ASSUNÇÃO DA SILENCIOSA MÃE DO REDENTOR

Maria, silenciosa Mãe do Redentor – Mosteiro de Olinda PE

É de São Boaventura, teólogo, filósofo e santo a afirmação “De Maria nunquam satis”, que bem pode ser traduzida por “De Maria ainda não se falou bastante” (outros preferem “de Maria nunca se falará demais”). Por mais que os santos e o povo amem a Mãe de Jesus, nela venerem a obra prima da criação, nunca se falará o suficiente dessa humilde jovem e mulher de Nazaré, pois nela reside e se esconde o mistério da Salvação. Ao proclamarmos Maria Mãe de Deus porque Mãe do Filho de Deus, estamos mergulhando no mistério do Deus Uno e Trino, buscamos água num poço que nunca termina de manar água cristalina. Tão grande é o mistério dessa mulher que a nós mortais, conhecedores da fragilidade humana, é mais fácil dizer que dela já se falou que chega, que o importante é falar de Cristo, pois somente Ele salva.

Evidente: somente Cristo salva. E é isso o que se fortalece em nosso espírito ao falarmos do Salvador nascido de Maria. Ele é a ponte, o Pontífice, que possibilita nossa comunicação com Deus, e essa ponte é feita de divindade e de humanidade. Coube a Maria gerar o humano que se uniu ao divino, e graças à sua maternidade o Filho de Deus é Deus e Homem verdadeiro.

Em outras épocas se afirmava Maria como “inimiga de todas as heresias”: parece exagero, mas como não ser isso verdade se todas as heresias cristãs têm origem ou na negação de Jesus Homem verdadeiro ou na negação de Jesus Deus verdadeiro? Quando proclamamos Maria Mãe de Deus – a Theotókos – estamos libertando o Cristianismo de toda heresia cristológica: as que afirmam Jesus não ser humano e as que negam sua divindade. Estamos fincando nossa fé no solo firme da redenção em Cristo.

Se de Cristo nunca se falará o suficiente, também de Maria não se falou ou falará.

 Silenciosa Mãe do Redentor

Na sua humildade, Maria nunca revelou o segredo de seu Filho e da maternidade divina. Mesmo suportando a humilhação sua e de seu Filho, nunca anunciou o mistério que dela brotou e nela se formou. Não tomou como afirmação pessoal proclamar que Deus a fizera Mãe do Altíssimo, do Filho de Deus.

Mãe silenciosa: ela guardava tudo em seu coração. Tanto por não querer revelar seu segredo, quanto por querer compreender melhor o segredo que de Deus recebera. Era humildade e também sabedoria, sabia de sua pequenez e de sua grandeza. Ninguém mais precisaria saber, pois o único importante era fazer tudo o que o Filho dissesse (cf. Jo 2,5).

A maternidade divina é por ela tão ocultada que os Evangelhos têm pudor em citá-la. Paulo apenas fala de “mulher” (Gl 4,4) que completou em si a plenitude dos tempos trazendo-nos o Filho eterno que ingressou no tempo pelo ventre de Maria, a todos dando-nos a dignidade de filhos de Deus.

No encontro com a prima Isabel, que lhe fala que João pulara no ventre ao sentir a presença do Filho nela, e por revelação agradece a visita da “Mãe do meu Senhor”, Maria esconde seu mistério proclamando a bondade de Deus que olhou para sua humilhação. E serve sua prima aquela que carrega o Senhor de todos.

Maria recebera um segredo de Deus Pai. Deus Pai reservou um segredo a Maria: sua carne não conheceria a corrupção de pecado que não cometera. O Filho reservara para sua Mãe o segredo da vida eterna, da qual participaria como primeira entre os mortais.

A carne que formara a Carne do Redentor foi transfigurada e assunta aos céus.

 Nós não guardamos esse segredo

Se Maria, com pudor, guardou o segredo de sua maternidade divina, a Igreja não conseguiu fazer o mesmo: desde o Pentecostes ela se dirige amorosamente à Mulher de Nazaré que lhe deu a existência de tão grande Redentor. De modo particular a Liturgia, que é a Teologia em oração, expressa o privilégio de Maria assunta ao céu. Vem do século IV a solenidade da Assunção festejada em 15 de agosto.

A Liturgia ortodoxa encerra o ano litúrgico celebrando a Assunção e proclama: “Deus, Rei do universo, concedeu-vos privilégios que superam a natureza; assim como no parto vos conservou a virgindade, assim no sepulcro vos preservou o corpo da corrupção e o conglorificou pela divina translação”.

No final do século VIII, o rei Carlos Magno recebe do papa Adriano I um Sacramentário em que, referindo-se à Assunção, louva: “É digna de veneração, Senhor, a festividade deste dia, em que a santa Mãe de Deus sofreu a morte temporal; mas não pôde ficar presa com as algemas da morte aquela que gerou no seu seio o Verbo de Deus encarnado, vosso Filho, nosso Senhor”.

A Assunção da Mãe de Deus foi a grande devoção do Pe. José de Anchieta. Junto com a Festa da Imaculada Conceição, a Assunção foi e é a grande alegria do povo católico latino-americano.

No dia 1º de novembro de 1950, Festa de Todos os Santos, na presença de bispos de todo o mundo, o papa Pio XII proclamou com a Igreja e inspirado pelo Espírito Santo: “pronunciamos, declaramos e definimos ser dogma divinamente revelado que: a imaculada Mãe de Deus, a sempre virgem Maria, terminado o curso da vida terrestre, foi assunta em corpo e alma à glória celeste”.

Apesar de tanta claridade, continuamos pedindo ainda mais luz para penetrarmos o mistério daquela que saudamos como Estrela do mar, Mãe silenciosa do Redentor, sempre virgem e porta do céu.

Pe. José Artulino Besen

Anúncios
  1. #1 por edwin vivanco em 15 de outubro de 2011 - 11:35

    Santa resposta as minhas orações, obrigado por ensinar sobre a nossa Mãe Maria

  2. #2 por Geralda Feitosa em 25 de outubro de 2011 - 10:42

    DEUS TRINO DE AMOR, nossa gratidão por MARIA – MÃE DE DEUS E MÃE DA HUMANIDADE, MÃE E RAINHA DO CÉU E DA TERRA.

  1. Maria Descobre que está Grávida. « Enchei-vos do Espírito Santo de Deus …
%d blogueiros gostam disto: