NOSSA SENHORA DOS PRAZERES

catedral-de-lages2

No Estado brasileiro de Santa Catarina há uma igreja, sede de paróquia e catedral, com o título de Nossa Senhora dos Prazeres. A devoção chegou em meados do século XVIII, com a fundação de Lages.

D. Luiz Antonio de Souza Botelho e Mourão, Morgado de Mateus, governador da capitania de São Paulo, entre outras recomendações determinou ao Capitão-mor Antônio Correia Pinto, em 20 de agosto de 1766: “que, fundando a póvoa de Lages lhe desse o nome de “Vila Nova de Nossa Senhora dos Prazeres” e que a padroeira da igreja matriz fosse “Nossa Senhora dos Prazeres””. Era a grande devoção do Morgado de Mateus, que tinha uma convicção administrativa: “Sem Missa não de pode governar os povos”. E assim foi e assim é: Nossa Senhora dos Prazeres é a padroeira da catedral e da diocese catarinense de Lages, cujo nome original foi “Nossa Senhora dos Prazeres dos Campos das Lajens”.

O título mariano Nossa Senhora dos Prazeres veio de Portugal e há no Brasil 12 igrejas dedicadas a essa invocação, sendo a mais importante, do ponto de vista da história, a igreja de Nossa Senhora dos Prazeres de Jaboatão dos Guararapes, em Pernambuco. A igreja foi erguida em ação de graças pelas duas vitórias decisivas alcançadas pelos brasileiros nas batalhas travadas contra os holandeses, nos montes Guararapes, nos dias 18 de abril de 1648 e 19 de abril de 1649, quando expulsaram definitivamente os invasores. No campo de batalha, 2.200 índios, negros, brasileiros e portugueses enfrentaram e venceram 7.400 soldados comandados por Sigismund von Schkoppe. As batalhas eram precedidas de novenas e orações a Nossa Senhora naqueles dias decisivos para garantir a unidade nacional. Ali, sob a proteção de Nossa Senhora dos Prazeres dos Montes Guararapes, nascia o Brasil.

Espiritualidade mariana

A invocação de Nossa Senhora dos Prazeres tem origem na espiritualidade franciscana e quer meditar as Alegrias de Nossa Senhora. Nossa Senhora das Alegrias e Nossa Senhora dos Prazeres têm a mesma origem franciscana, e remontam ao século XIV e Portugal foi a nação que por primeiro festejou os Prazeres, as Alegrias de Maria. Recorda a piedade popular que, por volta de 1590, uma imagem da Virgem apareceu sobre uma fonte em Alcântara e pessoas que iam à fonte beber água conseguiram curas milagrosas. Uma menina que tinha ido beber água escutou a voz de Nossa Senhora que lhe pediu que ali fosse erguida uma igreja onde fosse invocada como Nossa Senhora dos Prazeres. O pedido foi executado e o local tornou-se ponto de muitas romarias.

Por que a origem franciscana? São Francisco, na sua busca pelo Jesus pobre, desprovido de poder, acentuou dois mistérios fundamentais de nossa fé: a Encarnação (o Presépio) e a Paixão (a Via-sacra) e fez brotar uma corrente espiritual poderosa de retorno ao Jesus de Nazaré, bastante esquecido pela Igreja poderosa do século XIII.

Com o tempo, na piedade popular, os dois mistérios deram origem às celebrações das Sete Alegrias e das Sete Dores de Maria. Piedade mariana, sim, mas enraizada profundamente no Evangelho.

Nossa Senhora dos Prazeres (interior da catedral de Lages)

Nossa Senhora dos Prazeres (interior da catedral de Lages)

Partindo da Encarnação, temos a celebração dos Prazeres de Nossa Senhora, as Sete Alegrias de Maria: Anunciação do Anjo; Maria visita sua prima Isabel; Nascimento de Jesus em Belém; Adoração dos Magos; Maria e José encontram Jesus no templo; Maria vê Jesus ressuscitado; Assunção e coroação de Maria no céu. Na piedade franciscana, as alegrias são rezadas na Coroa das Sete Alegrias.

Partindo de Belém e Jerusalém, contemplamos as Dores de Nossa Senhora: Profecia de Simeão; Fuga para o Egito; a perda de Jesus no templo; encontro com Jesus carregando a Cruz; morte de Jesus no Calvário; Maria recebe o Corpo de Jesus; Maria deposita Jesus no sepulcro. Na piedade franciscana, temos a Devoção ou o Terço das Sete Dores de Maria.

Em solo catarinense

Em 1767, em Lages foi erguido o primeiro oratório e chegaram os primeiros padres à Fazenda de Correia Pinto às margens do rio Caveiras: os franciscanos Frei Tomé de Jesus e Frei Manoel da Natividade Teixeira, dando início oficial à vida religiosa e sacramental católica que, até os dias de hoje, anima e alimenta a fé do povo serrano.

A Catedral de Lages teve a construção iniciada em 1912 com inauguração em 1921. Belíssimo e imponente exemplar do estilo gótico, na planta baixa, na forma e cobertura das torres piramidais multifacetadas foi inspirada na Catedral de Magdeburg, Alemanha, que marcou a transição do românico para o gótico, isso em 1209. O estilo gótico foi concebido para ser erguido com pedras, e em Lages não faltaram bons pedreiros para levar a efeito a planta desenhada por Frei Egídio Lother e executada por Frei Gabriel Zimmer. E não faltaram pedras, razão para fundador Correia Pinto batiza-la de Campos das Lajens devido à abundância da pedra laje na região.

Nossa Senhora das Dores é celebrada em 15 de setembro, e Nossa Senhora dos Prazeres no 2º Domingo depois da Páscoa, mas, em Lages, no dia 15 de agosto. As dores e alegrias de Jesus são as dores e alegrias de sua Mãe, e são também símbolo de nossas dores e alegrias até do dia da ressurreição.

Pe. José Artulino Besen

%d blogueiros gostam disto: