VIII – A FÉ – CREIO EM JESUS CRISTO, SALVADOR

creio-em-jesus-salvador-e-redentor

Por que o Filho de Deus veio ao mundo? Para a nossa salvação, logo respondemos, e precisamos ter clareza sobre o que é a salvação, o que significa ser salvo. Em primeiro lugar, Jesus não veio apenas para nos dar uma boa morte, como se nossa vida terrena nada contasse, nem veio apenas para que não fôssemos condenados ao inferno. Isso é consequência da salvação, de uma vida salva.

O evangelho de João revela com clareza a salvação que Jesus oferece: “Eu vim para que todos tenham vida, e vida em abundância” (João 10, 10). Vida em abundância a partir do momento da concepção, passando pelo nascimento, crescimento, vida adulta e morte. Tudo na plenitude do amor de Deus, não vivendo de qualquer jeito, fechado em si mesmo, não colaborando para que o outro também viva em abundância.

O Filho de Deus veio ao mundo para nos ensinar o caminho da vida, onde a morte não tem mais poder, onde a liberdade nos faz humanos.

Criando o homem e a mulher à sua imagem e semelhança, Deus tinha-lhes dado uma participação especial na própria vida divina. Segundo o projeto de Deus, o homem não deveria nem sofrer nem morrer. Além disso, reinava uma harmonia perfeita: no próprio ser humano, entre a criatura e o criador, entre o homem e a mulher, bem como entre o primeiro casal humano e toda a criação (CIC 374-379). A obra divina é obra de harmonia, de paz, de santidade.

Mas, Deus nos fez livres e nos quer livres. Uma característica do ser humano é a liberdade, que o distingue de todas as outras criaturas. É o poder, dado por Deus ao homem, de agir e não agir, de fazer isto ou aquilo, e implica também a possibilidade de escolher entre o bem e o mal. A liberdade é a característica dos atos propriamente humanos e seu melhor fruto é fazer o bem, o que nos torna verdadeiramente livres. A escolha do mal é um abuso da liberdade, e nos conduz à escravidão do pecado.

Filiação divina e conhecimento de Deus

O primeiro pecado enfraqueceu a liberdade humana e, na sucessão de pecados se acentuou o enfraquecimento da liberdade. Mas “é para a liberdade que Cristo nos libertou” (Gal 5,1). Com a sua graça, o Espírito Santo reconduz-nos para a liberdade espiritual, para fazer de nós colaboradores livres da sua obra na Igreja e no mundo.

Crer em Jesus Cristo significa crer que ele é Senhor e Salvador. No nome “Jesus” está incluída a sua missão, pois significa “Deus salva”, é aquele que salva o povo de seus pecados, que nos reconduz à liberdade. “Cristo”, “Messias” significa ungido, Jesus é o Cristo porque é consagrado por Deus, ungido pelo Espírito Santo para a missão redentora.

“Vós todos sois filhos de Deus pela fé em Jesus Cristo” (Gálatas 3, 26). No mundo religioso que anunciava castigos divinos, onde Deus era temido, rei e juiz terrível, por Jesus chegou a boa notícia: somos filhos de Deus pela fé em Jesus Cristo. Deu-nos a capacidade e o direito de nos dirigirmos a Deus como a um Pai, como ele o fazia. Nossa oração principal tem início com “Pai nosso”. O Pai nos faz participantes da vida de seu Filho.

E como conhecer o Pai? Jesus é o narrador do Pai, com toda autoridade, pois o conhece desde toda a eternidade. Essa revelação é feita pela Palavra e pelos gestos que o Senhor realizou na terra e nos são transmitidos pelos Evangelhos. Quando Filipe pede para conhecer o Pai, Jesus responde: “Filipe, quem me viu, viu o Pai” (João 14, 9). A vida de Jesus é a narração do coração do Pai.

Certamente isso causou mal-estar nas pessoas que se achavam conhecedoras de Deus e agora escutavam e viam alguém dizendo: “como eu vivo, assim é o Pai”. João Batista anunciava um tempo de justiça, colheita, e Jesus anuncia o tempo da graça, da misericórdia, da paciência, porque Deus é amor.

O tempo da salvação

Paulo afirma que, desde toda a eternidade, Deus tinha decidido nos enviar o Filho, isso antes do pecado: Jesus viria ao mundo mesmo sem o pecado dos primeiros pais, porque o plano divino é de nos salvar. Em outras palavras: Deus nos fez à sua imagem e semelhança, e Jesus veio para levar essa semelhança à plenitude.

Então, o que é a salvação? É a transformação realizada em nós pela graça e que nos torna a cada dia mais semelhantes a Deus. O homem plenamente salvo é o homem plenamente divinizado. A salvação tem início com o batismo que nos oferece um caminho de perfeição que se concluirá na eternidade. É um caminho dinâmico de transformação alimentado pelo amor divino em Cristo e pela nossa busca contínua da felicidade: queremos ser como Deus, queremos ver o Pai.

Cristo é nosso Salvador: vivendo no meio de nós, com sua vida narrou o Pai e narra para nós o caminho da salvação. Somente ele, Deus e homem, pode dizer: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida” (João 14, 6). Assim cremos, assim somos salvos

José Artulino Besen

  1. #1 por Pedro Francisco Bianchini Jr. em 9 de agosto de 2014 - 18:47

    Caro Pe. José Artulino, sua reflexão ilumina as almas carentes da verdade que as libertará do erro e do distanciamento da fé. É sempre uma alegria e um renovar da esperança, ter a oportunidade de alimentar nossa vida cristã com suas sábias palavras. Obrigado. Paz e Bem.

%d blogueiros gostam disto: