TEMPO DE RECUPERAR AS LÁGRIMAS

Durante 40 anos o povo judeu se preparou, no deserto, para entrar na Terra prometida, numa história de fidelidade e infidelidade, de obediência e desobediência, mas sempre contando com a fidelidade divina. Simbolicamente, nosso caminho para a Páscoa da Ressurreição percorre os 40 dias da Quaresma. E toda a nossa existência é um caminhar que desemboca na eternidade, na Terra prometida aos que permaneceram fiéis.

O momento final, porém, nos colocará diante do Senhor, a quem apresentaremos nossa vida. A morte, escreveu o filósofo M. Heidegger, é a plenitude de nossa vida. Em nossas mãos estará nossa existência e, nelas, Deus contemplará como vivemos concretamente o Capítulo 25 de Mateus – o Juízo final – se fomos ovelhas ou cabras. E ouviremos as palavras “Vinde, benditos”, ou “Afastai-vos, malditos”. Seremos julgados pela lei da misericórdia, seremos pesados na balança da compaixão e, ainda nesse instante, é-nos oferecida a possibilidade da reconciliação.

Emil Cioran (1911-1995), ateu-crente romeno, escreveu, evocando a psicostasia do antigo Egito, ou seja, o momento em que as almas dos defuntos eram pesadas para verificar-se a gravidade das suas culpas: “No dia do juízo, só as lágrimas serão pesadas”. Para ele, o mundo é um receptáculo de gemidos.

Na parábola das ovelhas e cabras está muito claro que as lágrimas de compaixão vão ser o critério da verdade final.

A Igreja propõe, como caminho de vida neste Vale de Lágrimas, a vivência das Obras de Misericórdia Corporais e Espirituais. Tudo muito claro e, surpreendentemente, simples. Nos antigos Catecismos as crianças eram obrigadas a decorá-las para depois vivê-las. Com o tempo, perdeu-se o sentido da simplicidade da fé cristã e certa generalidade verbosa faz escapar o singelo caminho das lágrimas das misericórdias.

As Obras de misericórdia corporais são sete: dar de comer a quem tem fome; dar de beber a quem tem sede; vestir os nus; dar pousada aos peregrinos; assistir aos enfermos; visitar os presos; enterrar os mortos.

As obras de misericórdia espirituais são também sete: dar bom conselho; ensinar os ignorantes; corrigir os que erram; consolar os aflitos; perdoar as ofensas; sofrer com paciência as fraquezas do próximo; rogar a Deus pelos vivos e defuntos.

Como deixamos de ser dualistas, separando o “corporal” do “espiritual”, é melhor que simplesmente falemos nas Obras de Misericórdia.

Hoje, delas poderíamos desdobrar outras obras de misericórdia, como proteger os pais idosos e doentes, evitar a ostentação de riqueza, não desviar do caminho de um pobre, ajudar os dependentes de drogas, não condenar os aidéticos, não expulsar bêbados ou doentes da igreja, acolher os migrantes, respeitar a fé dos simples, proteger as crianças e jovens, socorrer os desempregados, lutar pela justiça, etc. Para simplificar: agir como Jesus agiu.

As lágrimas e o Vale da Misericórdia

Assim, nosso Vale de Lágrimas não é o Vale do Exílio, mas é o Vale da Misericórdia, das lágrimas derramadas diante do sofrimento de nosso próximo. É o Vale formado pelo rio das lágrimas que foram refrigério para o ardor do sofrimento daqueles que passaram pelo nosso caminho. E seremos surpreendidos pelas lágrimas derramadas por tanta gente, e que nem percebemos. Sem as lágrimas de quem nos amou, a vida teria sido insuportável, como numa depressão contínua estaríamos sufocados pelo calor do desespero ou da solidão.

Na terra, o Filho chorou pela morte do amigo Lázaro e pelo sofrimento de suas irmãs Marta e Maria. Seremos também surpreendidos pelas lágrimas de Deus Pai, pois também ele chora: “Se não quiserdes obedecer, em segredo minha alma vai chorar: por causa do orgulho, estarão meus olhos chorando sem parar, derramando lágrimas” (Jr 13, 17). Quanta ternura contemplamos em nosso Abbá num cantinho, chorando, de esguelha olhando para nós para ver se nos decidimos por ele!

Não somos conduzidos pelo pessimismo, pois nenhuma lágrima será perdida: “Contaste os passos da minha caminhada errante, minhas lágrimas recolhes no teu odre; acaso não estão escritas no teu livro?” (Sl 56, 9).

Os Pais do Deserto, os contemplativos e místicos de todos os tempos invocavam o dom das lágrimas: lágrimas pelo próprio pecado, lágrimas pelo sofrimento do irmão, lágrimas pelas lágrimas de Deus. As lágrimas revelam que nossa vida não é empurrada pela soberba razão, pelo impacto da inteligência, mas pelo sentimento, pela compaixão.

As lágrimas são fruto de muita oração, da Eucaristia, dos sacramentos, da penitência, porque nosso instinto não é chorar pelos outros, mas pedir que chorem por nós. Deus é quem nos dá a graça de não mandarmos nosso próximo seguir adiante, porque estamos ocupados ou incapacitados. Nada justifica a omissão: “Quando estiveres extasiado junto de Deus, se um doente te pedir uma tigela de caldo desce do sétimo céu e dá-lhe o que pede” (Ruysbroeck).

O amor é simples, como Deus é simples: quem é humano de verdade chora diante de quem sofre, guarda as lágrimas para apresentá-las ao Pai no instante final. O próprio Deus mostrará nossas lágrimas, pois nenhuma foi perdida.

E, no dia em que o mundo formar um vale de lágrimas de misericórdia, encontrou a salvação. Toda a criação estará transfigurada e a humanidade será imagem e semelhança de Deus.

Pe. José Artulino Besen


Anúncios

, , , , , ,

  1. #1 por Besen Maria em 22 de fevereiro de 2012 - 18:08

    Gostei imensamente do artigo :’É tempo de reucuperar as lágrimas”, sobretudo porque nos evoca a teologia da lágrima. Pouco se fala sobre isto. Que neste tempo quaresmal retomemos em nossa vida o amor miseriocordioso de Deus no dom da lágrima. Maria Besen

%d blogueiros gostam disto: