todos os estrangeiros que vivem na Argélia, eu gostaria que a minha comunidade, a minha Igreja, a minha família, se lembrassem de que a minha vida estava ENTREGUE a Deus e a este país. Que eles soubessem que o Único Mestre de toda a vida não me abandonaria nesta brutal partida. (…)

“Como posso ser digno dessa oferenda? Eu desejaria, ao chegar esse momento da morte, ter um instante de lucidez tal, que me permitisse pedir o perdão de Deus e o dos meus irmãos os homens, e perdoar eu, ao mesmo tempo, de todo o coração, aos que me tiverem ferido.”…

Por essa minha vida perdida, totalmente minha e totalmente dele, dou graças a Deus que parece tê-la querido inteiramente para a alegria, apesar de tudo. Neste ‘obrigado’, em que tudo está dito, agora, da minha vida, eu certamente incluo os amigos de ontem e de hoje, e vocês, meus amigos daqui, do lado da minha mãe e do lado do meu pai, de minhas irmãs e meus irmãos e dos seus, o cêntuplo dado como foi prometido! E a ti também, meu amigo do último instante, que não sabias o que estavas fazendo. Sim, também para ti eu quero esse ‘obrigado’, e este ‘A-Deus’ cara a cara. E que possamos nos encontrar, ladrões felizes, no Paraíso, se for do agrado de Deus, o Pai de nós dois. Amém! Im Jallah!”.

Pe. José Artulino Besen

Deixe um comentário

CELEBRAÇÃO DOS SANTOS E RECORDAÇÃO DOS FIÉIS DEFUNTOS

Escada de Jacó, nossa ponte para Deus (G. Cordiano).

«As coisas santas são para os santos», diz o presbítero na liturgia bizantina, antes da comunhão. E o coro responde: «Um só é santo, Jesus Cristo…». Um só é santo, é verdade, mas todos aqueles que a Eucaristia integra no corpo de Cristo participam dessa santidade. Todo ser humano, criado à imagem de Deus, tudo, penetrados pelo Espírito participam da santidade da existência universal.

No cristianismo das origens, cada comunidade era chamada «igreja dos santos», uma comunhão de redimidos/redentores chamados a orar, testemunhar, servir a fim de que se manifeste em cada ser e em cada coisa a ressurreição. A santidade é a vida finalmente libertada da morte.

Pouco a pouco tomou-se consciência de que alguns cristãos eram testemunhas mais eloquentes, primeiramente os mártires, depois os confessores da fé. Seus túmulos se tornaram lugares de peregrinação, sobre muitos deles ergueram-se igrejas com o altar sobre o túmulo. A comunidade que ali celebrava a Eucaristia queria testemunhar a mesma fé pela qual viveram ou deram a vida. No Ocidente, no ano de 835 foi fixada a festa de Todos os Santos para o dia 1º de novembro. Depois, fixou-se para o dia seguinte o «dia dos Finados»: os mortos são arrastados pelos santos, que sabem não existir mais a morte no Ressuscitado; os mortos são mergulhados no imenso rio de vida da comunhão dos santos.

Numa sociedade secularizada, como a nossa, a morte muitas vezes é ocultada e grandes figuras de santidade são distorcidas e acabamos com o sentido profundo de Todos os Santos. Ainda vamos ao cemitério, limpamos os túmulos, acendemos uma vela, depositamos algumas flores. A maioria nem reza. Mas, precisamos retornar à festa de Todos os Santos, porque ela nos traz, em sua riqueza, a memória dos mortos. Disse Jesus: “Eu sou a ressurreição e a vida” e, para ele os santos abrem caminho, pois se identificaram com o único ser vivo e puderam dizer: «Já não sou eu que vivo, é Cristo que vive em mim» (Gl 2, 20).

Os santos fazem circular o amor no corpo de Cristo, e sem dúvida no mundo inteiro que misteriosamente se torna eucaristia. Às vezes, enquanto rezamos por alguém que há pouco nos deixou, lembramos também de pedir-lhe que reze por nós. A festa de Todos os Santos abre nossos olhos para a santidade escondida em cada pessoa ou mesmo sobre a santidade da terra (e é por isso que amamos o Cântico das Criaturas de Francisco de Assis).

O corpo de nossos mortos, recordação de uma vida

Em dois de novembro, Comemoração dos Fiéis Defuntos, nos dirigimos aos cemitérios e com carinho acendemos velas nos túmulos das pessoas queridas. Pais recordam filhos que partiram, filhos recordam pais, esposos lembram os mortos, amigos pranteiam amigos: todos agora igualados pela morte, na expectativa da feliz ressurreição. Ver um túmulo nos pode desafiar a fazer o bem que aquela pessoa ali recordada fez, ou evitar, sem julgamento, a violência que essa pessoa criou ao seu redor. Recordar os artífices da justiça, da paz e da beleza, nossos ancestrais ou contemporâneos. O cemitério é a casa da memória, da gratidão, da reconciliação. Oferece-nos uma visão da fragilidade humana e um desafio à santidade a que somos chamados por nossa imagem e semelhança de Deus.

Espalha-se a cremação de cadáveres, iniciada no século XIX no ardor do ateísmo/panteísmo/materialismo e hoje muito especialmente em países secularizados. Decide-se por túmulos sem nenhuma identificação ou por espalhar as cinzas ao vento. Iniciamos dizendo que o Código de Direito Canônico, o Catecismo da Igreja Católica (n. 2301) e o Diretório sobre a Piedade popular não opõem obstáculos à cremação em si, mas quanto à motivação e ao destino das cinzas.

antonio-canova

Antonio Canova – Carita’ elemosina (Dijon Museum)

Muitas pessoas têm dificuldade de encarar a morte de seus semelhantes, pois quebra o ritmo ordinário da vida com a imagem de alguém que se ausenta. Na sociedade secularizada a morte é muitas vezes ocultada. Melhor encerrar tudo entregando o cadáver a uma empresa, para evitar o incômodo de um “morto”, por mais querido que seja. A cremação surge como um caminho breve. Mas, será que a cremação respeita o desejo dos parentes e amigos que gostariam de visitar a sepultura? Não estaria subjacente a negação da dignidade do corpo, em vida comunicador de vida, de afeto, de trabalho, de alegria? Em outros tempos previa-se até uma Missa do Cadáver, celebrada nas Faculdades de Medicina: unia-se ali a oração pelos mortos ao respeito pelos cadáveres que seriam objeto de estudo dos acadêmicos. Era o respeito pelos restos mortais de pessoas nem conhecidas.

A face mais delicada é a possibilidade interrompida da memória dos que nos precederam, negando aos descendentes a memória dos antepassados. Por que hoje se dá tanta importância à busca dos restos mortais das vítimas das guerras, dos genocídios, das vítimas da violência e das ditaduras? É o desejo sagrado de dar-lhes uma sepultura, um lugar de descanso. Veja-se a dor dos parentes das vítimas de acidentes aéreos: como dói não poder contemplar e sepultar os restos mortais de pessoas queridas!

Após o ato da cremação – geralmente feito com grande respeito – espera-se em casa a urna com as cinzas. Alguns as dispersam no mar, outros em um jardim, outros as guardam em casa. Psicólogos e sociólogos advertem: o rito da cremação quebra o rito do luto com a entrega dos restos mortais a uma empresa. Guardar as cinzas em casa cria um ambiente onde não se faz a distinção do lugar dos vivos e dos mortos, com um clima doentio de luto sem fim. A urna com as cinzas, guardada em casa, pode ser respeitada pelos parentes atuais. E no caso da venda do imóvel, anos depois, não haveria o perigo de se jogar tudo no lixo?

Talvez o lado mais grave do dispersar as cinzas ou conservá-las em casa seria o negar a memória pública dos que nos precederam. Uma sociedade caminha olhando os caminhos traçados pelos antepassados. O corpo de nossos mortos é relíquia venerável ou incômoda? Uma solução apresentada é haver nas igrejas, capelas de cemitérios, espaços onde colocá-las por algum tempo, até a superação natural do rito da saudade. E depois depositá-las nos locais públicos onde são inumados muitos falecidos.

Outro perigo é a transferência do rito do sepultamento para empresas que lucram com ofertas de cerimônias sofisticadas, mas que tiram o envolvimento dos familiares. Já existe mercado de luxo para velório, cremação de pessoas (e de animais de estimação). Aqui e ali se denunciam abusos: cremação de diversos corpos ao mesmo tempo, revenda das vestes, ornamentos e da própria urna. Se o morto é parte de um negócio, nada impede o mergulho no mundo da esperteza.

Nas orações diante de um morto lembramos a alegria trazida por aquele corpo, sua purificação pela água batismal, sua unção com o óleo do Crisma, sua alimentação pelo Pão eucarístico, agradecemos a Deus pelo instrumento de amor que foi e pedimos perdão se foi instrumento de ódio, violência, ou se foi maltratado pela fome, pelas misérias de nosso egoísmo.

É bom que aprendamos a lembrar, com a filósofa Simone Weil, que a maior graça que nos é dada é saber que os outros existiram. E que continuam a existir. A festa de Todos os Santos, iluminando a memória dos mortos, nos lembra que Cristo continua incessantemente a vencer a morte e o inferno. Um santo monge do Monte Athos afirmava: enquanto uma alma morar no inferno, aprisionada pelos muros da própria rejeição, Cristo estará com ela no abismo da morte, e com ela estarão todos os redimidos, a suplicar que também ela se abra à eterna festa de TODOS os Santos.


Pe. José Artulino Besen

 

1 comentário

SÃO PAULO VI E SANTO OSCAR ROMERO: SANTOS PERIGOSOS PARA TEMPOS DESAFIADORES

Santos Paulo VI e Oscar Romero

A canonização do Arcebispo Oscar Romero é a ponte que o Papa Francisco necessita para conduzir uma igreja universal presa no passado em direção a um futuro que irá purificá-la e alinhá-la com os pobres do mundo. E a união de Romero e do papa Paulo VI não é uma jogada de relações públicas para equilibrar um radical com um tradicionalista. Esses dois santos compartilharam um martírio que construiu a ponte que sustenta uma única trajetória, inspirada pelo Espírito Santo, que renovará a igreja e revelará novamente o mistério de Jesus como o motor da história. É uma história emocionante, e algumas figuras-chave ajudaram a acontecer.

Quando Romero foi assassinado em 1980, o jesuíta americano pe. James Brockman viu a necessidade urgente de uma biografia objetiva do arcebispo morto de El Salvador. Brockman, ex-editor da revista América, sabia que Romero tinha sido o foco de intensa controvérsia durante seu breve tempo como arcebispo. Ele também sabia que, apesar da aclamação quase unânime em toda a América Latina de que Romero era um santo, os revisionistas já estavam trabalhando para conter seu impacto. Seus críticos argumentaram que esse piedoso prelado conservador havia sido enganado por radicais de esquerda durante uma perigosa tendência ao marxismo que varreu a América Latina. Seu assassinato foi o resultado trágico mas previsível de sua intromissão na política e a abdicação de seu papel espiritual primário como bispo.

Atualizado em 1989, o livro foi complementado por diários pessoais em que Romero se angustiava com a crescente violência em El Salvador provocada por forças de segurança estatais, esquadrões da morte e grupos de oposição que tiraram centenas de vidas inocentes antes dos 12 anos brutais de guerra civil (1980-92).

Santo Oscar Romero

Dom Romero sofreu constante difamação na mídia e calúnias de quatro dos bispos do país alinhados com o governo e as elites ricas do país. O núncio papal alimentou um fluxo constante de relatórios negativos a Roma, acusando Romero de promover a chamada “teologia da libertação” e apoiar a revolução violenta.

Romero defendeu sua ação pastoral citando o Concílio Vaticano II e a aplicação de seus princípios à realidade vivida na América Latina por seus bispos, que se encontraram com o Papa Paulo VI em Medellín, Colômbia, em 1968, onde proclamaram a “opção pelos pobres” “e desafiaram as injustiças estruturais arraigadas que estavam causando pobreza e violência generalizadas na região.

Romero encontrou o apoio adicional da exortação de Paulo VI sobre evangelização,  Evangelii Nuntiandi , de 1975 , que pregava fortemente a libertação da opressão como parte integrante da missão da igreja. Apesar das ameaças de morte, da pressão de Roma e do fluxo de armas dos Estados Unidos para apoiar as forças armadas contra uma insurgência comunista, Romero permaneceu fiel pastor de seu rebanho até a sua morte em 24 de março de 1980, enquanto celebrava a missa num hospital em San Salvador.

A canonização sustenta heróis da fé que nos confronta com o que o teólogo Johann Baptist Metz chamou de “memória perigosa” do Cristo crucificado e ressuscitado, que interrompe a história em todas as gerações para convocar discípulos para ouvir a Palavra de Deus e mantê-la.

Outra testemunha crucial chegou a San Salvador em 1990, o jesuíta americano Dean Brackley, que permaneceu no corpo docente da Universidade Centro-americana pelo resto de sua vida, recebendo milhares de peregrinos e universitários norte-americanos, ousando lembrá-los da responsabilidade dos EUA por grande parte da violência na América Central, e pelo desesperado surto de violência, pelos refugiados fugindo para o norte.

Antes de morrer de câncer no pâncreas em 2010, Brackley mediu profeticamente a importância da canonização de Oscar Romero:

“É preciso suspeitar que, se Romero não fosse um bispo, ele poderia ter um caminho mais fácil para a canonização, porque nem todos na hierarquia católica se sentiam à vontade para apresentá-lo como um bispo a ser imitado. …

Romero modelou a “igreja dos pobres” que João XXIII pediu no início do Concílio Vaticano II. As conferências de Medellín e Puebla revelaram como essa igreja deveria se parecer na América Latina. Romero seguiu esse exemplo”.

A mensagem, no entanto, é universalmente válida: a igreja só será portadora de esperança credível para a humanidade se estiver com os pobres, com todos os que são vítimas do pecado, da injustiça e da violência. Se andarmos com eles, como fez Romero, incorporaremos as boas novas pelas quais o mundo tanto almeja. Não precisamos de uma igreja que nos convide a nos esconder dos horrores de hoje, a escapar dos problemas deste mundo, mas a suportar seus fardos.

Foi isso que Romero fez, inspirando inúmeros outros a colaborar com ele. Isto irá convidar a perseguição e incompreensão, mas essa é a marca da verdadeira igreja. Romero não procurou o que era melhor para a instituição como tal, mas o que era melhor para o povo. A longo prazo, isso é o que é melhor para a igreja também. A instituição que se esforça para salvar a si mesma se perderá mas, se se perder em serviço amoroso, se salvará.

Os 75.000 mártires da guerra civil em El Salvador, não viveram para ver Francisco, nosso papa latino-americano. Mas nas primeiras horas após sua eleição, Francisco invocou o sonho do papa João XXIII de uma “igreja dos pobres”, dizendo que gostaria de “uma igreja que é pobre e que seja para os pobres”. Agora é sua vez de sonhar com tal igreja, pastoreada por bispos com cheiro de ovelha, pastores servos e vibrantes paróquias cheias de discípulos que compartilham as “alegrias e esperanças, as aflições e ansiedades” do mundo moderno, especialmente jovens ardendo em chamas para viver uma vida autêntica.

São Paulo VI

Mas tudo isso seria apenas uma ideia se Romero não a tivesse vivido e um cauteloso Paulo VI não tivesse sofrido seu próprio martírio de difamação de progressistas e tradicionalistas, por insistir que a unidade da igreja era mais importante do que vencedores e perdedores depois do concílio.

A canonização sustenta heróis da fé que nos confrontam com o que o teólogo Johann Baptist Metz chamou de “memória perigosa” do Cristo crucificado e ressuscitado, que irrompe na história em todas as gerações para convocar discípulos para ouvir a Palavra de Deus e mantê-la.

Os  Santos Oscar Romero e Paulo VI fizeram isso em seu tempo. Seu testemunho não foi apenas cruzar a ponte do mistério pascal para um futuro diferente e necessário, mas que estão convidando a todos a segui-los.

Paulo VI abriu a missão da igreja para o mundo, para o mundo dos pobres; abriu o coração da igreja para a África, a Ásia, que viviam grande e até doloroso processo de descolonização. É quase impossível falar de evangelização sem citar Paulo VI na Populorum Progressio e Evangelii Nuntiandi, bússolas que indicaram o caminho de Santo Oscar Romero, Santo Oscar da América.

Hoje, 14 de outubro de 2018, a igreja apresenta ao mundo o que ela tem de mais precioso: seus santos. Sem eles, ela se reduz a uma instituição de muita ação ou de muitas cerimônias, mas sem apresentar ao mundo seu retrato que é o rosto de Jesus, multiplicado nos milhões de rostos de cristãos que testemunham sua fé, o sentido de sua vida como doação incondicional aos pobres.

Perante bispos de todo o mundo, Francisco destacou necessidade de deixar seguranças e riquezas para seguir Jesus Cristo. O Papa desafiou hoje a Igreja Católica a cruzar “novas fronteiras”, à imagem dos novos santos Paulo VI e Óscar Romero, canonizados hoje, deixando para trás riquezas e ilusões de segurança.


Pe. José Artulino Besen

 

1 comentário

%d blogueiros gostam disto: