III – A FÉ – O ENCONTRO COM DEUS E INÍCIO DA MISSÃO

encontro-com-deus-e-inicio-da-missao

Nós conhecemos a Deus não porque somos mais ou menos inteligentes, porque estudamos pouco ou muito. Conhecemos a Deus porque ele se nos revela, toma a iniciativa de vir ao nosso encontro. E só podemos conhecê-lo na medida em que se deixa conhecer. Toda a Bíblia é história de encontros de Deus com pessoas, com comunidades, com um povo. Noé, Abraão, Jacó, Moisés, os profetas, João Batista, os judeus, os apóstolos iniciaram a missão junto ao povo após terem sentido a presença viva e real de Deus em suas vidas. Tudo foi conseqüência de um encontro, do amor primeiro de Deus. É desse encontro que nasce a fé que gera o amor e se prolonga na missão.

A primeira reação da pessoa que sente Deus em sua vida é a consciência de ser pecador. Ai de mim, estou perdido! Sou um homem de lábios impuros! (Is 6,4). Afasta-te de mim, Senhor, pois sou um homem pecador! (Lc 5,8). O ser humano percebe a distância entre ele e Deus mas, ao mesmo tempo, percebe que é Deus quem lhe vem ao encontro. Sem estardalhaço, o Senhor se manifesta pela Palavra, sacramentos, pela comunidade, pelos rostos sofredores, pelos pequenos acontecimentos diários. Muita gente diz que tem visões, conversas com Deus, Nossa Senhora e os Santos e por isso se sente santa, digna, privilegiada. É um sinal de que apenas se encontrou com sua vaidade pessoal ou com seus desequilíbrios.

Ninguém se aproxima de Deus sem ter a dolorosa consciência de sua condição pecadora. O pecado, porém, não afasta Deus de nós. Certa catequese nos criou uma imagem de Deus semelhante a um quarto de hospital, esterilizado, onde só entra quem está desinfetado. Então, há pessoas que se acham indignas de rezar, de entrar numa igreja, porque Deus as rejeitará, são pecadoras, perderam a fé. Não é assim: Deus vem ao encontro do pecador para tirar-lhe o pecado. Deus ama os que erram, para que sejam libertos do erro. Deus busca os fracos, para torná-los fortes. Muitos judeus se escandalizaram que Jesus vivesse com pecadores como Zaqueu, a adúltera. Achavam que a verdadeira fé criava distância com relação aos mau-comportados. Tinham-se esquecido de que Deus sempre viera ao seu encontro nos momentos de derrota, de pecado, de idolatria, para que retornasse à Aliança. O amor de Deus por nós é o início e o alimento da fé bíblica e cristã, e não nossa suposta dignidade.

A fé conduz à missão

Após o encontro com Deus, na consciência de ser pecador amado por Deus, a pessoa se torna anunciadora do Evangelho. Quem foi amado, luta para que mais pessoas tenham a mesma alegria. Quem foi salvo, quer que todos se salvem. Torna-se propagandista, anunciador, missionário da Salvação. São Paulo, Santo Agostinho, São Francisco consagraram-se à missão após terem sentido em sua vida as maravilhas operadas pelo amor divino.

Cristão envergonhado, acomodado é cristão que não experimentou concretamente a graça em sua existência. Quem, nos caminhos de sua vida, teve a experiência do amor de Cristo, assume para si o chamado feito a Simão Pedro: Não tenhas medo! Doravante serás pescador de homens! (Lc 5,11). Antes, o mesmo Pedro declarara ao Senhor que perguntava aos discípulos se não queriam abandoná-lo: A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna! (Jo 6,68).

Como evangelizar? Em primeiro lugar pelo nosso testemunho de vida alegre, fraterna e santa. Não se pode evangelizar vivendo no pessimismo, na amargura, na falta de união. Em segundo lugar, pela palavra propriamente dita: não perder oportunidades de levar Jesus e o Evangelho àqueles com os quais nos encontramos. Viver e anunciar o Evangelho, essa é a grande missão. Ser missionário é necessidade de todos aqueles que amam a Jesus, pois foram tocados pela graça. Fé, conversão, testemunho, anúncio, obras de justiça e caridade, são esses os mais belos frutos do amor de Deus em nós.

Pe. José Artulino Besen

  1. #1 por Luiz Heleno em 20 de julho de 2014 - 16:47

    Ótimos, seus textos, muito realistas, condiz com a verdade.

%d blogueiros gostam disto: