JESUS, SENHOR DA MISERICÓRDIA

 

jesus

“Mulher, nem eu te condeno.
Vai e não tornes a pecar!”

(Mt 8,1-11)

Era uma prostituta. Tinha perdido o sentido da dignidade e vendia o corpo por prazer e por dinheiro. Alguns a desprezavam publicamente e, em  particular, a contratavam para o prazer. Outros a desprezavam como imprestável, escândalo para as pessoas de bem.

Num dia foi denunciada. A lei judaica era muito clara: toda prostituta pega em flagrante de adultério deve ser apedrejada. E lá estava a pobre mulher, tão pobre que não era dona nem do próprio corpo, esperando as pedras que a matariam e a cobririam como sepultura.

Jesus passa por perto. Vê a aglomeração, o entusiasmo dos que teriam o prazer de vê-la morrer. O que aconteceu?, pergunta o Mestre. Esta mulher foi pega em adultério e deve morrer!, respondem os circunstantes.

Jesus contempla os olhos dela. Sente a humilhação daquela desprezada agora, mas antes solicitada para o prazer. Jesus não poderia ir contra a Lei, mas lei maior era salvar a vida e a dignidade daquela mulher.

Sem nada dizer, se agacha ao lado dela. Um gesto pleno de significado: se Jesus ficasse em pé, a contemplaria do alto, com autoridade. Ela teria que olhar para o alto e se sentiria humilhada, pequena, mais condenada ainda. Mas não: o Mestre está junto dela, tinha-se abaixado. Somente quem desce até o que errou pode fazê-lo reerguer-se. Não se recupera alguém olhando-o com desprezo. Se olhamos os infelizes do alto de nossa felicidade, aumentaremos ainda mais sua infelicidade. Quando nos rebaixamos, não nos ergueremos sozinhos: alguém se erguerá conosco.

Para aumentar a curiosidade de todos, Jesus começa a escrever no chão, como quem não está preocupado com os acusadores. Depois ordena: “Quem não tiver pecado, atire-lhe a primeira pedra!”. Tocados pela recordação de seus erros, eles se retiram envergonhados, a começar pelos mais velhos, conforme está no Evangelho.

Todos se foram. Permaneceram Jesus e a mulher. Olhando-a com afeto, uma pergunta animadora: Mulher, ninguém te condenou?. Ninguém, Senhor!, responde a pecadora que começava a crer em si. Não estava sozinha no erro, sozinha não precisaria pagar pelos erros. Houve uma chance para os outros, haveria também para ela. Mas, permaneceu nela um receio: estava ali o Mestre, que ainda não se tinha pronunciado. Não atiraria ele a primeira pedra!?

Cheio de amor, Jesus a consola: Eu também não te condeno! Vai em paz! Não tornes a pecar! Os dois se erguem: ela renovada pelo perdão, ele tendo diante de si uma criatura renovada. Quando a bondade desce até a maldade, a maldade cede lugar à bondade.

E seguiram caminho. Não existia mais a adúltera. Agora caminhava uma mulher que acreditava em si, que recomeçava a vida. O perdão tinha destruído o que a impedia de viver. Ela conheceu um homem que era senhor, mas Senhor que manifesta o poder sendo misericórdia.

Pe. José Artulino Besen

  1. #1 por Ademar Arcângelo Cirimbelli em 9 de março de 2016 - 11:19

    Obrigado, Padre José por mais este belo artigo. Permita-nos que compartilhemos com nossos amigos de face.

  2. #2 por Carlos Martendal em 9 de março de 2016 - 15:58

    Obrigado, Pe. José Besen!

    Abraço amigo e fraterno,

    Carlos Martendal

  3. #3 por geliofilho@ig.com.br em 9 de março de 2016 - 23:29

    Boa noite!

    Gostaria de informar que tenho um novo endereço eletrônico: O que estou utilizando nesta mensagem será bloqueado pelo provedor (IG), dia 20/03 e por este motivo solicito a devida alteração em vossos registros, pelo que antecipadamente agradeço.

    Gélio Osório Filho

%d blogueiros gostam disto: