SANTA ROSA DE LIMA, UMA VIDA PELOS POBRES

Santa Rosa de Lima

“Na verdade, julgo como perda todas as coisas, em comparação com esse bem supremo: o conhecimento de Jesus Cristo, meu Senhor” (F1 3,8).

Em 1532, o conquistador espanhol Francisco Pizarro invadiu o Peru. Abateu‑se sobre os povos indígenas a violência sem limites da Conquista. Perderam as terras e a liberdade. Tudo passou para o espanhol, insaciável na busca de ouro e prata. Tão insaciável, que o índio achou que o deus dos cristãos fosse o ouro. Ficava difícil para o missionário anunciar o Deus do amor, que em Jesus Cristo vem ao nosso encontro, a esses povos que dos cristãos só tinham recebido sofrimento e morte.

Nesse ambiente de avareza e de morte, no ano de 1586 nasceu na capital Lima, Isabel Flores. Era de tal beleza que logo a apelidaram de “Rosa”. E Rosa ficou para sempre. Filha de imigrantes espanhóis, nasceu numa família de 11 irmãos. Aos cinco anos aprendeu a ler, sozinha. Disse que seu professor tinha sido o Menino Jesus… Quando, aos 11 anos, foi crismada pelo Arcebispo Turíbio de Mogrovejo, pode sentir de perto a revolta dos índios, que blasfemavam contra o santo Arcebispo e contra os cristãos. A alegria da Crisma ficou misturada à visão da revolta dos indígenas e com os pobres índios, negros, aleijados e crianças esfarrapadas que viu pelas ruas.

A jovenzinha sentiu que deveria fazer alguma coisa por aquela multidão de sofredores. Mas era impotente para tão grande tarefa. Resolveu fazer o que podia e sabia fazer: sofrer e rezar. “Eu quero satisfazer a Deus pelos pecados dos outros”, decidiu‑se. Daí em diante sua vida foi sacrifício, jejum e oração. No meio da noite, escondidinha, levantava‑se para rezar. Jejuou a ponto de comprometer completamente sua saúde. Mas nunca perdeu a alegria e a serenidade, mesmo nos grandes sofrimentos por que passou.

Construiu uma cabana no quintal de sua casa, e ali se recolhia para a oração e os trabalhos.

Enfrentou sempre a oposição feroz de sua mãe, que não se cansava de repreendê‑la e humilhá‑la. Aos 15 anos, inicia a visita aos doentes nos hospitais. Nenhuma repugnância diante dos índios e negros cancerosos, cheios de feridas, malcheirosos. Procurava tocá‑los com carinho, para neles sentir com mais intensidade a presença de Deus. Depois, passou a recolher doentes em sua casa, enfurecendo mais ainda sua mãe, não conformada em ver sua casa transformada em hospital.

Seu pai fracassou na exploração de minas e a família foi reduzida à pobreza. Como era exímia bordadeira, dedicou diversas horas do dia e da noite aos bordados que, vendidos a famílias de Lima, ajudavam no sustento da casa. Igualmente dedicava-se aos trabalhos de horta.

Dava aulas para crianças, inclusive ensinando-as a tocar guitarra, harpa e cítara, instrumentos que ela sabia tocar.

 Rosa de Lima tornava‑se sempre mais conhecida, amada e admirada. O povo vinha pedir sua oração nos momentos difíceis. Deus a recompensou com muitas visões e milagres. Quando, em 1615, piratas holandeses ameaçavam saquear a cidade, Rosa levou outras mulheres para a igreja de Nossa Senhora do Rosário e ali, cobriu as portas do sacrário para que não fosse profanado e puseram-se em oração. Milagrosamente o comandante holandês morreu ainda na embarcação e a cidade foi salva.

Num dia, aos 24 anos, resolve construir uma casinha para si, onde pudesse ficar totalmente recolhida: um metro e meio por um metro e vinte, com menos de dois de altura. Para entrar, somente se arrastando. Rosa dizia que bastava caber ela e seu amigo Jesus. Serenamente predisse sua morte com dois anos de antecedência: seria no dia 24 de agosto de 1617.

E assim foi. Cercada de amigos e devotos, entregou a alma a Deus, com voz suave proferindo suas últimas palavras: “Jesus, ficai comigo. Está… está tudo terminado!”. Tinha 31 anos.

Santa Rosa de Lima, padroeira da América Latina, donde foi a primeira santa, mostrou que a santidade cresce no meio do pecado. Como belas flores brotam no pântano, a virtude cresce em ambiente de pecado. Mais ainda, mostrou que a santidade é necessária, e é o único remédio para conter a força do pecado, que se manifesta no ódio, no desprezo pelo próximo, pelos filhos de Deus. Foi canonizada em 1671 e sua festa é celebrada em 23 de agosto.

O tempo de Santa Rosa de Lima é também o tempo de três outros Santos: o citado arcebispo Turíbio de Mogrovejo, o mulato Martinho de Lima, o migrante espanhol Juan Macias. Rosa, Martinho e Juan partilharam da espiritualidade dominicana, a cuja Ordem Terceira pertenceram. Mais do que isso, partilharam de uma intensa vida de oração, humildade pessoal e, como fruto maduro, um amor total pelos pobres.

Pe. José Artulino Besen

Anúncios
  1. #1 por Geralda Feitosa em 20 de agosto de 2012 - 19:19

    – SANTA ROSA DE LIMA, concedei-nos vossa fortaleza na fé e no amor.

  2. #2 por Luiz Heleno em 21 de agosto de 2012 - 20:13

    Padre, essas historias realmente me chamam a atenção.

  1. História de Santa Rosa de Lima « "Gritos da Fronteira"
%d blogueiros gostam disto: