05 – VENHA A NÓS O VOSSO REINO

006Ao pedirmos ao Pai que “venha a nós o vosso Reino”, incluímos três realidades: o Reino de Deus, Jesus Cristo, a vinda final do Reino de Deus.

Os evangelhos insistem que o Reino de Deus está próximo e que a nossa resposta é a conversão e a fé. Por Reino de Deus entendemos a vida e o cosmos, toda a realidade vivida e respeitada segundo o plano divino, na recuperação do “tudo era muito bom” quando o Senhor terminou a obra da criação. A conversão ao Reino inclui nossa resposta vital à palavra de Jesus.

O Reino de Deus está próximo de nós através do Verbo encarnado, veio na morte e ressurreição de Cristo, vem na Eucaristia e, desse modo, está no meio de nós, e virá na glória quando Cristo entregar tudo ao Pai. Assim, ao mesmo tempo que pedimos que venha o Reino, nós o sentimos próximo, sabemos que já veio e esperamos a vinda final.

Devemos ter presente em nossa vida e oração que o próprio Cristo é o Reino de Deus, pois nele se realiza todo o plano do Pai. Caminhando pela Palestina, anunciando o Ano da Graça, Cristo é o Reino de Deus anunciado e vivido e assim, quando ele se refere ao Reino de Deus próximo está afirmando: ‘crede em mim, eu sou o Reino de Deus, minha Palavra é a palavra do Reino, minha obra é o Reino tornado visível na cura física, no pecador acolhido, no pobre alimentado, na paz obtida pela reconciliação, na morte vencida pela sua ressurreição e na ressurreição oferecida’.

Vem, Senhor Jesus

A mais antiga oração cristã é o “Marana Tha”: o Cordeiro declara “Sim, eu venho em breve”, e o Espírito e a esposa suplicam: “Marana Tha – Vem, Senhor Jesus!” (Apoc 22, 20). Nossa vida é alimentada pela esperança da vinda do Senhor. São tantos os problemas, tanta a dor e a divisão que ardemos pelo desejo da vinda do Senhor, tendo a alegria de que cada Eucaristia já é vinda e súplica: Cristo está em nosso meio no Pão e no Vinho, mas pedimos “Vinde, Senhor Jesus!” para que o mundo seja transformado e nossa santificação se realize plenamente.

Não somos alienados e acomodados, pedindo que Deus realize por nós o que nós devemos fazer: a graça é dada, a colaboração humana é necessária. Pelo empenho cristão a justiça, paz e alegria no Espírito Santo já se fazem presentes no mundo (cf. Rom 14,17) e combatemos o bom combate para “que o pecado deixe de reinar em nosso corpo mortal” (Rm 6, 12). O esforço por uma vida pura e santa nos torna capazes de pedir ao Pai: “Venha a nós o vosso Reino!”. E o Espírito Santo não permite cairmos no engano de julgar que o progresso material e cultural já é o Reino realizado, porque ele vai muito além, nossa vocação é a vida eterna.

Ao rezarmos o Pai-nosso antes da Comunhão eucarística temos atendida essa súplica, porque Cristo vem e, no Espírito, produz em nós frutos de vida nova.

Pe. José Artulino Besen

%d blogueiros gostam disto: