O ESPÍRITO SANTO, ARTÍFICE DO CRISTÃO

A vida espiritual é a arte de ter presente o Espírito Santo, é seu reconhecimento, é dar-lhe precedência nas decisões. É equivocado julgar que vida espiritual, espiritualidade sejam sinônimos de exercícios de piedade, horas de oração. Os atos devocionais estão inseridos na vida espiritual, mas não a definem. Vida espiritual é vida no Espírito Santo e com o Espírito Santo: é viver imerso nele e tudo, sentimentos, afetos, é iluminado pelo Espírito.

A vida espiritual tem origem no Espírito Santo quando ele clama, dentro de nós, “Abbá” – Paizinho: ainda não sabemos falar com Deus, por isso, o Espírito Santo balbucia em nosso lugar e nos vai introduzindo na amizade com o Pai. “Abbá” é a fala da criança, é a palavra que nos faz ingressar no espírito de filiação e viver como filhos carentes do amor divino (cf.. Gl 4,6). Depois, adultos na fé, o chamaremos de Pai..

Antes de ascender aos céus Jesus afirmou que o Espírito Santo que envia revela, recorda tudo o que ele falou e fez. O Espírito é o revelador de Deus: é ele quem decide nossa vida porque, sem Deus, estamos submetidos à morte.

O Espírito Santo nos faz continuamente recordar Deus Pai (recordar é recolocar Deus em nosso coração). Recordar é essencial na vida espiritual, é o lembrar contínuo da presença de Deus. Ao nos tornarmos seres espirituais por ação do Espírito Santo, nossa existência e nossos afetos se dilatam sobre todo o universo e assim, tudo e todos nos recordam a presença de Deus, nosso louvor brota espontâneo e intenso na contemplação da obra do Criador.

O Espírito Santo faz reconhecer as maravilhas de Deus. Uma dificuldade do homem de hoje é esta: na pressa de viver pouco com muita coisa, na busca incessante do vazio de vida, perde a capacidade do maravilhar-se. Passa por uma criança, uma mãe, flor, ave e não presta atenção, pois não se maravilha com nada além de si mesmo no espelho.

O amor à beleza é saudade de Deus. Sem esse amor afundamos no caos, no desespero, na desintegração pessoal. O Espírito Santo doa olhos espirituais ao homem, olhos novos, capazes de ver o rosto de Deus em tudo, também no Cristo e nos irmãos crucificados. Então proclamamos com o salmista: “Ó Senhor, nosso Deus, como é glorioso teu nome em toda a terra! Sobre os céus se eleva a tua majestade!” (Sl 8,1).

A vida espiritual é cristológica: ela continua a obra de Cristo, faz-nos recordar sua palavra e obra graças ao Espírito Santo, que nos faz reconhecer em Jesus o Cristo e Senhor do universo. Na Liturgia louvamos o Pai por Cristo, com Cristo e em Cristo, gerando a unidade do Espírito Santo em nós.

Santificação pelo Espírito Santo

A santificação, vocação a que todos somos chamados, é obra do Espírito Santo em nós. Os Santos Pais da Igreja afirmam que o homem e o Espírito Santo formam um único princípio: o homem existe ou como ser espiritual – e é pessoa – ou como ser carnal – e é apenas criatura. Assim, é pela inabitação do Espírito que somos verdadeiramente pessoas. Poderíamos aqui citar Santo Irineu: “A glória de Deus é o homem vivente e a vida do homem é a visão de Deus”. É do plano divino que um somente exista com o outro.

Pelo mistério do Batismo nos tornamos filhos de Deus, mas ainda somos mármore não esculpido, madeira sem forma. É pelo Espírito Santo que o mármore ou a madeira adquirem a forma de obra de arte, de beleza: ele imprime no ser ainda carnal a forma do homem perfeito, cria o cristão. A Liturgia celebra essa obra espiritual com o sacramento da Crisma: pela unção do óleo do Espírito Santo, o batizado se torna cristão, adquire a forma, o jeito, a atitude, o coração de Jesus Cristo. São Gregório de Nissa, Pai da Igreja, compara o homem com o ferro e o Espírito Santo com o fogo: como o fogo torna o ferro plasmável, podendo ser mudada sua forma, o Espírito Santo é o fogo que nos plasma à semelhança de Deus.

O Espírito Santo frutifica na vida e na história do homem e da humanidade através de seus dons e frutos: amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, lealdade, mansidão, autodomínio (Gl 5,22-23).

Através dele o homem pode tornar-se comunicador de Deus, porque o Espírito revela os mistérios de Deus, nos introduz no amor divino e dele nos faz anunciadores. Pela oratória somos bem falantes: já o Espírito nos faz comunicar palavras que geram comunhão e vida nova (brotam da unção espiritual). O Espírito Santo cria no homem uma orientação vivente para o Pai. Guiada pelo Espírito, nossa vontade torna-se vontade de Deus e decidimos, como Maria: “Sou a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra” (Lc 1,38).

A ação do Espírito Santo produz mudança externa na pessoa. Ao homem ele oferece o amor: a relacionalidade. Coloca em nós o amor que sai para amar, faz-nos sentir amados para podermos amar. O amor que orienta o encontro com o outro, ajudando a sair para entrar em comunhão. Saída não destrutiva, mas amorosa. Faz perder alguma coisa para adquirir comunhão. Não é perder por perder.

Como gratidão à obra santificadora do Espírito em nós, só nos resta continuar a invocar: “Vinde, Espírito Santo, enchei os nossos corações, neles acendendo o fogo do vosso amor”.

Anúncios

, , ,

%d blogueiros gostam disto: