CRISTÃO ISOLADO, NENHUM CRISTÃO

Irmã Dulce com crianças – Salvador – BA

O crescente individualismo de nossa cultura faz com que o transfiramos também para a esfera religiosa: minha fé, minhas crenças, minhas escolhas. Além disso, torna bastante difícil o estabelecimento de laços interpessoais e do sentido de pertença. O outro não me é necessário: eu me basto a mim mesmo.

E assim, no campo da fé, a consciência de viver numa comunidade torna-se um peso, pois não gostamos de ter com o outro um compromisso além daquele que me é necessário de imediato. O individualismo traz consigo o enfraquecimento da consciência eclesial  e muitos batizados não se sentem membros vivos e participativos da comunidade cristã, vivendo à margem. Só se dirigem às paróquias em determinadas circunstâncias, para receberem serviços religiosos.

Falamos muito em Cristianismo, e pouco em Igreja. É bom lembrar que o termo “Cristianismo” não é da Igreja primitiva. Os primeiros cristãos sentiam-se o Novo Israel em continuidade do Velho Testamento, serviam-se das palavras Aliança, Reino, Igreja, Comunidade dos Santos para se identificarem. Quando Paulo escreve às comunidades ele sabe que todos os seus membros têm uma identidade própria, cada seguidor de Cristo é membro de uma comunidade particular incluída numa comunidade universal. A preocupação com os pobres da Igreja de Jerusalém da parte das Igrejas da Ásia menor atesta bem essa consciência de comunidade única.

Muitos abandonam a comunidade eclesial por decepção, por terem sido mal acolhidos, pelos escândalos nas esferas religiosas. Acham que sozinhos é mais fácil ser santo, viver a fé, pois não precisarão mais nem fazer nem responder a perguntas sobre o que acontece em sua comunidade de fé.

Ao se agir desse modo, perde-se a beleza e a alegria de ser e sentir-se Igreja: “A Igreja não é uma comunidade daqueles que ‘não têm necessidade do médico’, mas sim uma comunidade de pecadores convertidos que vivem da graça do perdão, transmitindo-a por sua vez a outros” (J. Ratzinger). Agora como Papa Bento XVI, J. Ratzinger afirmou em recente alocução a respeito da beleza da Igreja: “A propósito da Igreja, os homens são levados a ver, sobretudo, os pecados, o negativo. Mas, com a ajuda da fé, que nos torna capazes de ver de modo autêntico, podemos também hoje e sempre ver nela a beleza divina”.

“Eu não vim chamar os justos, mas os pecadores” (Mt 9,13), afirmou Jesus. Ele continua a chamar a todos, formando uma comunidade admirável. Se ele chamasse apenas pessoas maravilhosas e virtuosas, que jamais errassem, não seria um sinal do Reino de Deus. O Padre Radcliffe, dominicano, a esse respeito nos oferece significativa meditação: “No coração de nossa vida cristã está a imensa vulnerabilidade da Última Ceia. Jesus coloca-se nas mãos de seus discípulos: “Tomai, isto é o meu corpo, entregue por vós”. Um dentre os discípulos o traiu, outro o negou, a maioria fugiu. Pertencer à Igreja é aceitar um pouquinho desta vulnerabilidade. Nós devemos aceitar estar implicados nos fiascos da Igreja e em seu heroísmo, em sua tolice como em sua sabedoria, em seus pecados como em sua santidade. E a Igreja também me aceita com meus pecados e com minha estupidez. É por isso que ela é “sinal e sacramento da unidade de todo gênero humano” (Lumen Gentium, 1,1). Nós pertencemos à Igreja não porque somos bons ou maus, mas porque somos discípulos de Jesus, aprendendo a caminhar juntos com ele e com aquele que está em nossa comunidade.

Para os primeiros Pais da Igreja era muito claro que “um cristão isolado não é cristão” (Unus christianus, nullus christianus). Mas, é importante lembrar, somente é cristão e membro de uma comunidade cristã aquele que decidiu dar uma resposta livre ao dom de Deus que é Jesus Cristo. Ser cristão é exercitar a arte da comunhão, da reconciliação na diversidade de pessoas, culturas e condições sociais. Quem é fechado em si, com medo do diferente, prefere uma religião ou individualista, ou de massa, tradicional, uma ideologia onde não precisa entrar em diálogo com o outro, gesto essencial na comunidade.

Quem sabe, a rejeição da comunidade e opção por viver sozinho a fé não seriam reflexos de nosso individualismo, de nosso fechamento interior?

Façamos nossa a oração que São Quodvultdeus, bispo de Cartago no século V, prescrevia para os candidatos ao batismo:

Concede, Senhor, a todos nós amar a Tua Igreja, a Tua amada. Faz com que lhe permaneçamos inabalavelmente fiéis, como a uma mãe amorosa, solícita e benigna, para que, com ela e por seu intermédio, possamos ser de casa junto de Ti, Deus e Pai nosso”.

Anúncios

, , , , , , ,

  1. #1 por Edson Abromovicz em 31 de maio de 2010 - 16:16

    Realmente não é fácil viver a igreja, muitas são as tentações para que sigamos o caminho mais cômodo, aquele onde não precisamos dar testemuho, ou viver em comunidade sem pedir nada em troca, mas somente através de Jesus é que descobrimos a beleza e toda plenitude da vida cristã.

%d blogueiros gostam disto: