SÃO JOSÉ DE ANCHIETA – O APÓSTOLO DO BRASIL

São José de Anchieta - Alfredo Cherubino - 2014

São José de Anchieta – Alfredo Cherubino – 2014

José de Anchieta nasceu na ilha de Tenerife, no arquipélago das Canárias, em 19 de março de 1534. Era filho de Juán López de Anchieta, um revolucionário que tomou parte na revolta dos Comuneros contra o Imperador Carlos V da Espanha, e grande devoto da Virgem Maria. Descendia da nobre família basca Anchieta (Antxeta). Sua mãe chamava-se Mência Dias de Clavijo e Larena, natural das Ilhas Canárias,filha de cristãos-novos (judeus convertidos). Um seu tataravô, que devia ser um fervoroso judaizante, foi queimado pela Inquisição [1]. O avô materno, Sebastião de Larena, foi um judeu convertido do Reino de Castela, também perseguido pela Inquisição.

Com 14 anos de idade mudou-se para Coimbra, em Portugal, onde foi estudar filosofia no Colégio das Artes, anexo à Universidade de Coimbra. Se era espanhol, por que em Portugal? A ascendência judaica foi determinante, uma vez que na Espanha, à época, a Inquisição era mais rigorosa.

Em 1551 ingressou na Companhia de Jesus como Irmão. O Pe. Manuel da Nóbrega, Provincial dos Jesuítas no Brasil solicitou mais braços para a evangelização e José de Anchieta foi um dos indicados. Chegou ao Brasil em 1553, com apenas 19 anos. Entusiasmado, Anchieta logo pôs-se a estudar o tupi, que aprendeu em seis meses, e consagrou sua vida ao trabalho de evangelização. Sua ação missionária se estendendo de São Paulo à Bahia.

Participou da fundação, no planalto de Piratininga, do Colégio de São Paulo, do qual foi regente, em 25 de janeiro de 1554. Ali nascia a cidade de São Paulo, que ele descreve no mesmo ano em uma carta ao fundador Santo Inácio de Loyola: De janeiro até o presente se fez ali uma pobre casinha feita de barro e palha com catorze passos de comprido e doze de largo, moravam bem apertados os irmãos. Ali tinham escola, enfermaria, dormitório, refeitó­rio, cozinha e despensa (…). As camas eram redes, os cobertores o fogo.

Para mesa usavam folhas de bananas em lugar de guardanapos (…). A comida vem dos índios, que nos dão alguma esmola de farinha e algumas vezes, mas raramente, alguns peixinhos do rio e, mais raramente ainda, alguma caça do mato (…). Todavia não invejamos as espaçosas habita­ções, pois Nosso Senhor Jesus Cristo dignou-se morrer na cruz por nós.

Outra carta indica a data da fundação: 25 de janeiro do Ano do Senhor de 1554 celebramos, em paupérrima e estreitíssima casinha, a primeira missa, no dia da conversão do Apóstolo São Paulo, e, por isso, a ele dedicamos nossa casa.

Cuidava não só de educar e catequizar os aborígenes, mas foi igualmente incansável defensor deles, protegendo-os dos abusos dos colonizadores portugueses que os queriam como escravos e, não raro, se amancebando com mulheres índias. Descendo a serra, evangelizou o litoral sul de São Paulo, passando por Itanhaém e Peruíbe.

Mediador da paz em Iperoig

Padre Manuel da Nóbrega percebeu a facilidade de Anchieta para aprender línguas, de se comunicar com os índios e sua resistência física. Não hesitou, no ano de 1563, em levá-lo junto para as negociações de paz entre os índios tamoios e os colonos portugueses da região de Ubatuba e da Guanabara onde, oito anos antes, os franceses tinham se estabelecido, e se aliaram aos tamoios contra os tupis e os portugueses.

Várias tentativas de expulsar os invasores tinham resultado num impasse, com os dois lados combatendo o tempo todo. Os indígenas de Iperoig – hoje Ubatuba – foram convencidos a se aliar aos da Guanabara, formando a Confederação dos Tamoios.

O governador Mem de Sá encarregara Nóbrega de tentar fazer os tamoios de Ubatuba desistirem dessa aliança. Pe. Anchieta entrou nas aldeias falando em voz alta, como era costume dos índios, em perfeito tupi, demonstrando autoridade. Em pouco tempo ele e Nóbrega puderam construir um pequeno altar na cabana que os abrigava. Anchieta começou a fazer pregações em tupi, abrindo o caminho para evangelizar a tribo.

Tendo Anchieta como intérprete, Nóbrega tratava da paz e ficou sabendo que os tamoios também queriam a paz. Estavam cansados de perseguir e matar portugueses, mas nada tinham a reclamar dos franceses da Guanabara, que lhes davam armas, ferramentas e roupas. O único obstáculo à paz eram os tupis, inimigos dos tamoios e aliados dos portugueses. Vivendo em clima de perigo iminente, Nóbrega e Anchieta ficaram isolados do mundo: os navios em que tinham vindo estavam na Guanabara, onde também se tentava um acordo. E permaneciam sob constante ameaça dos índios mais exaltados, irritados com o simples fato de a tribo ter recebido os dois jesuítas amigos dos portugueses.

Logo Anchieta ficou inteiramente só, como refém, enquanto Nóbrega voltou a São Vicente para finalizar o tratado de paz. Anchieta iniciou a escrever nas areias de Iperoig e a decorar os versos de um longo poema em latim dedicado à Virgem Maria, com 3.000 hexâmetros,  4.172 versos. Foi a primeira epopéia escrita na América e Anchieta o escreveu em cumprimento de um voto: que a Virgem Maria o protegesse para não cair na tentação da carne, tendo diante de si índias nuas oferecidas por chefes. Venceu a tentação. O poema é um completo Tratado mariológico onde, ao lado da oração à Virgem, têm lugar a apologética, a história da Salvação, e profundas revelações de sua vida interior. Significativo foi incluir todo o texto do Cântico dos Cânticos, que sabia de memória. É a teologia mística de serviço de Deus por amor, percorrendo os Exercícios Espirituais de Santo Inácio, nas palavras do Pe. Murillo Moutinho, SJ [2]. Assim podemos ler quando fala à Chaga de Jesus:

Deixa-me entrar no peito aberto pela lança ir morar no coração de meu Senhor, / por esta estrada chegarei até às entranhas de seu amor piedoso; / aí farei meu descanso, minha eterna morada. / Aí afundarei os meus delitos / no rio de seu sangue, /  e lavarei as torpezas de minh’alma, /  nesta água cristalina. Nesta morada, neste remanso, / o resto de meus dias, quão suave será viver, / aí por fim, morrer!”.

E a beleza de sua espera do último dia:

Minha alma agitada, em meio, tem sede de ti, / torrente abundante / de prazer eterno! / Feliz o dia em que me saciará, /  como em rio transbordante, / a Mãe e o Filho com o seu amor!”.

Terminado o cativeiro, transcreveu de memória o poema inteiro.

Por fim a paz foi acertada. Depois de cinco meses como refém, Anchieta partiu com uma ponta de tristeza: sentia deixar desamparadas as almas que estava conquistando para Cristo. Os índios também não esconderam sua melancolia pela partida do pajé branco que falava com Deus, lhes ensinava a doutrina cristã e tratava de suas doenças.

No mesmo ano de 1563, o perigo da morte, com a qual Anchieta convivera diariamente em Ubatuba, voltou a ameaçar o jesuíta e os índios do Planalto de Piratininga: em sua volta, esperava-o a epidemia de varíola, espalhada pelos europeus, e que mataria trinta mil índios em toda a costa brasileira.

Os férteis campos de Piratininga logo se transformaram num vasto hospital a céu aberto. Nessa ocasião, Anchieta valeu-se de conhecimentos medicinais que possuía e do uso de ervas nativas que tinha descoberto [3]. Nos casos mais graves, recorria aos sangramentos – em média de dez por dia -, que apavoravam os índios, já bastante assustados pela doença que nunca tinham visto.

Em 1566 foi enviado à Bahia com o encargo de informar o governador Mem de Sá do andamento da guerra contra os franceses, possibilitando o envio de reforços portugueses ao Rio de Janeiro. Por essa época foi ordenado sacerdote, aos 32 anos de idade.

No ano de 1569, Anchieta fundou a povoação de Iritiba ou Reritiba, atual Anchieta, no Espírito Santo e ainda dirigiu o Colégio do Rio de Janeiro por três anos, de 1570 a 1573, e onde tinha fundado a Santa Casa de Misericórdia. Em 1577 foi nomeado Provincial da Companhia de Jesus no Brasil, função que exerceu por dez anos. Nessa honrosa e delicada função percorreu o imenso território brasileiro de São Paulo ao Recife, constituindo-se sua grande preocupação o cuidado dos enfermos e moribundos. Como Provincial enviou ao Paraguai os primeiros missionários que formariam o núcleo inicial das famosas Reduções Jesuíticas.

Em 1587 retirou-se para Reritiba (Anchieta, ES), mas teve ainda de dirigir o Colégio dos Jesuítas em Vitória do Espírito Santo, até 1595.

Evangelizador, catequista, literato e santo

Para a catequese, os padres compuseram cantigas em tupi e colocaram letras cristãs em músicas indígenas. Além disso, serviram-se de danças e teatros que comunicavam de modo compreensível a mensagem cristã. As crianças aprendiam os cantos e danças e depois os retransmitiam aos adultos. “Com a música e a harmonia eu me atrevo a trazer a mim todos os indígenas da América”, escreveu o Pe. Manoel da Nóbrega. Um método de inculturação criticado pelo primeiro bispo do Brasil, Dom Pedro Fernandes Sardinha e que lhe valeu uma admoestação da Inquisição; respondia às ameaças com “Acabarei com as Inquisições a flechadas”.

Todo o trabalho missionário possibilitou que até 1600 tivessem sido batizados 100 mil índios brasileiros. Os jesuítas apenas batizavam aqueles que superavam as rigorosas etapas de um prolongado catecumenato. E mais não foi feito porque o destino dos índios era o cativeiro e a morte nas fazendas aonde eram levados para o trabalho forçado.

Pe. José de Anchieta, o “Apóstolo do Brasil”, fundador de colégios e cidades, missionário incomparável, foi gramático, poeta, teatrólogo, historiador e fino redator de cartas. O intenso apostolado não o impediu de cultivar as letras, compondo seus textos em quatro línguas – português, castelhano, latim e tupi, tanto em prosa como em verso. O movimento de catequese influenciou seu teatro e sua poesia, resultando na melhor produção literária do Quinhentismo brasileiro. Sua vasta obra só foi totalmente publicada no Brasil na segunda metade do século XX. No início do 3º. milênio tem início uma avaliação positiva de sua obra, com o reconhecimento de seu valor literário por parte da crítica.

Sua primeira peça, “Pregação universal”, escrita por sugestão de Pe. Manoel da Nóbrega, foi encenada pela primeira vez em 1567. O título “universal” se referia às três línguas usadas, tupi, português e espanhol. Escreveu 11 peças teatrais onde, ao lado inseparável da finalidade catequética e evangelizadora, percebe-se qualidade literária, tendo como modelo a forma de Auto religioso da Idade Média, escrito em versos [4]. Dessas encenações, Pe. Fernão Cardin cita um “artista”, o índio Ambrósio Pires, em 1585, no papel de Anhangá, um diabo, na peça “A Aldeia de Guaraparim”: “A esta figura fazem os índios muita festa, por causa de seus gatimanhos e trejeitos”.

O Brasil lhe deve a primeira gramática da língua tupi, com a qual, praticamente, criou uma nova língua, a “língua geral”: a “Arte de gramática da língua mais usada na costa do Brasil”, impressa em Coimbra em 1595, já havendo a versão manuscrita desde 1556, no Colégio da Bahia. É a primeira gramática contendo os fundamentos da língua tupi com suas variantes [5].

O trabalho de Anchieta foi decisivo para a implantação do catolicismo no Brasil. Com seu conhecimento e sua fé, percorreu a pé, a cavalo, em embarcações, boa parte do território brasileiro de São Paulo ao Recife. Além de abrir caminhos que se transformariam em estradas, contribuiu para manter unificado o país nos séculos seguintes. Lançou os fundamentos da catequese e educação dos jesuítas no Brasil e começou a reverter o quadro iniciado desde o descobrimento, em que os nativos eram vistos apenas como propriedade da Coroa e, como tal, passíveis de serem escravizados. Defendeu sua dignidade de filhos de Deus. Com seus dotes inatos de comunicador, conseguiu com o indígena um amplo entendimento.

Por todos admirado como santo e milagroso, cansado das viagens, enfraquecido, em 9 de junho de 1597 Deus o chamou em Reritiba, onde residia desde 1587. A campanha para a sua beatificação foi iniciada na Capitania da Bahia em 1617, mas passou pelas vicissitudes de sua Ordem e não teve continuidade devido à perseguição de Pombal que expulsou os jesuítas do Brasil em 1759 e à supressão da Companhia de Jesus em 1773, sendo restaurada em 1814. O Apóstolo do Brasil foi declarado bem-aventurado pelo Papa João Paulo II em 22 de junho de 1980 e canonizado por Francisco em 3 abril de 2014.

Hoje, muitas pessoas procuram percorrer o caminho “Os Passos de Anchieta”, que resgata o trecho de 105 quilômetros compreendidos entre Anchieta e Vitória, e que José de Anchieta percorria regularmente duas vezes por mês, o denominado “caminho das 14 léguas”. Anchieta vencia a distância – frequentemente na dianteira – na companhia dos guerreiros temiminós que o acompanhavam na missão de cuidar do Colégio de São Tiago, erguido num platô da Vila da Nossa Senhora de Vitória, hoje transformado no Palácio do Governo, na cidade de Vitória do Espírito Santo, e onde jazem parte de seus restos mortais.

Essa “energia” de Anchieta incluía um físico frágil, menos de 1,60 metro e sofrendo fortíssimas dores nas costas, que poderiam ser provocadas pela tuberculose óssea. A doença já tinha se manifestado em Coimbra e, na tentativa de aplacar a dor, usava cintas apertadas, o que só contribuía para piorar o sofrimento. Nunca se queixou e se apresentava sempre disposto. Sua interioridade espiritual era vivida na Cruz, nas noites que passava em íntimo colóquio com Deus e no amor incondicional aos índios brasileiros.

Pe. José Artulino Besen

DOIS POEMAS DE ANCHIETA

Jesus na Manjedoura

– Que fazeis, menino Deus,
Nestas palhas encostado?
– Jazo aqui por teu pecado.

– Ó menino mui formoso,
Pois que sois suma riqueza,
Como estais em tal pobreza?

– Por fazer-te glorioso
E de graça mui colmado,
Jazo aqui por teu pecado.

– Pois que não cabeis no céu,
Dizei-me, santo Menino,
Que vos fez tão pequenino?

– O amor me deu este véu,
Em que jazo embrulhado,
Por despir-te do pecado.

– Ó menino de Belém,
Pois sois Deus de eternidade,
Quem vos fez de tal idade?

– Por querer-te todo o bem
E te dar eterno estado,
Tal me fez o teu pecado.

Ao Santíssimo Sacramento

Oh que pão, oh que comida,
Oh que divino manjar
Se nos dá no santo altar
Cada dia.

Filho da Virgem Maria
Que Deus Padre cá mandou
E por nós na cruz passou
Crua morte.

E para que nos conforte
Se deixou no Sacramento
Para dar-nos com aumento
Sua graça.


[1] Cf. ANITA NOVINSKI: Padre Anchieta: cristão ou judeu?. Folha de São Paulo, 24 de janeiro de 2014, opinião, A3. Historiadora e professora da USP, tem dedicado suas pesquisas à presença de cristãos velhos e cristãos novos no Brasil.

[2] Bibliografia para o Centenário da Morte de José de Anchieta. 1597-1997. São Paulo: Edições Loyola, vol. I. p. 204ss.

[3] Anchieta tinha especial inclinação para a medicina, profissão tradicional entre judeus e realizou inúmeras curas, afirma A. NIVINSKI, op. cit.

[4] NELSON DE SÁ: A restauração de Anchieta. Folha de São Paulo, 25 de janeiro de 2014, Caderno Ilustrada, E1. O autor discorre com simpatia sobre a obra de Anchieta, citando a opinião atual de diversos críticos literários. Ariano Suassuna percebe até ecos de Aristófanes no texto todo em tupi da peça “Na Aldeia de Guaraparim”, especialmente a fala de um demônio chamado Tatapitera: “Transtorno o coração das velhas, irritando-as, fazendo-as brigar. Por isso as malditas correm como faíscas de fogo, para ficar atacando as pessoas, insultando-se muito umas às outras”.

[5] Há um exemplar desta primeira edição na Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin, na USP. Na folha de rosto está escrito “nomen Domini tvrris fortíssima”, castelo forte é nosso Deus (Prov 18,10).

 

%d blogueiros gostam disto: