SÍNODO DOS BISPOS – MATRIMÔNIO E MISERICÓRDIA

papa-preside-casamentos

Na Festa da Exaltação da Santa Cruz, 14 de setembro, papa Francisco presidiu a Missa na Basílica de São Pedro e abençoou o casamento de 20 casais, alguns jovens, outros mais vividos, alguns já acompanhados de filhos. Esses últimos são o lado vistoso de nossa vida paroquial, cuja celebração chamamos de “legalização do matrimônio”. Papa Francisco, que deve ter presidido a centenas dessas “legalizações” nas periferias de Buenos Aires, festejou a todos. Mais um sinal de que o Papa quer a Igreja católica mais aberta e inclusiva.

Podemos ligar essa Celebração à 3ª. Assembléia Geral Extraordinária dos Bispos sobre a Família, a realizar-se no Vaticano de 5 a 19 de outubro. O 253 participantes, provenientes dos cinco Continentes, incluindo cardeais, bispos, casais, especialistas, religiosos refletirão sobre “Os desafios pastorais da família no contexto da evangelização”.

O tema família é central na vida humana, na vida da Igreja, e a família cristã é uma das mais atingidas pela revolução de costumes das últimas três décadas. Hoje, a família é desafiada por outras vivências humanas, como casais sem filhos, casais separados, casais em segunda, terceira união, crianças somente com pai, ou somente com mãe, casais homossexuais, alguns adotando filhos, casamentos provisórios etc., numa diversidade que pode nos assustar, mas nos obriga ao acolhimento misericordioso. Vetos e condenações facilitam a ação pastoral e nos deixam com a consciência do dever comprido, mesmo ao preço de afastar muita gente da Igreja. Lembro de um padre, zeloso, bem intencionado, que declarou a uma senhora em segunda união: “A senhora está em pecado mortal, porque vive em situação de prostituição”. O padre apenas esqueceu de olhar a criança que ela carregava no colo, e outro já andando: ela era mãe!

Voltemos ao Sínodo: está sendo a oportunidade de revelar uma realidade desagradável: a oposição ao Papa Francisco e à sua vivência como Bispo de Roma desde que fixou residência na Casa Santa Marta, símbolo da Igreja acessível, pobre, que sai dos seus palácios, dos âmbitos psicológicos tradicionais: para católicos e bispos tradicionais, isso foge do mundo eclesiástico europeu e italiano, arquivado pela eleição de um bispo argentino. Francisco não é eurocêntrico, e nenhuma doutrina coloca a Europa como modelo para a Igreja. Em particular, algum cardeal já afirma que “o modelo latino-americano não funciona aqui na Europa”, esquecendo que a recíproca é justa: “o modelo europeu também não funciona no Terceiro Mundo”. Não é esse o problema verdadeiro, e sim, a palavra que Francisco propõe: uma Igreja pobre, com os pobres, acolhedora, misericordiosa. Esse é o caminho pastoral dele: lavar os pés de todos, acolher os migrantes, ter cheiro de pobre. Suas viagens não foram para a Europa rica, e sim, para os que estão longe: América latina-Brasil, Lampedusa-migrantes, Ásia-Coréia do Sul, Europa-Albânia.

É compreensível que haja descontentamento com as escolhas de Francisco, pois o fato de morar na Casa Santa Marta permite que tenha contato direto com pessoas sem a intermediação da poderosa Cúria no Palácio Apostólico; atacando o carreirismo como câncer da Igreja, rejeita uma elite que passa a vida em Roma; abandonando os rituais principescos, estimula que padres e bispos façam o mesmo; a bela e despojada Liturgia dele contrasta com os enfeites e suntuosidades de certos padres e bispos; tratando cada diocese como Igreja apostólica, desconsidera as tradicionais sedes cardinalícias que envenenaram a vida pastoral de bispos em busca de sedes “importantes”. A reforma corajosa das finanças do Vaticano dá credibilidade à Santa Sé, o rigor no tratamento dos casos de abuso de menores revela a face de uma Igreja que pede perdão, e a reforma da Cúria romana, em andamento, significará um novo tempo na condução da vida da Igreja. Enfim, Bergoglio foi eleito pelos cardeais porque nele enxergaram a pessoa para orientar uma Igreja voltada para si mesma numa Igreja missionária, voltada para o serviço do mundo, conforme pediu o Vaticano II.

Permanecer na verdade e na misericórdia

Causou espécie no mundo católico a publicação do livro “Permanecer na verdade de Cristo: Matrimônio e comunhão na Igreja católica”, assinado por 5 cardeais e claramente dirigido a atacar o cardeal Walter Kasper, cujas posições sobre o Matrimônio são bem consideradas pelo Papa. É um muro conservador que se ergue, claramente atingindo o Papa através do Cardeal, e se situa na hostilidade às propostas de renovação pastoral a serem discutidas no Sínodo. Como compreender a atitude de purpurados opondo-se a um caminho que Francisco iniciou consultando todos os bispos do mundo, que será proposto na Assembléia sinodal de outubro e, depois de um ano, em novo Sínodo em outubro de 2015? A convite do Papa, o cardeal Kasper falou sobre a família no Consistório de fevereiro último e, na última parte de sua colocação, elogiada pelo Papa que a definiu “teologia de joelhos” que revela o “amor pela Igreja”, sugeriu como hipótese – caso por caso, em determinadas condições e depois de um caminho penitencial – a possibilidade de readmitir os divorciados recasados à comunhão.

A publicação do livro não foi elegante, nem eclesial, pois os cardeais signatários primeiro o apresentaram à imprensa e não a W. Kasper, e bem sabem da posição de Francisco e de seu respeito pelo cardeal alemão. O confronto está definido: de um lado, uma visão pastoral que não admite adequar a doutrina aos sinais dos tempos, como sempre foi feito e, de outro, Francisco: sem negar a doutrina da indissolubilidade matrimonial, considera decisiva a mensagem da misericórdia e continua a convidar a Igreja a sair de si mesma e ir ao encontro dos homens e mulheres nas condições em que vivem. Os 5 veneráveis cardeais estão receosos de que Francisco caia no erro, pois ouvindo todos os bispos pode ser “enrolado” na doutrina. O livro, assim, é uma espécie de convite a que o Papa tenha cuidado.

O sacramento do matrimônio é uma graça de Deus, falou o cardeal Kasper, e faz dos esposos um sinal de sua graça e de seu amor definitivo. Mas, também um cristão pode fracassar e, infelizmente, muitos matrimônios fracassam. Na sua fidelidade, Deus não deixa ninguém caído e, na sua misericórdia, oferece a cada um que deseja converter-se, uma nova chance. Por isso, a Igreja que é o sacramento, o sinal e instrumento da misericórdia divina, deve estar próxima, ajudar, aconselhar, encorajar. Não se podem conceder segundas núpcias, mas, segundo os Pais da Igreja, depois do naufrágio, se lança um bote salva-vidas. Não um segundo matrimônio sacramental, mas os meios sacramentais necessários na sua situação. Assim como não duvidamos que a Igreja católica é a realização mais completa do plano de Jesus, mas enxergamos nas outras Igrejas sinais de salvação, não poderíamos ver o mesmo no casamento civil em que, na fidelidade e na piedade o casal vive sua fé?

Podemos continuar com os vetos do passado, ignorando as novas situações, ficando insensíveis à realidade concreta de tantos que sofrem. Certamente, a atitude misericordiosa de tantos padres e bispos aproxima-os do sofrimento do rebanho e do exemplo de Jesus, o Bom Pastor. Importante expor a doutrina com fidelidade, mas não esquecer que a misericórdia triunfa no julgamento.

 Pe. José Artulino Besen

  1. #1 por Ademar Arcângelo Cirimbelli em 20 de setembro de 2014 - 09:24

    Obrigado por mais este belo artigo, Padre Besen!

  2. #2 por osnildo maçaneiro em 20 de setembro de 2014 - 11:11

    Muito bom o conteúdo desta matéria. Viva!

  3. #3 por Maria Gloria em 26 de setembro de 2014 - 15:10

    É muito bom ler artigos que nos levam a uma reflexão séria da nossa caminhada de Igreja. Gostei Pe. José Besen.

  4. #4 por Aluizio Brand em 29 de setembro de 2014 - 23:55

    Muito bom e louvavel esta Matéria, nos da o exemplo de quando alguem en crise e inseguro de si mesmo matrimonio ja desfeito, pendurado no abismo pedindo perdão e socoro para os que estão vendo este em crise,como sera BEN Vinda a Mão estendida em sinal de socoro e receber o abraço e orientalo com segurança a seguir ocaminho diferente mas com o mesmo objetivo chegar na casa do Pai

%d blogueiros gostam disto: