ADVENTO – VEM, SENHOR JESUS!

O Menino que vem – Igreja da Transfiguração – Romênia

“Vem, Senhor Jesus!” Marana Thá! provavelmente é a mais antiga prece dos cristãos que ardentemente suspiravam pelo retorno do Senhor. Podemos imaginar a saudade de Jesus que tinham os Apóstolos, os discípulos, os pobres e doentes que tiveram o privilégio de conhecê-lo. Na Liturgia, o pedido “Vem, Senhor Jesus” é feito logo após as palavras da Consagração, na apresentação do Mistério da Fé, memória do gesto que Jesus ardentemente desejava fazer: comer com os Apóstolos a Ceia pascal, prenúncio de sua paixão e ressurreição.

“Vem, Senhor Jesus!” é a prece do tempo que antecede as alegrias natalinas. O tempo do Advento abre o Ano Cristão da Igreja latina e, conforme está na palavra Advento, traz o sentido de expectativa, pedido de socorro, esperança de mundo novo, grito por salvação. São quatro domingos: os dois primeiros nos remetem à vinda gloriosa do Senhor no final dos tempos e os dois últimos, à vida de Jesus no Natal. Natal da História, Natal de Belém.

Na escuridão do pecado que teima em infelicitar a humanidade, precisamos invocar a vinda do Senhor. Nossa civilização parece caminhar para a barbárie. Somos vítimas da violência verbal, institucional, onde nada tem limite. Nosso século inaugura um período onde nada é valor, onde qualquer coisa tem o valor que lhe damos. Um século onde os valores são desprezados de modo soberbo: cada um se acha fonte de verdade e de ética. Quando assistimos ao espetáculo de deputados e senadores ladrões e corruptos se apresentando como vestais, quando escutamos que policiais se aliam a assaltantes e roubam de ladrões, quando somos informados que o vírus da venalidade atinge as mais altas esferas da Justiça e da política, quando nos deparamos com os casos de pedofilia envolvendo aqueles cuja missão é defender os menores, como os religiosos, quando percebemos a juventude encontrando prazer na morte trazida pelas drogas, precisamos suspirar: “Vem, Senhor Jesus!”

Todos sentem-se pontífices da verdade, dando opiniões irresponsáveis sobre a vida e os valores, a voz sábia de Bento XVI é silenciada porque defende os pobres e denuncia o desperdício das nações ricas, o Cristianismo passa a ser vítima de uma nova perseguição, mais cruel e deletéria, porque se fundamenta na ridicularizarão dos valores bíblicos. A Igreja Católica, em todas as nações ricas e de velha tradição cristã é colocada sob suspeita. Defende-se por tudo o Estado laico, livre das imposições religiosas, desde que sejam católicas. Os judeus, as Testemunhas de Jeová, os Adventistas têm direito de não prestar concurso no sábado, dia por eles santificado. Ai da Igreja católica se pedisse para não haver trabalho no domingo: estaria se intrometendo no sagrado Estado laico… Os judeus colocaram a Estrela de Davi, os muçulmanos a Lua Crescente, substituindo a Cruz na Cruz Vermelha. Mas há juízes querendo tirar os crucifixos de todos os ambientes públicos. Incoerência.

Por que esse mau humor com a Igreja católica? Porque ela é necessária, porque sua palavra incomoda os que defendem o império do egoísmo, porque diz um “não” incondicional a tudo o que violenta a vida humana e a integridade da criação.

Como sempre, com mais força pedimos “Vem, Senhor Jesus!”

Mas, poderíamos perguntar, Jesus não está entre nós, ele que está em tudo e em todos? João nos responde: “Ele está no mundo, mas o mundo não o reconhece” (Jo 1,10). Ele está presente por seu amor e ausente pela nossa indiferença. Então, nosso pedido tem o sentido de que nossos olhos sejam purificados para vê-lo e aceitar sua companhia.

Querendo ou não, todo ser humano tem saudade do Senhor, saudade do Bom Pastor. Todos queremos que ele logo retorne. Quando rezamos “Senhor, sê nosso pastor”, ele responde: “Eu sou o pastor, carrego nos ombros todo o rebanho, cada um de vocês, assumi toda a natureza humana”.

Nossa cegueira espiritual nos faz procurar Jesus dele nos afastando, nos faz procurar Jesus, não percebendo que moramos nele e ele em nós. A Liturgia do Advento nos diz: a Redenção está próxima. Próxima não no sentido cronológico, mas físico, pois o Senhor está no meio de nós. Continuamos a perguntar “e quem é o meu próximo?”, para evitar compromissos.

Os corações mansos e humildes reconhecem o Senhor, pois ele uniu-se à pobreza de nossa natureza, fez-se carne por amor de nós, unindo-se a nós assumiu toda a condição humana. Para que? Para realizar seu plano de amor: unindo sua natureza divina à nossa natureza humana ele quer fazer-nos divinos, para que sejamos um com ele. (Cf. Gregório de Nissa, Carta a Teófilo).

O Senhor desceu para nos elevar. “Vem, Senhor Jesus!”

Pe. José Artulino Besen

, , , , ,

  1. #1 por Roberto em 27 de novembro de 2009 - 12:09

    Como Deus foi generoso conosco, fazendo o Sr Pe. Jose, postar estes artigos.
    Muito Obrigado

%d blogueiros gostam disto: